A história das clássicas entradas das estações do Metrô de Paris - São Paulo São

Placa de entrada de estação do Métropolitain de Paris em estilo Art Noveau. Foto: Pixabay.Placa de entrada de estação do Métropolitain de Paris em estilo Art Noveau. Foto: Pixabay.

Dispersas pelas ruas de Paris, as elegantes entradas Art Nouveau às estações do Métropolitain (metrô) são um monumento coletivo à Belle Époque da cidade do final do século XIX e início do século XX. Com o trabalho sinuoso sinuosa modelado a partir de plantas estilizadas, as entradas do metrô agora figuram entre os mais famosos emblemas arquitetônicos da cidade; No entanto, devido à cautela da cidade em face à industrialização e da decisão do arquiteto Hector Guimard de utilizar uma estética arquitetônica então nova, levaria décadas antes que as entradas ganhassem a ilustre reputação que agora desfrutam.

Durante as primeiras fases de construção, vias foram cavadas logo abaixo do nível da rua. Foto: National Library of FranceDurante as primeiras fases de construção, vias foram cavadas logo abaixo do nível da rua. Foto: National Library of France

A transformação radical de Paris do labirinto medieval à metrópole do Segundo Império entre as décadas de 1850 e 1870 coincidiu com a construção das primeiras ferrovias subterrâneas de Londres. Embora a enxurrada de demolição e reconstrução ocorrida na capital francesa tenha sido um momento ideal para instalar um sistema de metrô, o Prefeito do Sena Georges-Eugène Haussmann não teve nenhum interesse aparente em implementar tal infraestrutura. Os governos estaduais e locais discutiram sobre quem seria responsável se o sistema fosse construído, enquanto o público - horrorizado com o pensamento de sua cidade sendo engolido por algo tão industrial - expressava sua ardente desaprovação.

Place du Bastille (Carte postale ancienne éditée par les Magasins Réunis). © Claude_Villetaneuse (1908).Place du Bastille (Carte postale ancienne éditée par les Magasins Réunis). © Claude_Villetaneuse (1908).

Em última análise, a Exposição Universelle de 1900 chegou para convencer a cidade de que precisava de um moderno sistema de transporte de metrô. Charles Garnier, o arquiteto mais conhecido por projetar o teatro da ópera de Paris, que agora leva seu nome, aconselhou o Ministro das Obras Públicas que, para que as pessoas aceitassem o Metro, ele teria que ser visto como mais do que uma criação industrial - teria que ser uma obra de arte. Com isso em mente, a Société Centrale des Architectes realizou um concurso para selecionar um arquiteto para projetar as entradas superficiais do metrô. Embora a empresa Duray, Lamaresquier e Paumier tenha vencido o concurso, a seleção foi anulada por Adrien Benard, presidente do Conseil Municipal de Paris; Em seu lugar, ele escolheu Hector Guimard, um notável arquiteto Art Nouveau que não submeteu propostas ao concurso. 

Place du Bastille (Carte postale ancienne éditée par les Magasins Réunis). © Claude_Villetaneuse (1908).Place du Bastille (Carte postale ancienne éditée par les Magasins Réunis). © Claude_Villetaneuse (1908).

Graduado da École des Beaux-Arts de Paris, Guimard era fascinado pelas teorias do racionalismo estrutural de Eugène Viollet-le-Duc e pela arquitetura gótica que Viollet-le-Duc tanto admirava. Combinando essa inspiração com as influências do Movimento das artes e artesanato britânico e do trabalho Art Nouveau de Victor Horta, ele desenvolveu sua própria forma de racionalismo Art Nouveau - que se afastou das propostas ecléticas e classicistas feitas por seus concorrentes e, finalmente, ganhou o interesse e a aprovação de Benard Adrien. 

Uma entrada típica da estação no metrô de Paris. Foto: Pixabay.Uma entrada típica da estação no metrô de Paris. Foto: Pixabay.

 Ao invés dos projetos de alvenaria apresentados pelos vencedores da competição, Guimard propôs que as entradas do metrô fossem construídas em ferro fundido e vidro. A decisão teve vários benefícios práticos: mais significativamente, as entradas de ferro ocupavam muito menos espaço do que as pedras, uma necessidade em muitos dos locais escolhidos para estações de metrô. O ferro também era mais barato e mais fácil de produzir e transportar, e permitia uma maior facilidade de produção em massa do que a alvenaria. 

Uma luz de farol típica fora da entrada de uma estação de metrô de Paris. Foto: PixabayUma luz de farol típica fora da entrada de uma estação de metrô de Paris. Foto: Pixabay

Além dessas preocupações logísticas, o ferro fundido também era muito mais adequado às curvas sinuosas, naturalistas e esbeltas que incorporam o Art Nouveau. Usando um conjunto de elementos estruturais modulares, Guimard criou cinco tipos de entrada, desde trilhos simples até pórticos cobertos grandiosos; cada entrada da estação compartilhava a mesma tinta verde (que se assemelhava à pátina de bronze) e uma placa com a palavra Métropolitain em uma tipografia desenhada pelo próprio Guimard. A variante mais simples e mais comum era um conjunto de grades com um par de lâmpadas de cor âmbar em forma de botões de flores, sua luz colorida iluminando o sinal de Métropolitain montado entre elas. A maior sensação, no entanto, foi em resposta às elaboradas entradas do pavilhão, com os toldos de vidro abobadados coroando as escadas abaixo. 

Réplica em Chicago, EUA © J. Crocker (2012).Réplica em Chicago, EUA © J. Crocker (2012).Apenas 86 das 141 entradas de metrô originais permanecem de pé, com muitas demolidos nas décadas anteriores ao Art Nouveau ter sido reconhecido como um estilo digno de políticas de preservação. As estações que permanecem são hoje vistas como inspiração para o estilo Métro, homônimo, seu ferro verde e letras elegantes irrevogavelmente associadas a toda a marca visual do sistema de metrô. Apesar da proeminência de curta duração do Art Nouveau e do desprezo inicial dos moradores da cidade, as entradas remanescentes do metrô de Guimard - como a Torre Eiffel, de ferro forjado - tornaram-se símbolo integral e amado de Paris. 

Uma estação típica do metrô de Paris. Foto: Pixabay.Uma estação típica do metrô de Paris. Foto: Pixabay.


Assista o vídeo “Hector Guimard, Paris Metropolitain“ e saiba mais (inglês).

***
Por Luke Fiederer em sua série Clássicos da Arquitetura no Arch Daily.