A Paz deve ser lapidada a cada segundo - São Paulo São

O 2 de Outubro é reconhecido como o Dia Internacional da Não-Violência (ONU), essa condição de convivência tão desejada, por meio da qual todas as pessoas do mundo respeitariam as diversidades e valorizariam os seres humanos em prol da construção permanente do bem comum. 

A data, criada em homenagem ao pacifista Mahatma Gandhi, tem o propósito de incentivar a educação pela Paz, respeitando sempre os direitos humanos.

Mais do que um compromisso das nações, a Paz é um estado de consciência individual com efeitos cotidianos em cada escolha, decisão e atitude que praticamos. Nesse sentido, a Paz se nutre a cada instante porque a todo o momento somos desafiados pelas circunstâncias de dentro e de fora a revalidar as nossas convicções.

Os estímulos externos são relativamente fáceis de serem identificados. Entretanto, os maiores exercícios que a vida  nos convida a enfrentar estão nas situações que criamos internamente, a partir dos nossos pensamentos, os quais podem transformar o imaginário em fatos “reais” que geram em primeira instância desequilíbrio, ansiedade, descontrole, dentre outros sintomas conhecidos.

Nesse dia tão importante para a humanidade foi sintomático o que aconteceu em Las Vegas, uma das cidades mais importantes dos Estados Unidos da América, em que um homem irado decidiu matar pessoas que estavam assistindo a um show de música. Até agora esse ato violento resultou em 58 mortos e mais de 500 feridos.

Foi um ato isolado, mas que demonstrou o quanto a sociedade está doente, visto que, por diversos motivos, massacres contra cidadãos comuns como formas de protesto, indignação, intolerância, posicionamento político ou instabilidade emocional são cada vez mais corriqueiros.

Num mundo em que vivemos conectados e acompanhamos tudo instantaneamente, a tragédia de Las Vegas, como milhares de outras, são descartadas no momento seguinte quando novas postagens  nas Redes Sociais nos convidam a “Curtir”, “Comentar” e “Compartilhar” de maneira automática.

A verdadeira Paz deve ser lapidada segundo a segundo, diante do espelho. Naquele momento solitário e crucial que nos convida a olhar com sinceridade para nós mesmos e a responder pelo menos três questões: 1) Quem sou?;  2) O que eu vim fazer aqui, e 3) Qual a minha contribuição para um mundo melhor? Por aqui, fico. Até a próxima.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Escreve às terças-feiras no São Paulo São.