Como tirar a caveira do veneno do seu prato? - São Paulo São

Graças ao rolo compressor da bancada ruralista para aprovar o pacote do veneno (PL 6299), a sociedade brasileira esta tendo a oportunidade de discutir a disseminação da morte através da sua alimentação. Sabedores de que agrotóxico mata, esses senhores inventaram um eufemismo: há, para eles, um “risco aceitável” em oposição ao inaceitável.

Sendo a nossa vida única, para nós todo risco identificável é inaceitável, e quando a Secretaria da Saúde publica dados sobre as ocorrências de câncer em cada município de São Paulo, percebemos que umas cidades, mais que outras, concentram um numero absurdo de ocorrências. Estas, por sua vez, são atribuídas por cientistas analistas ao consumo involuntário de agrotóxicos presentes principalmente nas lavouras de monocultura.

Pôr-se a salvo desses riscos, significa tomar nas próprias mãos a responsabilidade de rever  o modelo de produção agrícola, especialmente da monocultura praticada pela maioria esmagadora do agronegócio.

Não adianta lavar o pimentão para livrar-se do veneno. Este age em nível celular. Está impregnado na estrutura do fruto. Assim como a soja e o milho que o boi, o porco ou o frango comem para chegar à nossa mesa. Todo o veneno residual deságua em nosso prato, em doses “aceitáveis” ou não, acumulando-se em nosso organismo de modo a produzir uma série de doenças, como o câncer.

Convencer cerca de 12 milhões de produtores a abrirem mão do uso de veneno não é fácil. Foto: Getty Images.Convencer cerca de 12 milhões de produtores a abrirem mão do uso de veneno não é fácil. Foto: Getty Images.

Não há como escapar dessa lógica, exceto mudando a dieta para zero agrotóxicos. É o que a Dinamarca, por exemplo, tem como meta para 2020. Será o primeiro país livre de agrotóxicos.

Entre nós prevalece o raciocínio de que o uso de veneno é inevitável para alimentar toda a população. Essa naturalização do risco é o que o tornaria “aceitável”. Assim, o raciocínio dos envenenadores consiste em nos encurralar no dilema da morte por fome ou por envenenamento. O que você preferiria?

Esse falso dilema, do qual os dinamarqueses irão escapar, apóia-se ainda no argumento de que a agricultura orgânica, no Brasil, representa apenas 1% do consumo de alimentos. Existem 4 milhões de propriedades familiares no Brasil e elas são responsáveis por 70% do que chega à nossa mesa. É preciso a sociedade demandar esse tipo de produto, o Estado apoiar a transição do modelo tradicional para o novo, com crédito, assistência técnica, logística, etc.

Especialmente as classes médias urbanas são levadas ao conformismo, até pela falta de esclarecimento. São submetidas cotidianamente à propaganda de produtos nocivos à saúde e aos argumentos alienados de nutricionistas. Por exemplo, nutricionistas que prescrevem dietas propagam a quatro ventos as virtudes do salmão de granja – “rico em Omega 3” – sem alertarem a população para o fato de que atualmente, e mundialmente, esse tipo de peixe é considerado o alimento que mais riscos traz à saúde.

A Dinamarca, tem como meta, zero agrotóxico para 2020. Foto: iStock.A Dinamarca, tem como meta, zero agrotóxico para 2020. Foto: iStock.

Mas nós não somos prisioneiros da morte por envenenamento. Foram os governos, apoiados numa opinião pública inerte, que nos impuseram o modelo de produção que só beneficia o agribusiness.

Romper com isso é uma luta de titãs. Vai desde a mudança de hábitos individuais de consumo até a imposição ao Estado de metas “dinamarquesas”.

Aqueles que trabalham na cadeia de alimentação, possuem um papel estratégico na conversão para uma agricultura limpa. O consumidor quer alternativas e esclarecimento sobre o que leva à boca. É nessa cadeia, que liga o produtor à mesa de cada um, que as alternativas e esclarecimentos devem prosperar. Na alimentação fora do lar, por exemplo, é preciso que ela se estabeleça com clareza.

Não é fácil. Imagine a profusão de restaurantes japoneses nas grandes cidades que oferecem, na hora do almoço, o indefectível sushi de salmão. O público “exige” e o proprietário entrega a porção de veneno cotidiano que irá matar parte dos seus clientes. O mesmo no uso de pimentões, tomates, morangos. Mas a política é também a arte das intenções, e a intenção de nos livrar dos venenos exige escolhas cotidianas. Por exemplo, oferecer tomates orgânicos em vez daqueles impregnados por venenos; oferecer salmão selvagem ou peixes de captura e assim por diante. A comodidade (a preguiça de enfrentar as dificuldades inerentes a uma nova escolha), a facilidade de adotar produtos nocivos, tornam o cozinheiro, o dono do restaurante, cúmplices e agentes da morte de longo prazo.

Criadouro de salmão em New Brunswick, no Canadá, onde foram encontradas doses de pesticida na ração dos peixes. Foto: Robert Bukaty / AP. Criadouro de salmão em New Brunswick, no Canadá, onde foram encontradas doses de pesticida na ração dos peixes. Foto: Robert Bukaty / AP.

O mesmo raciocínio vale para os governantes que se omitem diante do problema. O confortável argumento da “nutrição” acoberta o incomodo convívio com os princípios de morte.

Se a bancada ruralista nos fez o favor de colocar a discussão da saúde e alimentação no centro do debate político, é hora de tirar dela o monopólio do discurso alimentar. O que você irá fazer nesse sentido?

***
Carlos Alberto Dória, sociólogo e conselheiro do São Paulo São, tem vários livros publicados sobre sociologia da alimentação. Mantém e edita o blog e-BocaLivre.



-->