Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

Quiaqui, quiaqui, quiaqui... O grito de guerra da turma da Rua Capitão Antonio Rosa, para falar que já tinha gente livre de lição de casa e que era hora de se reunir.

A turma da Capitão se dividia em duas: a verdadeira, e a turma do morrinho, que nem sei por que tinha este nome, mas o fato é que as mães falavam que eles eram do babado forte, e não podíamos brincar com eles.

“Esse trabalho é muito angustiante. Sinto que há 20 anos trabalho sofrendo, com dificuldade, preocupado. Nós consertamos. Na medicina, consertamos. Consertamos as besteiras da natureza. A natureza pode ser outra coisa para os religiosos, mas não me digam que a natureza é algo belo. Na natureza há coisas belas, e também horríveis. A natureza é uma barbárie. Lutamos eternamente contra uma barbárie. Mesmo sabendo que ela ganhará no fim”.

Muita gente tem se manifestado dizendo que não vê problemas em incluir carne de cabeça de porco em embutidos. Eu sou um deles. Outros, que a tal "vitamina C", mesmo em excesso, não é cancerígena. Outros ainda, que o tal "papelão" é na verdade celulose - necessária para estruturar o produto, podendo se usar, alternativamente, algum amido e glúten. Há muitos embutidos cuja tripa é feita de celulose, material que o organismo não absorve.

São Paulo se faz a cidade que é pelos Zés e Marias, anônimos e famosos que a movimentam. Abrindo-se para todos os que vêm morar por aqui, cada qual com sua essência e paixão, tal como Nega, a alagoana Ângela Uchoa que no final dos anos 80 trabalhou no melhor da noite paulistana, o bar Lei Sêca, templo dos insiders de então. Sua essência, o amor pela noite e a arte de fazer amigos. Gerenciou casas de responsa como Muller & Godard e Charles Edward, reergueu o Tomtom Jazz e fez a festa no Drosophila. Boêmia, diz que vive de vender sonhos, a tal felicidade.