As mulheres e os seus encantos - São Paulo São

Li no vidro traseiro de um automóvel a seguinte frase: “99% da beleza da mulher sai com água e sabão”. Em vez de filosofar sobre o pensamento estampado, faço uma interpretação livre das possíveis razões que levaram o autor a escrevê-la no seu carro.

Trata-se de um rapaz sem sorte no amor, que apesar de desejar casar e ter filhos, ainda não encontrou a mulher de seus sonhos, e todas as que cruzaram pelo seu caminho o desapontaram. Principalmente a última, que decidiu por um final e acabar com tudo em menos de uma semana de encontros sem graça.

Outra possibilidade: o homem em questão é do tipo exibicionista, que grudou a frase de propósito só para atrair a atenção e provocar que lhe façam a pergunta: “Por que 99% da beleza da mulher sai com água e sabão?”. Aí ele responde de peito cheio: “É que já namorei o 1% restante e sei o que é mulher de verdade”.

Bem, se a história cair para a linha auto-ajuda, o cara pode ser alguém querendo estender a mão para auxiliar homens e mulheres a encontrar o verdadeiro “eu” interior e os caminhos da felicidade que, como sabemos, está dentro de cada um de nós. Por isso, no vidro do outro carro ele escreveu: “99% da cara-de-pau masculina não se lustra nem com verniz”. E para atender a gregos e troianos ele vende CD de psicologia para ouvir durante o sono. É a chamada absorção por ondas sonoras com resultado 100% garantido ou o dinheiro de volta.

Outra hipótese: o carro pertence a uma mulher e a frase está rasurada. A correta diz: “99% da beleza da mulher não sai com água e sabão. Ouça o seu coração”. Essa é a alternativa que mais me agrada, porque nessa minha convivência com mulheres na família, no trabalho e nas relações de amizade, tenho aprendido a ouvir e a admirar todos os seus sentidos nas diversas cores e intensidades. Por aqui, fico. Até a próxima.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.