Pesquisa indica o que satisfaz ou não os jovens e crianças de SP - São Paulo São

User Rating: 0 / 5


Na última quinta-feira, dia 23, no SESC Consolação, aconteceu a apresentação do estudo IRBEM, Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município, projeto da UNICEF em parceria com os Institutos Alana e C&A, Rede Nossa São Paulo, IBOPE, Instituto Paulo Montenegro, Visão Mundial e o SESC. O evento contou com a presença da Primeira-Dama Ana Estela Haddad e o Secretário Municipal de Direitos Humanos Eduardo Suplicy.

De acordo com Maurício Broinizi Pereira, representante da Rede Nossa São Paulo, “a pesquisa é inédita e surpreendente, tanto no que toca o que foi abordado  quanto as suas respostas.” Com dados sobre educação, cultura, segurança pública, meio-ambiente e outros, a pesquisa IRBEM conversou com 805 crianças e jovens de 10 a 17 anos, entre os dias 13 e 30 de Junho de 2015.

Os indicadores da pesquisa apontaram inúmeras situações nas quais as crianças e jovens de São Paulo se sentem ou não se sentem confortáveis no dia-a-dia. Entre alguns parâmetros, estão: entre os meninos, a principal atividade que realizam é jogar futebol e, entre as meninas, é ajudar nas tarefas da casa; para esses jovens, o que menos os satisfaz é o modo com que as pessoas se relacionam na cidade e o respeito às diferenças de outras pessoas, como cor, credo e raça, e o que mais satisfaz os jovens entrevistados é a relação que têm com seus familiares e seus colegas de escola.

Entre os dados que satisfazem os jovens, também se encontra o nível de conhecimento sobre as coisas ensinadas pelos professores nas escolas e as condições da casa em que vivem. O acesso à internet está em primeiro lugar entre os afazeres satisfatórios entre os jovens, educação em segundo e relações humanas em terceiro.

Segundo Raniere Pontes da Rede Nossa São Paulo, “as crianças e os jovens têm prioridade absoluta e não devem ser enviados para a cadeia (em menção à redução da maioridade penal)”. Isabela Henriques do Instituo Alana também reafirmou a fala de Pontes acrescentando “é responsabilidade de todos assegurarem a proteção das crianças” e nada melhor para fazer isso do que saber o que elas pensam.

Em uma roda de conversa promovida com os jovens Beatriz, Jonathan e Rodrigo da UNICEF, da Viração e da Plataforma de Centros Urbanos, a Primeira-Dama Ana Estela Haddad e o Secretário Suplicy debateram sobre redução da maioridade penal, segurança pública e acesso à internet nas salas de aula. “A pesquisa mostra que o machismo ainda é muito presente”, disse Ana Estela em referência ao fato de que as meninas se atêm mais ao trabalho doméstico do que os meninos.

          

                                                                           Fotos: Cesar Ogata / SECOM.

Ainda sobre os outros temas, a coordenadora da São Paulo Carinhosa afirmou “[a redução da maioridade penal] é um imenso retrocesso ao ECA. O Congresso tem que ouvir o jovem e temos que assegurar e cuidar da infância e da juventude”. Em relação ao acesso à internet nas salas de aula, discutido pelo jovem Rodrigo que alegou não gostar da proibição, a Primeira-Dama pontuou “os professores devem usar a tecnologia a favor do ensino. A população mais velha deve perder o medo da tecnologia uma vez que 76% dos jovens estão conectados. Os professores deveriam romper a barreira para acompanhar a geração internet”. 

 

Marisa Villi do Instituto Paulo Montenegro, criado para executar projetos de responsabilidade social, ressaltou a importância de programas como a São Paulo Carinhosa para o desenvolvimento de uma geração que é o futuro e disse que a política pública exerce “cuidados especiais para mudar o que não conseguimos mudar nas gerações passadas”.


Segundo Silvio Kaloustian, representante da UNICEF em São Paulo, “a escuta de crianças é fundamental para criar elementos para o desenho de políticas públicas. Acompanhamos e reconhecemos o esforço da Prefeitura em priorizar a primeira infância, contemplando as demandas das crianças”.

O evento teve abertura e encerramento com o grupo de rap Matéria Rima.

 Isabela Campos Palhares no São Paulo Carinhosa.