Lenna Bahule: de Moçambique para cantar e viver entre nós - São Paulo São

Pense numa voz encantadora. Pense numa intérprete doce e, ao mesmo tempo, gigante. Pense num show delicado, belo, criativo e com muita personalidade. Pense numa jovem de Moçambique, que chegou ao Brasil há quatro anos, com o sonho, a fé e a garra de desenvolver aqui o seu trabalho de cantora e de compositora.

Tudo isso é Lenna Bahule, que ouvi pela primeira vez em 2013, na Feira Cultural Preta, edição Casa das Caldeiras. Naquela ocasião ela já mostrava as suas forças, apresentando canções de sua terra natal, repletas de ritmo, musicalidade e de vibração.

O show de lançamento do CD “Nômade” ocorrido no último sábado foi resultado do projeto ousado, produzido graças a recursos captados por Crowdfunding.  Além do excelente repertório, o processo de produção mereceu capricho e a performance ao vivo contou com uma trupe de competentes profissionais no coro; na banda, mais artistas convidados. 

O espetáculo terminou com uma fala emocionada de Lenna, que fez agradecimentos aos seus familiares, às suas escolhas e aos muitos amigos brasileiros que a acolheram e contribuíram para que os produtos finais – CD e show – fossem bem-sucedidos.

Não teve bis porque uma surpresa quase a “desmontou”, no momento em que a sua irmã surgiu para abraçá-la, vinda direto de Moçambique. As pernas de Lenna balançaram, mas a guerreira é forte e soube desfrutar do presente com alegria, e no melhor lugar: o palco do SESC Santo Amaro, teatro que estava lotado para prestigiar o corajoso e excelente trabalho dessa nômade que escolheu viver e cantar entre nós. Por aqui, fico. Até a próxima.

Créditos

Lenna Bahule
Coral: Camila Ronza, Luana Baptista, Victória Vic, Lilian Rocha, Erik Ekström, Edu SattaJah, Vinicius Costa.
Músicos: Ari Colares, João Taubkin, Sérgio Reze.
Artistas convidados: Marcelo Pretto, Clariana, Zé Leônidas, Ines Queme (Moçambique), Gumboot Dance Brasil.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas. Escreve toda semana no São Paulo São.