Ensaios - São Paulo São

São Paulo São Ensaios

Pesquisa da OMO (2016) realizada com 12.000 famílias de dez países, diz que crianças passam menos tempo ao ar livre que presidiários (normas internacionais recomendam como mínimo uma hora de atividade física externa nos presídios). De acordo com o estudo, as crianças raramente passam mais de 30 minutos por dia ao ar livre, e despendem 50% a mais do seu tempo brincando em frente às telas de computadores e jogos eletrônicos do que do lado de fora de casa.

A tentativa de esgotamento de um local parisiense (1) é uma coleta de mil detalhes pequenos e imperceptíveis que compõem a vida de uma grande cidade, de um bairro determinado de uma grande cidade: as incontáveis e sutis variações do clima atmosférico, da luz, dos cenários de tudo o que está vivo.

A vida nas grandes cidades, especialmente em Londres, quase sempre provocou espanto em seus visitantes. Voltaire, Bernard de Mandeville e Engels, um francês, um holandês e um alemão, em épocas diferentes, deixaram seu testemunho contraditório sobre aquela experiência, inclusive com visões divergentes sobre o que trazia a prosperidade para  uma megalópole.

Entre as diversas lições e aprendizados da crise hídrica que assolou São Paulo em 2015 e que hoje afeta outras regiões do País, uma ficou especialmente nítida: a absoluta falta de clareza das responsabilidades municipais na gestão e cuidados com a água. Fruto de um arranjo regulatório complexo e ainda pouco conhecido, há uma percepção generalizada de que a responsabilidade sobre a água compete exclusivamente às esferas estaduais e federal, além das concessionárias, limitando de maneira importante a atuação dos municípios nessa questão – o que, obviamente, não deixa de ser uma posição confortável para os prefeitos junto aos eleitores em momentos de crise.