Gentileza pode mudar a sua vida, diz pesquisa - São Paulo São

Em uma conversa com uma amiga pedagoga, perguntei o que ela mais sentia falta na educação das crianças na sala de aula. Para a minha surpresa, ela respondeu: gentileza. A sua resposta me fez refletir que nossa cultura de competição acaba influenciando o comportamento deles e ser gentil com o colega, apesar de natural no ser humano, acaba sendo visto como um ato de fraqueza – até mesmo entre os pequenos. Educação vem de casa, mas concordei com o olhar dela em relação à gentileza e cuidado com o outro, afinal, é na escola que muitas crianças têm a oportunidade de conviver com pessoas diferentes da família. E o comportamento aprendido nesta fase, acompanha o indivíduo por toda a vida.
“Nas relações de trabalho e nas interações que realizamos, dificilmente sobreviveremos (e seremos felizes e realizados em nossos objetivos e sonhos) se não desenvolvermos continuamente nosso potencial de gentileza e nos tornarmos agentes multiplicadores“.

Essas palavras poderiam ser de qualquer pessoa altruísta, mas é a conclusão de uma pesquisa feita pela professora Sonja Lyubomirsky, da Universidade da Califórnia. Após realizar um estudo, no qual indivíduos de um grupo praticaram atos de gentileza durante dez semanas, foi possível verificar um aumento da felicidade sentida em todos os envolvidos. A pesquisadora destacou ainda que aqueles indivíduos que realizaram ações de gentileza variadas como ceder o lugar em um ônibus ou abrir a porta do prédio para alguém que está com as mãos ocupadas, por exemplo, atingiram um nível de felicidade superior ao daquelas pessoas que mantiverem sempre a mesma ação, mesmo um mês após o término do experimento.

No dia a dia, é fácil perceber que pessoas comunicativas, dispostas a ajudar e mais cooperativas acabam se saindo bem em qualquer tipo de função. Realmente é mais fácil conviver com pessoas gentis, uma vez que o ambiente, geralmente tenso e competitivo do trabalho, acaba se tornando mais agradável e prazeroso com a presença delas.

Não é por acaso que, em muitas seleções, as entrevistas tratem de assuntos como vida pessoal, família e hobby do candidato. Por mais que o conhecimento técnico sobre as funções de um cargo sejam indispensáveis, as empresas se preocupam muito com o perfil comportamental dos funcionários. O comportamento chega a ser até mais relevante, já que, em alguns casos, o conhecimento técnico é mais fácil de ser desenvolvido e treinado.

O que não significa que não possamos moldar nossa forma de agir. Por mais que a oportunidade de termos incorporado a gentileza na infância tenha passado, ainda há tempo. É o que diz o livro O Poder da Gentileza (Editora Sextante). Entre as dicas do guia para se tornar uma pessoa mais gentil, está o uso das palavrinhas mágicas como “por favor”, “obrigado” e “com licença”; a importância de elogiar de maneira sincera quem está à nossa volta (sem bajulações, claro), sempre oferecer ajuda e praticar a paciência. Para isso ficar mais fácil e automático na nossa rotina, existe ainda uma dica chave: sempre sorrir para as pessoas. Por mais que pareça estranho, estudos comprovam que o simples ato de sorrir faz com que nos sentamos mais felizes e isso acaba influenciando as pessoas com as quais convivemos.

***
Mayra Sá é jornalista, lá de Minas Gerais. Mente adulta numa alma de criança, por isso não pensa muito antes de falar e fala exatamente o que pensa. Ama fazer piada, principalmente sobre si mesma. *Artigo publicado originalmente no Coletivo We Love.