Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas


O ENEM de 2015 demonstra que o analfabetismo funcional não atinge apenas os estudantes, mas a Nação inteira.

É constrangedor ver a quantidade de gente que não consegue interpretar um texto.

Um povo que não consegue distinguir “sentido denotativo” de “sentido conotativo” num texto é um povo funcionalmente analfabeto.

E povo, aqui, não é usado no sentido conotativo de “gente pobre”, “gente humilde”; povo, aqui, é usado no sentido denotativo de “conjunto de pessoas ligadas por laços territoriais, culturais ou religiosos”.

Ou seja, o povo brasileiro, nós todos, somos incapazes de discutir um texto a partir do sentido que esse texto tenha ou possa ter.

É constrangedor ver a quantidade de gente que acredita que, na citação feita a obra sua no ENEM, Simone de Beauvoir renegava a genitália como elemento de distinção entre homem e mulher.

É constrangedor ver que o texto de Simone de Beauvoir foi interpretado como se referido ao debate sobre homossexualidade.

Como hoje é sábado e segunda é feriado, lá vai:

Antes de tudo: pronuncia-se “Bovoárr”.

Agora, ao texto.

Beauvoir não fala ali de homossexualidade.

Beauvoir não fala ali que a sexualidade é algo que se escolhe ou que, ao contrário, é algo que não se escolhe.

Beauvoir não fala ali que ninguém nasce com o sexo ou a sexualidade definido ou indefinido.

Beauvoir não fala ali de opção sexual.

Beauvoir ali está falando disto e só disto: do papel social imposto à mulher.

Quando Beauvoir diz que “ninguém nasce mulher”, ela quer dizer que ninguém nasce sendo o que a sociedade espera que seja o papel de uma mulher:

*ninguém nasce submisso;
*ninguém nasce para cuidar da casa;
*ninguém nasce para casar, ter filhos e dedicar-se exclusivamente a isso;
*ninguém nasce para ganhar menos do que os outros só por ser homem ou só por ser mulher.

Ao dizer que “ninguém nasce mulher”, Beauvoir está afirmando que de ninguém se pode exigir desde o nascimento que faça isto ou aquilo, assim ou assado, apenas por ter nascido com este ou aquele sexo.

Ela quer dizer que uma mulher tem a liberdade de decidir:

*se quer ou não se casar,
*se quer ou não ter filhos, se quer ou não ter uma casa,
*se quer ou não cuidar dessa casa ou de qualquer outra casa,
*se quer ou não estudar, trabalhar, ir pelo mundo afora,
*se quer aprender a cozinhar,
*se quer cozinhar em casa ou num grande restaurante – ou até mesmo num pequeno restaurante, ou
* se prefere assistir TV comendo pipoca de pantufas num sábado de carnaval.

O debate que cabe aqui, portanto, é sobre o valor que a nossa sociedade dá ou pretende dar à ideia de que cabem ao homem e à mulher papéis na sociedade que são específicos e determinados de antemão.

Querem debater sobre o que Beauvoir realmente quis dizer?

Caio Leonardo Bessa Rodrigues é advogado e sócio do Escritório Mattos Muriel Kestener, faz parte da Associação Brasileira dos Profissionais de Relações Institucionais e Governamentais. É conselheiro do São Paulo São.

*Este texto foi escrito, sábado, 31 de outubro de 2015.


A obra “A Metamorfose”, de Franz Kafka, completa 100 anos. Por aqui esse substantivo feminino que define a nossa capacidade de se transformar ganhou tons Pop quando Raul Seixas cantou: “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.

A vida nos convida a exercitar transformações. Quanto mais conscientes somos dos nossos papéis e das nossas responsabilidades, mais nos sentimos livres para revisitar escolhas, opiniões e práticas, na busca de aprimorarmos a maneira de ser e estar nesse mundo.

O mundo encontra-se conturbado, repleto de conflitos, guerras, disputas, intolerâncias, concentração de riquezas, êxodos crescentes, sistema  econômico em colapso, esgotamento das matrizes energéticas fósseis, riscos de aquecimento global e práticas de corrupção reveladas em distintos países envolvendo governantes, empresários e até representantes de instituições tidas como padrão de excelência, como a FIFA.

Que tal aproveitar o centenário de “A Metamorfose” para cada um refletir sobre o que é e o que fazer para se transformar e contribuir para as mudanças que muitas vezes apontamos no outro, mas que não somos capazes de imprimir em nós mesmos. Por aqui, fico. Até a próxima.

Leno F.Silva é diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.


Por Adi Leite.

Esses dias revi o filme The Sheltering Sky (1990), ou na adaptação brasileira, “O Céu Que Nos Protege”, uma novela de Paul Bowles, estrelado por Debra Winger (Kit Moresby) e John Malkovitch (Port Moresby) com direção de Bernardo Bertolucci.

A história se passa em 1949, logo após a segunda guerra. Um casal de americanos viaja pelo norte da África acompanhado por um amigo.

Apesar da trama não estar circunscrita apenas no triângulo amoroso que envolve o casal e o amigo, vou fazer um recorte muito pessoal onde o que pretendo é estabelecer um jogo entrelaçando o primeiro diálogo e a natureza dos personagens sob o ponto de vista do life coaching, com o intuito de trazer a tona uma reflexão sobre questões que envolvem o autoconhecimento. 

“... Nós não somos turistas, somos viajantes.

- Qual a diferença?

- Turista é a pessoa que pensa em voltar para casa no momento em que chega em seu destino, enquanto o viajante não pensa na volta ...”

Na definição dos personagens, o turista é aquele que está sempre pensando em voltar para casa enquanto o viajante está aberto ao mundo e suas possibilidades não importando a volta, sempre olha para a frente.

Quase como uma obviedade da condição humana a mulher se envolve com o amigo e a vértices do triângulo adquirem a tensão como elemento de ligação.

A percepção instaurada no marido de que a mulher possa ter se envolvido com o amigo cria um novo elemento ao filme. O fugitivo.

Num ímpeto passional o marido decide seguir juntamente com sua mulher por um caminho diferente do amigo. Passando a investir irracionalmente no desencontro.

Instaura então a natureza do fugitivo.

O medo.

O medo da perda.

O medo de enfrentar a realidade.

Vamos então trazer para nosso cotidiano essas definições:

O que seria o turista no dia a dia?

Pessoas que nunca assumem muito o que são ou o que fazem e estão sempre de olho em algo que as possibilite não estar em lugar nenhum, como se estivessem o tempo inteiro de olho no horário da saída da escola ou do trabalho e que no final do dia regressam para suas zonas de conforto; e, ao longo do tempo somam algumas frustrações pelo não realizado.

Os viajantes seriam aqueles que se entregam aos seus projetos, são capazes de criar um roteiro para suas vidas e acreditam que estão seguindo pelo caminho que os levará ao encontro de seu desejo.

Agora chegamos aos fugitivos. Quem seriam e como classificá-los?

Os fugitivos são os donos do não.

Eles até entram na viagem, compram as passagens, mas estão sempre vinculados a seus passados e consequentemente dizendo não ao presente.

Os fugitivos são a representação do medo que sabota o movimento.

A negativa é sua defesa. Não quero. Não posso. Não, não tem cabimento.

O fugitivo é o não da história.

Embasado em seus medos segue negando qualquer possibilidade de mudança mesmo quando elas já aconteceram. E assim se torna aquele que foi há muitos lugares, mas, ao regressar para sua casa, e sua bagagem é sempre pesada. Repleta de críticas.

E você? Qual seria o seu personagem?

Viajante?

Turista?

Ou fugitivo?

***
Adi Leite é Life & Career Coaching certificado pela sociedade brasileira do coaching, fotógrafo e jornalista.

 


Já faz tempo que a energia do medo rege a vida do País. Medo de andar na rua, medo de sair de casa, medo de brincar, medo de sorrir, medo de se divertir, medo de pensar, medo de agir, medo de conviver, medo de abrir os olhos, medo de dizer não, medo de falar, medo de protestar, medo de apanhar, medo de gritar, medo de cantar, medo de namorar, medo de fazer amor, medo de dar uma flor, medo de aprender, medo de ir à escola, medo de pensar, medo de dizer a verdade, medo torcer, medo de celebrar um gol, medo de olhar em outras direções.

Sabemos que ter medo é da vida e há situações em que o medo, quando identificado e mensurado, nos protege e pode até nos mobilizar e nos fortalecer para enfrentá-lo adequadamente. Entretanto, o medo generalizado, se transformou em produto rapidamente incorporado com alarde pela grande mídia, principalmente a sensacionalista, que na ausência de criatividade inunda a programação, em destaque a jornalística, para criar um estado de pavor.

Apavorado e com o medo, os cidadãos se desesperam. Evitam sair de casa e desconfiam até do poste. Perdem a esperança, ficam paralisados, e deixam de nutrir sentimentos positivos e de enxergar muitas coisas boas que diariamente acontecem ao nosso redor.

Sem o medo industrializado, talvez tenhamos a possibilidade de nos conhecermos e nos olharmos com mais respeito, doçura e tolerância. Quiçá será mais fácil conviver e ocupar as ruas, as praças, os espaços públicos de forma plena. Valorizar o coletivo, o fazer juntos, a construção de pontes que integrem o centro e as periferias; que nos permita circular por todos os cantos da cidade, cumprimentar os vizinhos, o padeiro da esquina, a costureira da rua de baixo, e o dono da farmácia que há mais de 10 anos almoça no restaurante ao lado da casa lotérica, que pertence ao pai do melhor amigo do seu filho. Por aqui, fico. Até a próxima.

Leno F.Silva é diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.

 

 

Uma das decisões mais radicais e irreversível na vida é a paternidade. Com efeito, todas as conversas a partir de então acabam se aproximando das peripécias e feitos dos filhos.

E, numa dessas conversas, uma amiga jornalista me disse que seu filho de cinco anos na volta da escola, chegou até ela e declarou:

- Mãe, eu já sei o que eu quero ser quando crescer.

- É mesmo? O que você quer ser?

- Eu quero ser dono.

- Quase desmoronei, mas, resolvi investigar:

- Você quer ser dono do que?

- Eu quero ser dono, não importa.

- Quero ser dono.

- Putz!, fiquei pensando sobre que motivos levaram meu filho de cinco anos a tomar essa decisão. Decisão que poderá mudar muitas vezes ao longo de sua vida, é claro. Porém, ainda que em sua inocência, uma decisão. Para mim é um desafio incrível tomar qualquer decisão. Há sempre tantas questões que sinceramente me dá uma preguiça enorme até mesmo de tentar. E, o que é pior, não raro, depois de algum tempo acabo enfrentando algum tipo de arrependimento ou frustração pelo fato de não ter feito algo que gostaria.

Não me contive:

- E aí? Você? Já decidiu o que quer ser?

Apesar de contrariada com a pergunta, ela respondeu:

- Eu!!!!?????

- Acho que quero ser dona! Hahahahahahahahahahahahaha!

- A é? Mas, dona do que?

- Dona da minha vida!

- Você está pronta para ser dona?

- Não sei.

- E se você soubesse? (continuei).

Muito mais contrariada ainda, indagou:

- Putz, ter uma maior capacidade de decisão sobre o que quero de fato, e seguir em frente sem ficar criando desculpas para não fazer?

- Não sei. O que você acha? (respondi).

E assim lancei nosso diálogo em um silêncio profundo.

Mas, por que decidir é tão desafiador?

Você sabia que em sua raiz etimológica a palavra decidir também significa cortar?

“lat. decīdo,is, cīdi,cīsum,ĕre 'cortar, separar cortando, despedaçar a golpes'...”(grande dicionário Houaiss).

Pois é, decidir é tão desafiador porque ao decidirmos por algo automaticamente cortamos todo o resto. E assim nos lançamos ao que é novo. E o novo sempre assusta.

De que forma então poderíamos estabelecer uma relação menos conflituosa com nossas decisões?

Podemos começar buscando respostas para algumas perguntas:

Essa decisão é importante para mim?

O que eu ganho se eu tomar essa decisão?

Quais os benefícios que esta decisão pode me trazer no futuro?

O que eu perco se eu não tomar essa decisão?

O que eu perco se eu tomar essa decisão?

De que maneira posso me movimentar para amenizar essas possíveis perdas?

E, finalmente, quem sabe, se, ao buscarmos as respostas para estas questões não estamos, também, nos preparando para ser donos.

Donos de nossas vidas.

Adi Leite é Life & Career Coaching certificado pela sociedade brasileira do coaching, fotógrafo e jornalista. Passa a escrever quinzenalmente no São Paulo São como colunista.

 


Fazia tempo que não ia ao teatro. No último sábado fui ver “A Mandrágora”, de Nicolau Maquiavel, numa saborosa montagem dirigida por Eduardo Tolentino de Araújo, do Grupo Tapa.

Maquiavel é autor da obra “O Príncipe”, de 1513, na qual ele sugeriu a frase “os fins justificam os meios”, sempre atual ainda mais em tempos de caça aos corruptos no Brasil e no mundo. Esse pano de fundo também está escancarado em toda a encenação que trata dos mecanismos que uma certa majestade aceita utilizar para tentar engravidar a sua esposa e, quem sabe com isso, gerar o tão sonhado herdeiro.

A temática e os diálogos dessa tragicomédia são tão atuais que parecem ter sido escritos nos dias de hoje. Mais uma comprovação de que as práticas de corrupção para diferentes finalidades remontam o início da formação das nossas sociedades, e pelo que temos constatado ainda demorará muito para as exterminarmos.

Os 90 minutos de espetáculo são uma deliciosa mistura de excelentes interpretações, ótimas sacadas de humor e uma direção segura que privilegia os talentos dos atores, com destaque para Guilherme Sant'Anna, vencedor do Prêmio Shell.

Um programa delicioso, a preços acessíveis, que sem perder a visão crítica, nos faz refletir com graça sobre nos mesmos. Em cartaz até 01 de novembro de 2015. Corra, antes de seja tarde. E não deixe de convidar os amigos. Por aqui, fico. Até a próxima.

Serviço

'A Mandrágara'
Realização: Grupo Tapa.
Quintas e sextas-feiras às 20h30.
Preços: R$ 30,00 inteira / R$ 15,00 meia.
Sábádos às 20h30 e domingos às 19h | R$ 40,00 inteira / R$ 20,00 meia.
Teatro Aliança Francesa - Rua General Jardim, 182 – Vila Buarque.
Informações:11 3017-5699 r. 5602 / 5608 / 5617.

Leno F.Silva é diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.