Graciosa visita inesperada - São Paulo São

A prima da Vera chegou sem avisar e com uma mala que parecia que a sua mudança era definitiva.

Indagada, disse que ficaria apenas uma semana, e que eu não precisaria me impressionar com o volume da bagagem, e reforçou: “Como é a minha primeira vez em São Paulo, trouxe roupa para todas as estações, porque dizem que aqui faz sol, frio, chove e pode ter neblina, tudo no mesmo dia”.

Depois dessa explicação da especialista em meteorologia de botequim fiquei tranquilo, e iniciei uma conversa para saber quais as curiosidades e as expectativas da moça em relação à maior cidade de América Latina.

Para minha surpresa ela tirou da bolsa uma folha de papel com a sua lista detalhada de lugares e de experiências que gostaria de conhecer e desfrutar, resultado de pesquisas efetuadas com a ajuda do Google, mais dicas de amigos que já passaram por aqui. 

A relação de lugares imperdíveis não me surpreendeu: Parque do Ibirapuera, bares da Vila Madalena, Horto Florestal, Jardim Botânico, Zoológico, Aquário Municipal, Terraço Itália, Praça do Por do Sol e o Museu Afro-Brasil.

Quanto às vivências imprescindíveis, ela destacou assistir partidas de futebol nas Arenas do Corinthians e no Allianz Parque, do Palmeiras que, segundo expressou, são as mais bonitas do Brasil. Como curiosidade futebolística também incluiu passar em frente ao Estádio Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembú, e conhecer o campo do São Paulo, o Cícero Pompeo de Toledo, no Morumbi. Fez questão também de considerar uma visita ao campo do Juventus, na Mooca.

Amante da música, ela foi rigorosa na escolha, e preferiu fugir das grandes casas de espetáculo. Com conhecimento de causa, escolheu ver uma apresentação da Comunidade Samba da Vela; ir aos ensaios das Escolas de Samba Vai-Vai e da Camisa Verde e Branco; dançar até o sol raiar no Ó do Borogodó e no Canto da Ema e, quiçá, ver um show bacana no Centro Cultural Rio Verde.

Como a lista era longa, interrompi dizendo que os dias só têm 24 horas e que eu não estava disponível o tempo todo para acompanhá-la. Descolada, a Vera lascou: “Não se avexe não, trouxe os contatos de vários amigos de amigos que, generosamente, vão me acompanhar nessas aventuras, e nem de hospedagem eu preciso. Só passei aqui hoje para dar um abraço e te deixar esse bolo de rolo de presente. O legítimo, direto de Recife”.

Agradeci o presente e me despedi. Só tive notícias da Vera quando ela me mandou uma mensagem dizendo que tinha amado tudo em Sampa, e que a sua próxima parada seria Belo Horizonte. Com carinho, desejei sorte e mandei um “até a próxima“ para essa mulher arretada!

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Escreve às terças-feiras no São Paulo São.