Conheça a ‘LêComigo‘ que distribui livros pelo país para estimular o protagonismo de jovens carentes - São Paulo São

Em 2013, Mateus, Maria e Pedro, apoiados pela mãe Susana Foz Caltabiano, decidiram fazer uma ação de Natal. Os jovens resolveram aproveitar o período das férias de verão para fazer algo que fosse ao mesmo tempo divertido e inspirador, ao invés de mais uma viagem puramente turística. Eles queriam percorrer o interior do Brasil para levar livros à escolas e comunidades vulneráveis.

Os filhos - na época estavam com 16, 14 e 12 anos - conseguiram arrecadar, junto a parentes e amigos, quase 5000 em 40 dias de campanha. O material foi organizado em caixas-bibliotecas, com cerca de 170 volumes cada, que foram acomodadas em quatro veículos, sendo um deles com uma barraca no teto. Enquanto se organizavam para a viagem, decidiram inventar um nome para a expedição e daí surgiu o LêComigo.

Saíram no dia 20 de dezembro 2013 pelo interior de São Paulo, com o desejo de chegar até o Maranhão, estado com um dos menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do país. Passaram por Minas Gerais, Bahia e Tocantins e uma tonelada de livros foi distribuída ao longo do trajeto.

As bibliotecas escolares são a maior fonte de acesso a livros para crianças e adolescentes, contudo, apenas 53% das escolas do país têm um espaço reservado para a leitura, de acordo com dados do Censo Escolar 2014. Pelo interior, o retrato é ainda mais triste, com pouco ou quase nenhum contato de crianças e jovens com os livros.

A LêComigo, desde 2013, já distribuiu três toneladas de livros e realizou diversos encontros entre jovens de vivências, regiões e cotidianos muito distintos. Foto: Reprodução / LêComigo.A LêComigo, desde 2013, já distribuiu três toneladas de livros e realizou diversos encontros entre jovens de vivências, regiões e cotidianos muito distintos. Foto: Reprodução / LêComigo.

O grupo ficou 36 dias na estrada, visitando escolas públicas, estaduais e municipais. A expedição passou por quilombolas, aldeias indígenas e comunidades ribeirinhas, encontrando pessoas inspiradoras e paisagens deslumbrantes. Na volta para casa, a família teve a certeza de ter vivido algo inédito e marcante e isso se revelou de maneira mais evidente no filho mais velho, Mateus, que havia encontrado um Brasil novo em diversidade, jeitos, riquezas e necessidades. Teve a certeza que gostaria de compartilhar destas descobertas com seus amigos e com o maior número possível de pessoas: “Nenhuma história merece ficar parada em uma estante. Muitos brasileiros ainda não têm acesso a livros. Ler é uma viagem”, diz o estudante.

A expedição passou por quilombolas, aldeias indígenas e comunidades ribeirinhas, encontrando pessoas inspiradoras e paisagens deslumbrantes. Foto: Reprodução.A expedição passou por quilombolas, aldeias indígenas e comunidades ribeirinhas, encontrando pessoas inspiradoras e paisagens deslumbrantes. Foto: Reprodução.Os irmãos Mateus e Maria resolveram fazer disso uma missão. Os jovens, que eram menores de idade, foram apoiados pela mãe e criaram uma Organização da Sociedade Civil sem fins lucrativos (OSC), a LêComigo, além de desenvolver uma metodologia própria para criar parcerias customizadas entre escolas públicas e particulares a fim de promover muito mais do que campanhas e doações, mas um intercâmbio entre jovens de realidades diferentes. “Nosso desafio é conectar os jovens por meio dos livros” destaca Susana.

"Sentimos na pele como a vida corrida nas cidades grandes isola de novas possibilidades e encontros e o quanto o Brasil precisa dos livros e de mais leitores. Estamos convocando todas as escolas e jovens de São Paulo para experimentar dessas mesmas emoções. Participar ajuda não apenas a quem recebe os livros, mas a quem os doa", explica Maria.

Comprometidos com o sonho de contribuir para que o Brasil tenha uma educação de excelência para todos, a LêComigo, desde 2013, já distribuiu três toneladas de livros e realizou diversos encontros entre jovens de vivências, regiões e cotidianos muito distintos: “A educação é o que vai levar o Brasil para frente. A LêComigo nos mobiliza a fazer nossa parte. Podemos agir, sermos cidadãos com compromisso e sempre de maneira divertida”, comenta Susana.    

Parceria entre escolas públicas e entre escolas públicas e particulares

Alunos dos Colégios Estaduais Padre Antão e Major Cosme de Farias Ermelino (Jardim Guaianases) em São Paulo. Foto: Lêcomigo / Divulgação.Alunos dos Colégios Estaduais Padre Antão e Major Cosme de Farias Ermelino (Jardim Guaianases) em São Paulo. Foto: Lêcomigo / Divulgação.A LêComigo tornou-se OSC em 2015 e desenvolveu uma metodologia que usa os livros para gerar encontros e transformações, apostando no protagonismo dos jovens. O projeto une alunos de escolas públicas e também de escolas particulares para que, juntos, promovam uma ação transformadora. 

Recentemente (no último 1 de dezembro),  a Escola Estadual Padre Antão da Penha, em São Paulo - já beneficiada pela metodologia da LêComigo -  replicou o aprendizado e fez uma vivência em outros dois locais: na Instituição Casa de Apoio à criança com câncer Vida Divina ( http://www.cavd.org.br/ ) e na escola estadual Major Cosme de Farias Ermelino (Jardim Guaianases). Juntas, as duas escolas levaram os livros e o afeto a uma terceira escola pública. Foram doados 700 livros e a ação contou com a participação de 62 jovens, de 2 a 18 anos.

O primeiro case foi implementado em Trancoso, no Sul da Bahia, em 2015. A LêComigo ajudou a organizar encontros entre os jovens do Instituto Trancoso e os alunos da Escola Graded de São Paulo, promovendo uma ação transformadora na Escola Municipal da Sapirara, na área rural da cidade. Os encontros já beneficiaram centenas de estudantes. 

Para a LêComigo, “A  juventude é fonte de criatividade e vitalidade. E o jovem é capaz de agir na sociedade já.“ Foto: LêComigo / Reprodução.Para a LêComigo, “A juventude é fonte de criatividade e vitalidade. E o jovem é capaz de agir na sociedade já.“ Foto: LêComigo / Reprodução.Atualmente, apoiados pela OSC, os jovens do Instituto Trancoso estão ampliando o encontro entre estudantes ao fomentarem a leitura em outras escolas da região, como a Escola Municipal Maria dos Anjos. Na grande São Paulo, alunos de escolas públicas estão vivenciando a metodologia LêComigo e também temos as que se conectam com o projeto através da arrecadação e doação de livros infanto-juvenis. “Essa é a ideia: uma rede de jovens se conectando para incentivar a leitura e ajudando a fazer chegar livros aonde não tem”, reforça Susana.

O projeto atua em escolas da grande São Paulo, tais como: E. E. Padre Antão na Penha, E. E. Fernando Gasparian no Capão Redondo, E. E. Alfredo Paulino, entre outras.  Passou também por muitas regiões do Brasil entregando as “bibliotecas LêComigo” em lugares como Jalapão (TO), Fernando de Noronha (PE), Chapada da Diamantina (BA), Vale do Jequitinhonha (MG), Vale do Ribeira (SP), Serra Catarinense (SC), Jericoacoara, Fleixeiras, Guagiru, Gijoca (CE), Lençóis Maranhenses (MA), Comunidade do Anã (PA), Avaraes (AM), entre tantas outras. São 68 escolas visitadas e contempladas com as “ Bibliotecas LêComigo”. Atualmente, cinco escolas vivenciam o processo completo de nossa metodologia.

Tem livros para doar? A gente pode doar para você ou levarmos juntos! Venha viver uma experiência LêComigo. Foto: Reprodução / LêComigoTem livros para doar? A gente pode doar para você ou levarmos juntos! Venha viver uma experiência LêComigo. Foto: Reprodução / LêComigoOs jovens engajados na LêComigo arrecadam livros infanto-juvenis usados, mas em ótimo estado de conservação e formam as “Bibliotecas LêComigo”, para crianças de 2 a 16 anos. Também se organizam para potencializar a leitura na sua comunidade ou em alguma região do Brasil.

Com foco em despertar consciência e ação cidadã, a organização tem desenvolvido sua metodologia por meio de conceitos e práticas ligadas ao empreendedorismo social, protagonismo juvenil e desenvolvimento de competências socioemocionais. A LêComigo consolida-se em torno do modelo de comunidades criativas da organização internacional “Parceiros para o empoderamento de jovens”.

Conheça a LêComigo www.lecomigo.org.br e saiba como ajudar!

***
Com informações de Flávia Meirelles / Forma RP.