Avenida Paulista, a praia da cidade - São Paulo São

O espaço de lazer e de encontros que se transformou a Av. Paulista, aos domingos, pode ser considerado uma síntese das diversidades nesta metrópole.

Circulei por lá anteontem por um curto período, no meio da tarde, mas foi possível ver um pouco de tudo. Nas apresentações de música tinha grupos de jazz, forró, rock progressivo, xaxado; intérpretes de Hip-Hop e a cópia de Roberto Carlos vestindo um terno branco e azul, as cores preferidas do “Rei”. Nesse ponto da pista um casal arriscou dançar coladinho.

Em outro trecho meninas se deliciavam com bambolês e outros brincavam de pular corda, como nos tempos em que eu era criança.

A ciclovia e as faixas extras para as magrelas estavam repletas de adeptos, os quais circulavam com segurança e em harmonia com os transeuntes.

Democraticamente nas calçadas ocupadas por “segmentos”, aconteciam atrações já mencionadas, além de reunir dezenas de “barraquinhas” de artesanatos variados, bijuterias, objetos de decoração. Passeando romanticamente, uma garota a fisgar clientes, carregava um tablado com brigadeiros gourmets.

O espaço de lazer e de encontros que se transformou a Av. Paulista, aos domingos, pode ser considerado uma síntese das diversidades nesta metrópole.

Circulei por lá anteontem por um curto período, no meio da tarde, mas foi possível ver um pouco de tudo. Nas apresentações de música tinha grupos de jazz, forró, rock progressivo, xaxado; intérpretes de Hip-Hop e a cópia de Roberto Carlos vestindo um terno branco e azul, as cores preferidas do “Rei”. Nesse ponto da pista um casal arriscou dançar coladinho.

Em outro trecho meninas se deliciavam com bambolês e outros brincavam de pular corda, como nos tempos em que eu era criança.

A ciclovia e as faixas extras para as magrelas estavam repletas de adeptos, os quais circulavam com segurança e em harmonia com os transeuntes.

Democraticamente nas calçadas ocupadas por “segmentos”, aconteciam atrações já mencionadas, além de reunir dezenas de “barraquinhas” de artesanatos variados, bijuterias, objetos de decoração. Passeando romanticamente, uma garota a fisgar clientes, carregava um tablado com brigadeiros gourmets.

Gente de todas as idades, vindos de regiões distintas, se encontrava no espigão-símbolo de Sampa, que recebia seus cidadãos de braços abertos.

Andar de ponta a ponta foi um exercício instigante para ver uma pequena representação da nossa gente, e assistir talentosas performances de artistas em contato direto com o público.

Foi uma delícia circular à vontade pela Paulista, a nossa praia. Voltarei mais vezes e convido você a descobrir essa versão cool de São Paulo. Por aqui, fico. Até a próxima.

Gente de todas as idades, vindos de regiões distintas, se encontrava no espigão-símbolo de Sampa, que recebia seus cidadãos de braços abertos.

Andar de ponta a ponta foi um exercício instigante para ver uma pequena representação da nossa gente, e assistir talentosas performances de artistas em contato direto com o público.

Foi uma delícia circular à vontade pela Paulista, a nossa praia. Voltarei mais vezes e convido você a descobrir essa versão cool de São Paulo. Por aqui, fico. Até a próxima.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.