Como enquadrar propósito e foco em uma única fotografia? - São Paulo São


Está aberta a temporada de caça ao propósito. Por todos os lados tem alguém falando sobre propósito como se fosse a grande salvação. A insistência sobre o assunto nos faz pensar se precisamos nos preocupar ou se é mais um termo utilizado por alguma estratégia de marketing para vender uma solução milagrosa para nossas vidas.

Com efeito,  o assunto começa a fazer parte do dia a dia das pessoas. É comum nas rodas de conversas pessoas preocupadas em saber quais seriam seus propósitos, e se de fato precisariam de um para seguir em frente.

Outra palavra que nos persegue no momento é o foco!

Muitos artigos voltados para o desenvolvimento humano sugerem que se entendermos nosso propósito e focarmos em um resultado específico conseguiremos mais facilmente atingir nossos objetivos. Simples assim.

Mas, ... então, porque é tão desafiador determinar nossos propósitos, e consequentemente focar em nossas realizações?

Pois bem, vamos usar o ato de fotografar, para investigarmos um pouco mais.

O que será que nos desperta o desejo de sacarmos nossos aparelhos do bolso para arriscar uma cena onde quer que estejamos. O que nos move?

Obviamente que a tentativa de simplificar este entendimento necessariamente não tem a intenção de tornar esta investigação simplista. Nosso papel aqui é criar aproximações.

Voltemos então a fotografia:

Vamos imaginar que nos movemos pelo desejo de compartilhar nossas imagens, a este desejo daremos o nome de propósito (intenção):

Estamos andando na cidade e diante de nós  uma cena nos chama atenção e então quase como num reflexo lá vamos nós procurar uma melhor posição para a realização da fotografia, nos movimentamos para frente ou para trás, para um lado e para o outro, e,  pronto, click. Imediatamente podemos conferir, se não estivermos satisfeitos e ainda houver possibilidade repetimos a operação até nos contentarmos com o resultado, e imediatamente compartilhamos entre nossos amigos em uma rede social, certo?

Vamos lá, se nossa intenção era publicarmos a imagem compartilhando em alguma rede social, bingo! conseguimos.

Mas e o foco?

O fato de estarmos voltados para nosso propósito, nos permitiu buscar o melhor enquadramento, checar a nitidez, fazer a foto e compartilhá-la. O foco foi a nossa ferramenta.

Em algum momento paramos para pensar no processo que envolve o ato de fazer uma simples imagem para compartilhá-la em uma rede social?

Os processos em nossas vidas não são diferentes.

Nosso propósito é o que desejamos para nós mesmos, e o foco é o motor que utilizamos para alcançá-lo.

Mas, como saber qual o nosso propósito?

Quem sabe se fecharmos nossos olhos e começarmos a imaginar como gostaríamos de estar daqui a 1, 2, 5 ou 10 anos ...

Qual imagem vemos?    

Quais as cores?  

Quais os cheiros?  

O que mais?

Como nos sentimos visualizando isso?

É real?

E se for real, o que precisamos começar a fazer para colocar nosso foco a serviço do compartilhamento dessa imagem?

***
Adi Leite é Life & Career Coaching certificado pela sociedade brasileira do coaching, fotógrafo e jornalista. Escreve quinzenalmente no São Paulo São como colunista.