RECOMENDADOS - São Paulo São

São Paulo São Recomenda

User Rating: 0 / 5

A exposição Henri Cartier-Bresson, primeiras fotografias está em cartaz na Galeria de Fotos do Centro Cultural Fiesp, na capital paulista, até o dia 25 de junho, com 58 trabalhos do início da carreira de um dos mais influentes fotógrafos do século 20. As imagens mostram as influências do surrealismo e do humanismo no olhar de Bresson e são fruto de seus quatro primeiros anos de trabalho.

User Rating: 0 / 5

Foto: Mauricio Lima.Foto: Mauricio Lima.

Depois de inaugurar a exposição Farida, um Conto Sírio, do fotógrafo Mauricio Lima, no Maio Fotografia, dia 12 de abril, a DOC Galeria dá sequência à sua participação no evento anual dedicado à Fotografia, no MIS, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.

A primeira atividade organizada pelo escritório de fotografia será realizada dia 4 de maio, com o ganhador do Pulitzer 2016, ao lado de alguns integrantes da família Majid, da Síria, que Mauricio Lima retratou ao longo da jornada migratória rumo à Suécia. Mediada pela professora e crítica de fotografia, Simonetta Persichetti, essa conversa terá ainda as participações da jornalista do New York Times, Anemona Hartocollis, parceira de Lima na realização desta cobertura para o jornal americano, e Maria Laura Canineu, diretora da Human Rights Watch no Brasil. 

Já no dia 5 de abril, a DOC lança o projeto 10FOT10MIN, em que cada fotógrafo convidado tem o desafio de apresentar um trabalho dentro de 10 minutos. Os participantes desta primeira edição estão Daniel Kfouri com sua série Vermelho, sobre Cuba; Gui Christ e Gabi Di Bella, autores de Marrocos, fotolivro vencedor do prêmio DOC Fotolivro; Ilana Bar, Fabio Nascimento, Rogério Assis, Isabella Lanave, Tommaso Protti, Hudson Rodrigues, Tiago Coelho e, encerrando a noite, Mauricio Lima. 

Foto: Daniel Kfouri.Foto: Daniel Kfouri.

Fechando a série de ações da DOC Galeria no Maio Fotografia, dias 6 e 7, acontece a 6a edição da Foto Feira Cavalete. Uma das surpresas desta edição é a parte do acervo de futebol brasileiro e da seleção, feitas entre os anos 58 e 70, com foco no Pelé. As imagens foram cedidas pela família Wainer, herdeira de Samuel Wainer, idealizador do jornal, e estarão à venda na mesa da DOC Galeria. Além de apresentar o trabalho de fotógrafos como os da Angústia Foto, Daniel Kfouri, Juan Esteves, Paula Marina, Leo Eloy, Tetê Schmidt, Mauricio Lima, Drago, Isabella Lanave, Ilana Bar, Instituto Internacional de Fotografia [IIF], e contar com a presença de editoras como Livraria Madalena, Bei Editora, Terra Virgem, OrigemPhotoBooks e Fotô Editorial. 

Foto: Acervo Família Wainer.Foto: Acervo Família Wainer.
Foto: Drago.Foto: Drago.O evento ainda vai servir de palco para o lançamento do livro Marrocos, do coletivo Gringo, formado pelos fotógrafos Gabi Di Bella e Gui Christ. Vencedores do Prêmio DOC Fotolivro, projeto lançado em dezembro de 2016, Marrocos concorreu com outros 107 ensaios, que foram avaliados nos requisitos tema, edição de imagens e linguagem fotográfica. Marrocos é resultado de uma imersão fotográfica dentro de uma das maiores ocupações sem-teto de São Paulo. Um registro documental das consequências das crises urbana, habitacional e migratória pela qual passa a maior cidade da América Latina. Durante o ano de 2016, o coletivo Gringo foi testemunha da disputa entre a proprietária do imóvel, os moradores e a polícia. Uma parceria ds DOC Galeria e Gráfica Mattavelli.

Foto: Coletivo Gringo.Foto: Coletivo Gringo.

Reunindo fotógrafos independentes, galerias, editoras, selos, artistas visuais e produtores, a Foto Feira Cavalete, desde a primeira edição, tem como objetivo reunir em um único espaço profissionais que pensam e vivem a Fotografia, aproximando artistas, produtores, selos e editoras do público que tem uma ótima oportunidade para conhecer e consumir todo e qualquer objeto fotográfico com preços atrativos. 

Foto: Fernando Costa Netto.Foto: Fernando Costa Netto.

Serviço

Farida, um Conto Sírio
4 de maio, quinta-feira, 19h30. 
Mesa com Mauricio Lima, família Majid, Anemona Hartocollis, Maria Laura Canineu – Mediação Simonetta Persichetti.
Auditório do MIS.
172 lugares.
Retirada de ingressos a partir das 18h30 na recepção do Museu.

10FOT10MIN
5 de maio, sexta-feira, 19h30.
Dez fotógrafos convidados apresentam um trabalho em dez minutos.
Auditório do MIS.
172 lugares.
Retirada de ingressos a partir das 18h30 na recepção do Museu.

Foto Feira Cavalete
6 de maio, sábado, das 12h às 20h e 07 de maio, domingo, das 11h às 19h.
Lançamento do fotolivro Marrocos, do Gringo Coletivo.
6 de maio, sábado, 15h.
Área externa do MIS.

Museu da Imagem e do Som – MIS.
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo | 11 2117-4777.
http://www.mis-sp.org.br/

***
Com informações NAMIDIA Assessoria de Comunicação. Fotos: DOC Galeria.

User Rating: 0 / 5

Quando se fala em modos de apreensão do espaço-tempo diferentes daquele do cinema narrativo clássico, herdeiro do romance realista do século XIX, um nome que sempre vem à tona é o de Michelangelo Antonioni, um dos expoentes do cinema moderno. A boa notícia é que o Centro Cultural Banco do Brasil apresenta a partir do próximo dia 26 em São Paulo e no Rio uma retrospectiva completa da obra do diretor italiano. No mês que vem a mostra chega também a Brasília.

User Rating: 0 / 5

Em ano em que pós-verdade e fake news viraram termos correntes, nada mais apropriado do que aproveitar o festival É Tudo Verdade, dedicado a documentários. 

“É um alento que seja tão vigorosa a produção de documentários nestes dias de ‘fatos alternativos’ e ‘fakenews’”, comenta o fundador e diretor do festival, Amir Labaki. “Contra a confusão que desumaniza, nada melhor do que o olhar original sobre a realidade de um cineasta com sua câmera. É por meio deles que o É Tudo Verdade espelha o mundo”.

Este ano, na 22ª edição do festival, que acontece em diferentes salas de cinema de São Paulo e Rio de Janeiro e tem a seguinte estrutura de programação:

  • Sete produções nacionais inéditas no país estão selecionadas para a Competição Brasileira de Longas e Médias-Metragens e nove, sendo seis inéditas no Brasil, para a Competição Brasileira de Curtas-Metragens;
  • Participam da Competição Internacional de Longas e Médias-Metragens 12 documentários inéditos no país, e da Competição Internacional de Curtas-Metragens, nove títulos igualmente aqui inéditos;
  • Pela primeira vez, o festival apresenta uma Competição de Longas Latino-Americanos, com sete produções;
  • As mostras informativas são: Projeções Especiais, O Estado das Coisas, Retrospectiva Internacional – 100: De Volta à URSS; Retrospectiva Brasileira: Sergio Muniz, Mostra É Tudo Verdade/BNDES,16a Conferência Internacional do Documentário É Tudo Verdade – Petrobras, É Tudo Verdade no Itaú Cultural;
  • O festival qualifica os curtas vencedores para inscrição direta junto a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood visando a disputa do Oscar de melhor documentário de curta-metragem.

Abaixo, uma seleção de sete filmes, entre os 82 títulos, de 30 países, que estarão em exibição do dia 20 ao 30 de abril nas duas capitais:

Imagem: Divulgação.Imagem: Divulgação.

No Intenso Agora (Brasil), de João Moreira Salles

São filmagens feitas pela mãe do cineasta em uma viagem à China, em 1966, que dão o fio condutor para o cineasta falar sobre maio de 1968. No documentário, João Moreira Salles visita tanto a si mesmo, como em seu documentário Santiago, de 2007, como um dos períodos históricos mais conhecidos do século 20. Estão no filme, narrado pelo documentarista, o movimento estudantil em Paris, a Primavera de Praga e a promulgação do AI-5, que marcou o início do período mais duro da Ditadura Militar brasileira. Em entrevista ao EL PAÍS, o cineasta disse que o filme “é um ensaio sobre 1968, claro, mas também é um ensaio sobre a natureza das imagens e por que elas são feitas”.

Trailer: https://youtu.be/49Ygzsm0QwA

Cidades Fantasmas (Brasil), de Tyrell Spencer

Às margens do Rio Tapajós, no meio da floresta Amazônica, o magnata Henry Ford fundou sua Fordlândia, no final dos anos 1920: uma cidade autossustentável destinada a produzir borracha para as indústrias Ford. Os trabalhadores, no meio da selva, no estado do Pará, usavam crachás, comiam hambúrgueres e eram submetidos a um regime de trabalho essencialmente americano. Não deu certo. As seringueiras, plantadas sem conhecimento do terreno local, foram dizimadas por uma praga e em 1945 o projeto foi encerrado. O documentário Cidades Fantasmas, do diretor Tyrell Spencer, fala sobre essa e outras cidades latino-americanas que viveram momentos de prosperidade e depois decaíram.

Trailer: https://youtu.be/z2MywAHtcLk

Mexeu com Uma, Mexeu com Todas (Brasil), de Sandra Werneck

O documentário de Sandra Werneck não podia ser mais atual. Coisa de duas semanas atrás, uma mobilização de funcionárias da TV Globo, que usaram uma camiseta com a mesma frase (Mexeu com uma, mexeu com todas), resultou no afastamento do ator José Mayer, acusado de assédio sexual durante as filmagens de uma novela. O filme de Werneck fala justamente sobre isso: mulheres e suas histórias de violências, assédios e abusos sofridos. Falar, expor, sair da invisibilidade, transformou-se na grande pauta feminista dos últimos anos. Mudanças sutis e nem tão sutis, como o afastamento do ator, já são percebidas como resultado dessas mobilizações. O documentário é mais uma oportunidade de pensar e repensar questões de gênero e violência contra mulher.

Trailer: https://youtu.be/kwHAXoM4msU

No exílio: um filme de família (México), de Juan Francisco Urrusti

A Espanha convulsionada pela Guerra Civil Espanhola e a promessa de uma nova vida no México, presidido por um dos políticos de esquerda mais lendários do país, Juan Francisco Urrusti. Essa é a história de família que o cineasta Juan Francisco Urrusti, mexicano, contra em seu documentário. Através do retrato do percurso familiar, o filme fala sobre um período histórico determinado e seus desdobramentos na Espanha e na América Latina.

Trailer: https://youtu.be/5BQKyHPBufA

Relações Próximas (Letônia/Alemanha/Estônia/Ucrânia), de Vitaly Mansky

Depois de filmar o cotidiano do país mais fechado do mundo, a Coreia do Norte, no documentário Sob o Sol, de 2016, o cineasta Vitaly Mansky aborda agora a situação política da Ucrânia. Dividido entre as influências da Rússia, União Europeia e pretensões nacionalistas, o país vive em turbulência desde 2013. Para tratar do tema, Mansky vai atrás de suas próprias raízes, visitando e entrevistando uma série de parentes ucranianos que vivem em regiões distintas.

Trailer: https://youtu.be/Q2j_Uaurvk8

O Show da Guerra (Dinamarca/Noruega/Síria), de Andreas Dalsgaard e Obaidah Zytoon

A guerra na Síria já tem seis anos e a resolução do conflito, por vezes, parece cada vez mais distante. A origem da guerra civil, em 2011, está atrelada ao que se convencionou chamar de Primavera Árabe – quando uma série de países de população árabe viveu levantes contra ditadores longevos. É este estopim sírio que foi registrado pela radialista DJ Obaidah Zytoon e seus amigos com câmeras e celulares. Ao sair do país em 2013, ela levou consigo mais de 200 horas de filmagens que hoje compõe o documentário.

Trailer: https://youtu.be/RPeBtVPd8A8

O Esquecimento (Im)possível (Argentina/Brasil/México), de Andrés Habegger

A América Latina e seus desaparecidos. O tema é recorrente e inesgotável. Não à toa. Estima-se que só na Argentina esse número chegue a 30 mil pessoas. É a busca por seu pai desaparecido, o jornalista e militante de esquerda Norberto Habegger, que o cineasta retrata no documentário. Para isso, ele visita memórias e diários de infância em uma busca que sempre acaba por leva-lo ao último local em que seu pai foi visto: Aeroporto Santos Dumont, Rio de Janeiro, em 1978.

Trailer:https://youtu.be/4SNvMZJmFQM

Cena de ‘O Esquecimento (Im)possível‘. Foto: Divulgação.Cena de ‘O Esquecimento (Im)possível‘. Foto: Divulgação.A programação e mais informações:

É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários
It’s All True – International Documentary Film Festival
etudoverdade.com.br / itsalltrue.com.br

 

User Rating: 0 / 5

Isca de Polícia - lançamento do CD - ISCA vol. 1 no Sesc Pompeia, São Paulo.Isca de Polícia - lançamento do CD - ISCA vol. 1 no Sesc Pompeia, São Paulo.

Ele só pode estar ali, escondido em algum canto debaixo do calo do dedo indicador da mão esquerda de Paulo Lepetit, brincalhão nos dribles de pernas tortas da guitarra de Luiz Chagas. É um riso e uma raiva que se sente sem ver na voz indomesticável de Vange Milliet e nas provocações de Suzana Salles. Uma predileção pelo diabo aqui, evocada por Lepetit e Carlos Rennó, outra glorificação dos próprios erros ali, proclamada por Arrigo Barnabé. Presente sem estar, Itamar Assumpção, morto em 2003, reafirma a força de uma linguagem que definiu nos anos 80 assim que o grupo que criou em 1981, o Isca de Polícia, lança seu primeiro disco autoral sem o seu criador. Os shows serão dias 15 e 16, no teatro do Sesc Pompeia.

User Rating: 0 / 5

Com curadoria de Gunnar B. Kvaran, crítico islandês e diretor do Astrup Fearnley Museum of Modern Art, em Oslo, a exposição ‘O céu ainda é azul, você sabe...‘pretende revelar os elementos básicos que definem a vasta e diversa carreira artística de Yoko Ono – uma viagem pela noção da própria arte, com forte engajamento político e social.