Aos domingos, a vida pulsa no Minhocão - São Paulo São

User Rating: 0 / 5

Caminhar pelo Minhocão, o Elevado João Goulart, aos domingos, é uma maneira de encontrar com algumas das diversidades de Sampa.


Muito criticado como solução de mobilidade urbana e projeto arquitetônico, o espigão que liga o centro à zona oeste da cidade vive congestionado na maior parte do dia de segunda à sexta.

Os edifícios laterais passam a sensação de estarem colados às grades de proteção das pistas, e os primeiros andares ficam completamente expostos e sem privacidade. Por isso, algumas janelas permanecem fechadas todo o tempo, sem contar a poluição do ar, intensa, em função do volume de veículos expelindo CO2.

A existência de um movimento organizado para transformar essa obra do Maluf em um parque suspenso dá alento e esperança o que, talvez, possibilitará a melhora sensível das condições ambientais da região.

Enquanto isso não avança, sobra aproveitar os domingões como der na telha: andar, correr, bicicletar; passear com cães, desfilar de patins, jogar bola com as crianças, saborear as delícias culinárias vendidas informalmente e, o mais importante, ver e cruzar com pessoas de carne e osso e ao vivo.

Sem pressa e com olhar de observador é comum perceber que a vida pulsa nos apartamentos dos prédios “invadidos” pelas pistas de rodagem.

Já se constata lá uma nova fase da expansão imobiliária. Lançamentos e projetos ousados atraem futuros moradores, os quais buscam as facilidades daquele perímetro, sem o risco de terem as suas individualidades vistas nos primeiros pavimentos, e também apostam numa completa revitalização da área nos próximos anos.

Que vença o Parque Minhocão, com mais verde, humanidade; opções de lazer, entretenimento e cultura para a nossa gente boa da cidade de São Paulo. Por aqui, fico. Até a próxima.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Escreve às terças-feiras no São Paulo São.