Cinema no Carnaval - São Paulo São

Neste Carnaval nada de folia, e não foi por falta de opções. Além do Sambódromo, com os seus desfiles previsíveis, os blocos se consolidaram como alternativas diversas para quem quis participar da festa de Momo, em São Paulo, de forma mais livre e democrática.

Decidi aproveitar os dias em que a cidade ficou vazia para ir ao cinema nas sessões de pré-lançamentos selecionados pelo Espaço Itaú. Assisti o excelente drama contemporâneo “Sem amor”, ao filme biográfico “LOU”, inspirado na vida da escritora e psicanalista Lou Andreas-Salomé, e a dramática produção norte-americana “Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi”. Por caminhos distintos as três produções tocam em questões contundentes nos dias atuais.

Sem Amor, fita do leste europeu narra as dificuldades de separação de um casal jovem russo em permanente conflito, que se vê obrigado a se relacionar após ao desaparecimento do filho pré-adolescente. Depois de anos juntos, os dois se preparam para suas novas vidas: ele com sua nova namorada, que está grávida, e ela com seu parceiro rico. Com tantas preocupações eles acabam não dando atenção ao filho Alyosha, que acaba desaparecendo misteriosamente. É um dos fortes candidatos a melhor filme estrangeiro no Oscar desse ano.

Já a história narrada em primeira pessoa conta os percalços vivenciados por Lou Andreas-Salomé, uma mulher que se impôs diante de uma sociedade machista e conservadora; foi amada por Nietzsche, respeitada por Freud, e viveu de acordo com as suas convicções. A escritora e psicanalista decide reescrever suas memórias aos 72 anos. Ela relembra sua juventude em meio a comunidade alemã de São Petersburgo. 

Quanto a “Mudbound”, (foto) toca na velha ferida do racismo que vigorou de maneira brutal nos Estados Unidos, em particular no Mississipi, no período da Segunda Guerra Mundial. Baseado no livro de Hillary Jordan, a história desenrola-se após a Segunda Guerra e segue uma mulher que se muda com o marido para a fazenda dele no Mississipi. 

As três produções abordam problemas e dificuldades das relações humanas, as quais estão presentes em nosso cotidiano não como obras de ficção, mas em certas situações crônicas as quais insistimos em não enfrentar adequadamente.

E para dizer que não passei ileso ao Carnaval, fui à concentração do Bloco Ditadura nunca mais, na Barra Funda, e acompanhei por um quarteirão o Charanga do França, um bloco familiar que tocou marchinhas do quando eu era criança.

Agora que o feriado mais esperado do Brasil quase acabou, retomemos as nossas vidas e ocupemos as ruas para construirmos, juntos e misturados, o país que queremos. Essa revolução está nas nossas mãos, nas nossas mentes e nos nossos corações. Por aqui, fico. Até a próxima.

Serviço

“Sem amor”, Alemanha, Bélgica, França, Rússia.
Direção: Andrey Zvyagintsev.
Elenco: Maryana Spivak, Alexey Rozin, Varvara Shmykova.
Gênero: Drama.
Duração: 126 minutos.
Classificação: 12 anos.

“LOU”, Alemanha, Suíça. 
Direção: Cordula Kablitz-Post.
Elenco: Katharina Lorenz, Nicole Heesters, Livi Lisa Fries. 
Gênero: Biografia, drama.
Duração: 113 minutos.
Classificação: 12 anos.

“Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi”, Estados Unidos
Direção:Dee Rees.
Elenco: Garrett Hedlund, Jason Mitchell, Carey Mulligan 
Gênero: Drama.
Duração: 134 minutos.
Classificação: 16 anos.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Escreve às terças-feiras no São Paulo São.

 



-->