Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

Dos teatros às ruas, a dança é uma arte presente na cidade de São Paulo, pronta para ser descoberta, apreciada, questionada. Disponibilidade para enxergá-la e de alguma forma se deixar envolver por ela, é fundamental. Pode ser o início de uma aventura sem volta, mesmo para o espectador leigo e especialmente curioso, disposto a conhecer e acompanhar a diversidade de expressões que se manifesta a cada momento, somada às transformações que refletem a evolução dos tempos.

Ludwig Mies van der Rohe (1886 -1969). Imagem: ArchDaily.Ludwig Mies van der Rohe (1886 -1969). Imagem: ArchDaily.

Louis Sullivan, arquiteto americano considerado o "pai" dos arranha-céus de Chicago, é reconhecido também pela influência que teve sobre alguns dos mais importantes arquitetos modernistas do século XX, como Frank Lloyd Wright e Ludwig Mies van der Rohe. Ainda em 1896, anos antes de Mies cravar sua famosa frase "less is more" (usada para se referir a uma linguagem de clareza e depuração, traduzida em formas geométricas básicas e também em sofisticação e cosmopolitismo, características de seus edifícios de aço e vidro), Sullivan já havia afirmado que "a forma segue a função" – uma  referência aos padrões de proporções e à interdependência dos princípios conceituais ("utilitas" "venustas" e "firmitas", respectivamente "utilidade", "beleza" e "solidez") estabelecidos por Vitruvius em seu "De Architectura" (aprox. 27 a 16 a.C.).

Um dos acontecimentos mais tradicionais de Portugal e que reúne, há mais de 150 anos, alguns milhares de estudantes, tem pela primeira vez uma “pegada” mais sustentável e politicamente correta. 

A Queima das Fitas, festa que pode seguir por vários dias, com atividades culturais, sociais e esportivas, é organizada pelas maiores universidades do país e segue um ritual que se repete ano a ano, praticamente sem alterações, desde o século XIX. O ato de queimar as fitas – usadas pelos estudantes para prender seus livros – nasceu quase como um “rito de passagem” para marcar o fim dos anos de universidade e o começo de uma nova vida longe dos bancos acadêmicos.

Os alunos se reuniam na porta da faculdade, saiam em cortejo pelas ruas e queimavam as fitas numa pequena cova no chão. O ato simbólico também indica, para os que entraram no ano anterior, o momento em que eles deixam de ser “caloiros” (alunos do primeiro ano) e começam a gozar de algum status na hierarquia estudantil.