Inaugurado o primeiro centro de segurança alimentar em São Paulo - São Paulo São

O primeiro Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional da cidade acaba de ser inaugurado, aproveitando um grande edifício que era subutilizado como Banco de Alimentos na Vila Maria.

O prefeito Fernando Haddad e o ministro de Desenvolvimento Agrário Patrus Ananias compareceram à cerimônia de inauguração, evento com lotação completa, uma vez que também tinha início nessa tarde a VI Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional.

Ampliação

Segundo a Supervisão Geral de Abastecimento, coordenadora do programa, o objetivo do Centro é “assegurar o compromisso do governo municipal no combate à exclusão social e no estímulo aos hábitos alimentares saudáveis da população”.  Essa proposta está consignada na Meta 13 do Programa de Metas da atual gestão municipal.  A Supervisão Geral de Abastecimento é subordinada à Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo. “Esse espaço abriga o Banco de Alimentos, que existe desde 2002, e que recebia 100 toneladas/mês de alimentos.  Hoje amplia essa capacidade para 350 toneladas/mês, com mais de 300 entidades cadastradas”, afirmou o secretário Artur Henrique.

Direito

O Centro de Referência reformou todo o espaço de 12 mil m2, e além de receber e distribuir alimentos, através do Banco de Alimentos, pretende realizar ações de educação nutricional, promovendo hábitos alimentares saudáveis e facilitando o acesso regular aos alimentos de qualidade para a população em vulnerabilidade social.  O ministro Patrus Ananias lembrou que desde 1993 o direito à alimentação foi equiparado a outros direitos fundamentais da humanidade. Haddad e Ananias assinaram a adesão da prefeitura paulistana ao SISAN – Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, para a implantação de políticas de incentivo à produção e ao consumo de alimentos naturais e comida orgânica de qualidade.

Beneficiária

Vera Nascimento, Anna Adília e Beatriz Lopes, do Centro de Convivência Infanto-Juvenil Thomaz Gouveia Netto, relataram que a entidade, sediada na Cachoeirinha, recebe hortifrutis do Banco de Alimentos há muito tempo.  “A cada mês, a cada 40 dias, recebemos tomate, melancia, maracujá, laranja, mandioca, entre outros alimentos, além de material de higiene”, contou Vera.  O CCIJ, membro da Rede Social Zona Norte, atende 124 crianças de 6 a 14 anos, no horário de contra-turno escolar. 

Minudências

- A Meta 13 do Programa de Metas 2013-2016 da prefeitura se compromete a implementar quatro centros de referência em segurança alimentar e nutricional e desenvolver ações de apoio à agricultura urbana.
- Na área externa do prédio produtores rurais de cidades interioranas como Ribeirão Branco e Guapiara vendiam seus produtos direto da roça, sem intermediários.
- Após o e evento de inauguração teve início a VI Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutrição, com o tema “Comida de Verdade no Campo e na Cidade:  Por Direitos e Soberania Alimentar”.
- Nas sete pré-Conferências regionais na cidade foram escolhidos mais de 200 delegados para participar da Conferência Municipal. 
- A Conferência teve três eixos temáticos: 1 – Comida de Verdade: avanços e obstáculos para a conquista da alimentação adequada.  2 – Dinâmicas em curso e escolhas estratégicas para uma política de segurança alimentar.  3 – Participação social e intersetorialidade na construção do SISAN – Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Britto no Portal ZNnaLinha.