Uma noite no Jardim de Monet. Mas pode ser aqui. - São Paulo São


Numa noite recente, enquanto o sono demorava a chegar, visitei o jardim de Claude Monet. Em segundos me transportei para Paris e lá conversei com o artista daquelas pinturas maravilhosas que enchem os nossos olhos de encanto, beleza e ternura.

Sem escapar da realidade, a imaginação nos permite percorrer distintos universos. Basta escolher a janela ou a porta de entrada. Nesse meu diálogo com um dos expoentes do impressionismo pude caminhar minuciosamente pelo seu famoso jardim e observar a variedade de plantas e flores.

E mais: a minha visita o estimulou a me fazer uma tela exclusiva, a qual está pendurada numa parede imaginária que acesso a qualquer instante, e que me faz mergulhar em outras texturas.

Essa atmosfera de possibilidades me permitiu desvendar o mundo em busca de outras inspirações. Contudo, sem precisar ir a Paris é possível ter experiência semelhante, e desvendar as belezas dos jardins dos Parques de São Paulo como, por exemplo, o Ibirapuera, o da Aclimação, o do Carmo e do Horto Florestal, sem se esquecer do acolhedor Jardim Botânico.

Nessa conversa com Monet agucei a minha sensibilidade e dormi tranquilo. As cores do seu jardim agora residem em mim, bem como o sorriso com o qual ele me presenteou ao desejar boa noite. Acordei muito bem e, para os apressados, sigo vivendo em harmonia e sem qualquer diagnóstico que indique a necessidade de tomar Lexotan. Por aqui, fico. Até a próxima.

Leno F.Silva é diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.