Nem sempre é preciso enxergar para ver - São Paulo São

De acordo com o censo 2010 do IBGE, 3,5% da população se autodeclara com deficiência visual, sendo 528.624 cegos e 6.056.654 com baixa visão.

No filme “Teu mundo não cabe nos meus olhos”, Edson Celulari interpreta Vitório, um pizzaiolo que não enxerga desde o nascimento, mas que aprendeu a viver com essa particularidade e, na profissão, prepara maravilhosamente suas pizzas porque sabe, pelo olfato e pelo calor, identificar o ponto exato do preparo.

Já cinquentão, ele transita com segurança pelo Bixiga, que conhece desde os primeiros passos. E em companhia de sua bengala, sempre atento a tudo o que acontece ao redor, o charmoso torcedor do Corinthians, percorre no dia a dia os trajetos do bairro conhecidos e registrados no seu inconsciente. Mas, ao descobrir que existe a possibilidade de enxergar, Vitório inicia um conflito consigo mesmo e precisa tomar uma grande decisão.

O mérito do drama com toques de comédia é colocar o cego como protagonista e mostrar que existem formas diferentes de enxergar e viver. Não obstante a esse aspecto positivo, por outro lado, a opção do diretor foi a de manter invisível a representatividade de negros e pardos, os quais representam quase 53% da população brasileira.

No filme, ao descobrir que existe a possibilidade de enxergar, Vitório (Celulari) inicia um conflito consigo mesmo e precisa tomar uma grande decisão. Foto: Divulgação.No filme, ao descobrir que existe a possibilidade de enxergar, Vitório (Celulari) inicia um conflito consigo mesmo e precisa tomar uma grande decisão. Foto: Divulgação.

Nas diversas cenas internas da pizzaria Piccolo Mondo, a igualdade racial entre os consumidores do estabelecimento inexiste, e até nas filmagens feitas em estádio de futebol no meio da arquibancada, nenhum torcedor que aparece próximo ao pizzaiolo apaixonado pelo Timão é negro.

Os produtores são vitoriosos por terem feito uma fita sensível, que trata a inclusão de pessoas com deficiência respeitosamente, mas faltou ousadia em, por exemplo, não explorar melhor os sentimentos e a intimidade entre o protagonista e a sua mulher, Clarice (Soledad Vilamil).

A inclusão de pessoas com deficiência e a igualdade racial são questões fundamentais em nosso país, e a produção cinematográfica pode desempenhar um papel importante no processo de enfrentamento e de transformação da nossa realidade.

Entretanto, não basta colocar um personagem cego como protagonista, se as lentes das câmeras e o roteiro continuarem mostrando um Brasil que não reconhece e nem valoriza as diversidades da nossa gente. Por aqui, fico. Até a próxima.

Serviço

Filme: Teu mundo não cabe nos meus olhos (Brasil).
Gênero: Drama.
Direção: Paulo Nascimento.
Produção: Edson Celulari e Paulo Nascimento.
Elenco: Edson Celulari e Soledad Villamil.
Duração: 93  minutos.
Classificação: 10 anos.
Trailer oficial: https://youtu.be/s7Ch1pAhHL8

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Escreve às terças-feiras no São Paulo São.



-->