Fronteiras do design - São Paulo São

‘Ancient visions always freeze‘. Imagem: AVAF Henzel Studio / Reprodução.‘Ancient visions always freeze‘. Imagem: AVAF Henzel Studio / Reprodução.

Há objetos que, mesmo produzidos com alta tecnologia, segundo um projeto específico e em escala industrial, apresentam-se aos nossos olhos com a força das obras de arte, únicas e manufaturadas. Colocam-se na relação com o observador mais como ‘sujeitos’ do que como ‘objetos’, surpreendendo por sua originalidade, emocionando por uma beleza única e instigando por subverterem padrões existentes. Esses objetos nos tiram de uma certa zona de conforto e exigem de nós um novo olhar e uma nova reflexão sobre aquilo que pensávamos conhecer.

Os tapetes criados pelo Henzel Studio são assim – questionam, testam e transcendem fronteiras que, muitas vezes, ainda persistem entre design (nesse caso, de interiores) e arte. O ponto de partida é um novo olhar sobre esse objeto, tão conhecido (?) de todos nós… E o resultado é invariavelmente arrebatador.

A empresa desenvolve projetos com designers do mundo inteiro.

Em 2013, o coletivo AVAF (Assume Vivid Astro Focus), formado por Eli Sudbrack (carioca radicado em São Paulo) e Christophe Hamaide-Pierson (francês que vive em Paris), criou para o Henzel o incrível 'Ancient visions always freeze', poética leitura sobre o desenvolvimento imobiliário na cidade de São Paulo. Com formas livres, cores vivas e alturas variáveis por blocos, o tapete mistura arte e design, crítica e observação, beleza e inovação. 

Imagem: AVAF Henzel Studio / Reprodução.Imagem: AVAF Henzel Studio / Reprodução.Não há dúvida de que, sem excelência técnica e alta qualidade de materiais, seria impossível materializar em lã traços e cores que mais parecem ter surgido de pinturas, grafites e aquarelas. Mas se esses tapetes falam à nossa alma é porque, por trás dessa excelência técnica e da qualidade dos materiais, uma outra alma se lançou a eles disposta a transformá-los num novo meio de expressão. Para tanto, questionou o convencionalismo, subverteu padrões, usos e finalidades, e com isso redefiniu não apenas um novo universo de cores, imagens e tratamentos para esse objeto, mas também a relação que podemos estabelecer com ele.

Inquietude, inconformismo e paixão são ferramentas fundamentais para abrir nossa mente e nosso coração, permitindo que nos lancemos ao novo. E nossa alma precisa do novo – (re)descobrindo formas, cores, usos e relações, podemos criar e desfrutar, a cada dia, de novas fontes de beleza e prazer.

Exposição do Henzel Studio na Tanja Grunert Gallery de Nova York. Foto: Reprodução.Exposição do Henzel Studio na Tanja Grunert Gallery de Nova York. Foto: Reprodução.Para conhecer mais acesse: http://byhenzel.com/


***
Valéria Midena, arquiteta por formação, designer por opção e esteta por devoção, escreve quinzenalmente no São Paulo São. Ela é autora e editora do site SobreTodasAsCoisas e sócia do MaturityNow

*Texto editado e atualizado, a partir do original publicado no blog SobreTodasAsCoisas