Felicidade? O caminho é curto! - São Paulo São

Sempre que um ano chega ao fim, multiplicam-se as esperanças que no próximo ano, sim!

No próximo ano é que eu vou ser feliz, que eu vou concretizar os meus planos. 

Eu vou perder peso, eu vou mudar de emprego, eu vou mudar de estado civil, eu vou ter um filho, eu vou comprar uma casa, são tudo planos que acreditamos nos fazem alcançar a tão desejada felicidade. 

Mas  então por que tantas pessoas que tem tudo isso se consideram ainda em busca da felicidade? 

A felicidade tem mesmo a ver com TER?  

Ter o peso certo, ter o emprego certo, ter a pessoa certa ao nosso lado? 

Existem vários caminhos, mas apenas um destino através do qual atinges o estado de felicidade.

O primeiro passo para encontrares a felicidade, é descobrires a tua essência, o teu ser interior que foi camuflado ao longo do tempo pelas crenças que herdaste, que foste construindo e que te fizeram esquecer de quem realmente és. 

O caminho é curto. Só tens de mergulhar dentro de ti com coragem para retirar todas as camadas que te separam dessa semente que anseia por germinar. 

Mais cedo ou mais tarde, o apelo dessa energia interna que se quer manifestar, vai dar-te força para romperes com todas as barreiras. 

Cada um tem o seu tempo para se preparar para a viagem e é assim que está certo. 

Não adianta forçar. Fiquemos atentos aos sinais e abertos a ir à descoberta. 

Por vezes, antes de viajarmos para dentro, precisamos nos afastar do nosso cotidiano para ganharmos perspectiva e prepararmos a viagem.

Neste período atrevemos-nos a pôr em causa verdades que nos foram transmitidas, ouvimos novas correntes de pensamento, frequentamos novas práticas, vamos fazendo algumas experiências fora da nossa zona de conforto e percebendo que o mundo é muito maior do  que o que pensávamos e a pouco e pouco vamos vislumbrando que afinal já estamos no trilho certo.

Chegar à nossa essência pode demorar mais do que demorou afastarmo-nos dela. O importante é colocarmo-nos a caminho a partir do ponto em estamos hoje. Um passo será suficiente para mudar a direção do nosso percurso. Não vais precisar de mapa, basta que te deixes guiar pela intuição e aceites que a certeza de estares no caminho certo te chega pela sensação de estares nesse caminho. 

Mesmo sem teres uma explicação racional, quando te perguntares: é por aqui? Vais sentir a resposta. E lembra-te que ser feliz, não significa ausência de problemas ou de dor. A felicidade é a consequência de quem vive alinhado com a sua essência, de quem escolhe e se comporta a partir dela. Isso não evita os desafios e as perdas, não evita momentos de tristeza, mas evita que te sintas perdido no meio das tempestades que irás atravessar. Aí, na turbulência, quando antes te afogavas em sofrimento, agora podes sentir dor mas apesar disso vais também sentir que és uma pessoa feliz a atravessar uma tormenta, e isso faz toda a diferença.

Se gostas de tomar resoluções de ano novo, ou de te ofereceres presentes, escolhe fazer uma experiência de autoconhecimento, algo que te coloque na trilha que te há-de levar a ti. Pode ser algo bem suave (ler um livro), ou desafiador (fazer uma viagem sozinho), o que importa é que sintas que é por aí!

Apesar do receio não sucumbas ao medo. Tomando as palavras do mestre Oswaldo Oliveira: “o medo leva à sobrevivência, o coração leva à evolução!“ Escolhas felizes e transformadoras em 2018!

***
Eduarda Oliveira é criadora do International Happiness Forum e das Viagens com Propósito, mestranda em Turismo de Interior e uma eterna apaixonada pelo desenvolvimento pessoal e autoconhecimento. *Artigo escrito com exclusividade para o São Paulo São.