Imensidão azul - São Paulo São

Descobri a pintura de Deborah Paiva quando vi, pela primeira vez, a imagem que abre este texto. Eram meados de 2015 e a imagem me saltou aos olhos em uma rede social, na página de uma amiga em comum. No mesmo instante vieram à minha mente, todos misturados, os azuis de Kieslowski, o cotidiano de Hopper, as cenas capturadas por Sophie Calle para sua série ‘Voir la mer’ e os bordados de Louise Bourgeois que compõem a ‘Ode a la Bièvre’. Uma bela imagem que me tocava (e ainda toca) por entrelaçar, com elegância e delicadeza, silêncio e solidão, melancolia e contemplação, intimidade e imensidão.

A obra integrava a exposição ‘A liberdade é azul’, que Deborah tinha acabado de inaugurar no Museu de Arte Contemporânea de Campinas. Além dessa, outras pinturas de grandes dimensões e infinitos azuis colocavam o observador perto – mas não dentro – de situações cotidianas, cujos personagens (em sua maioria femininos) se mostravam paradoxalmente desprovidos de persona: nenhuma face, nenhuma narrativa explícita, nenhuma história revelada. Apenas momentos congelados de um cotidiano comum – e comum não apenas por sua frugalidade, mas também pela possibilidade de pertencer a qualquer pessoa, personagem ou observador.

Menos de dois anos depois, a artista inaugurou outra belíssima exposição, agora na Galeria Rabieh, que representa a artista em São Paulo. Denominada  Bordado.Bordado. ‘Um dia comum’, a exposição evidenciava o olhar sensível e atento de Deborah, capaz de capturar em cenas corriqueiras e aparentemente banais o momento preciso em que a existência humana toca a eternidade – aquele instante fugaz em tudo ao nosso redor entra em estado de suspensão para que exista apenas um  universo interior.

Ferreira Gullar (1930-2016) costumava dizer que a verdadeira arte traz em sua essência uma complexa uma alquimia, que é a capacidade de transformar “sofrimento em alegria, isto é, em Moça na Janela.Moça na Janela.beleza”(1). Para ele, “a arte sempre teve (e tem) a ver com a beleza, porque, do contrário, não nos daria prazer”. E é essa alquimia de que fala Gullar que se percebe na obra de Deborah.

Não bastasse o caráter universal das cenas que retrata, a artista transforma solidão e melancolia em lindos azuis, rosas delicados ou cinzas sutis, e (re)constrói, com beleza, poesia e personalidade, a vida de cada personagem – e a de cada um de nós.

Como disse o poeta-artista em sua frase mais famosa, “a arte existe porque a vida não basta”. Artistas como Deborah, ao traduzirem em beleza nosso cotidiano, ampliam os prazeres de nossa vida – e a dimensão de nossa existência.

P.S. Deborah Paiva é também professora no curso "Oficina de criação: pintura contemporânea", no Instituto Tomie Ohtake.

(1) “Arte como alquimia“, texto de Ferreira Gullar publicado no jornal Folha de S. Paulo em 19 de abril de 2015.

Prainha.Prainha.Moça na Janela (esquerda), Bordado (direita) e Prainha. Imagens / Reprodução: Deborah Paiva.

Este texto, originalmente publicado em meu blog SobreTodasAsCoisas, não teria sido escrito sem a leitura prévia dos seguintes artigos:
- “Sobre inflexões na pintura de Deborah Paiva“, Afonso Henrique Martins Luz, Galeria Virgílio, São Paulo, 2012.
- “Exercício de olhar“, Aracy Amaral, Museu Lasar Segall, 2012.
- “Um dia comum“, Douglas de Freitas, Galeria Rabieh, 2017.

***
Valéria Midena, arquiteta por formação, designer por opção e esteta por devoção, escreve quinzenalmente no São Paulo São. Ela é autora e editora do site SobreTodasAsCoisas, produtora de conteúdo e redatora colaboradora do MaturityNow.


-->