Ora, pois, para as artes plásticas - São Paulo São

Conhecemos bem e somos apreciadores da culinária lusitana, relativamente popular por aqui graças ao bacalhau e às padarias.

Embora também estejamos familiarizados com os doces, São Paulo ganhou nos últimos anos uma representante oficial: a Casa Mathilde, que oferece uma variedade de pães e doces a partir das receitas artesanais desenvolvidas desde 1850.

Se no campo gastronômico estamos bem servidos, sabemos pouco das artes plásticas produzidas no país-irmão. Foi para preencher essa lacuna que o Museu Afro Brasil concebeu, sob a curadoria de Emanoel Araujo, a exposição “Portugal Portugueses – Arte Contemporânea”.

Trata-se de uma mostra vigorosa, a maior realizada no Brasil, que reúne 270 obras de mais de 40 artistas, com recortes artísticos diversos e uma diversidade de técnicas, as quais formam um significativo panorama da arte lusa atual.

“Portugal Portugueses - Arte Contemporânea” é a segunda mostra da trilogia do Museu dedicada às raízes da cultura brasileira, na qual influências interculturais de Portugal, África e Brasil surgidas com o antigo império português e aprofundadas pela escravidão são redesenhadas na perspectiva contemporânea - a exposição que abriu a sequência, “Africa Africans”, foi eleita pela Associação Brasileira de Críticos de Arte a melhor exposição de 2015. 

Reserve pelo menos duas horas para percorrer os distintos espaços e apreciar cada detalhe das obras. Saboreie cada trabalho como se estivesse degustando as delícias gastronômicas ou um ótimo vinho do Porto, e volte para a casa com a alma nutrida. Ora, pois, por aqui, fico. Até a próxima.

Serviço

Título: “Portugal Portugueses - Arte Contemporânea” 

Curadoria: Emanoel Araujo.
Onde: Museu Afro Brasil.
Parque do Ibirapuera, Portão 10.
Quando: até 8 de janeiro de 2017.
Horário: de terça-feira a domingo, das 10 às 17 horas, com permanência até às 18 horas.
Fone: 55 11 3320-8900
www.museuafrobrasil.org.br

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.