Aquarius: filme preciso para os dias de hoje - São Paulo São

Assisti “Aquarius” no primeiro dia em que o filme de Kleber Mendonça Filho entrou em cartaz. Tinha visto o trailer apenas uma vez, e depois de toda a visibilidade que ele ganhou pela forma com que o elenco se posicionou contra o Golpe, em Cannes, minha curiosidade aumentou.


A especulação imobiliária é o principal ponto de tensão, mas a fita trata de histórias de vida: relacionamentos, conflitos, problema de saúde, desigualdade social, poder e de convicções, costuradas nos 35 anos de mudanças pelas quais passaram a personagem Clara, que nas partes 2 e 3 da obra são maravilhosamente interpretadas por Sonia Braga.

Fiquei com a impressão de que o papel foi escrito para ela: uma mulher independente, que já passou dos 60 anos, circula pelo bairro a pé, mora sozinha no apartamento que adora porque lá tem tudo o que precisa para viver bem.

Foto: DivulvaçãoFoto: DivulvaçãoQuase não percebi as mais de duas horas de projeção. Fui levado a percorrer situações diversas muito semelhantes as que vivemos todos os dias, e já me cativei logo no início com a escolha da música “Hoje”, cantada por Taiguara, que me fez relembrar dos anos 1980 e das lutas pela redemocratização do Brasil.

Deixei a sala de cinema agradecido pelo que acabara de ver: um roteiro primoroso, uma trama envolvente; diálogos maduros, uma trupe de atores muito competentes, e uma direção precisa. E para a minha alegria, a canção do começo é a mesma do encerramento. Faz sentido, porque o que precisamos enfrentar para a construção de um Estado verdadeiramente democrático ainda persiste. Por aqui, fico. Até a próxima.

Serviço

Título: Aquarius.
Direção: Kleber Mendonça Filh.o
Elenco: Sonia Braga, Maeve Jinkings, Irandhir Santos. 
Gêneros: Drama, Suspense.
Nacionalidades: Brasil, França.
Duração: 2h25min.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.



-->