A 7ª edição do Festival Jazz na Fábrica traz 17 atrações de 8 países - São Paulo São

Neste ano em que se celebra o centenário de gravação do primeiro disco de jazz, pela Original Dixieland Jazz Band, um pioneiro conjunto de Chicago, vale lembrar que a grande contribuição desse modo de expressão musical (e não um tipo de música) à cultura do século XX foi a re-humanização da “arte das musas”.

Por ter dado ao intérprete uma liberdade de criação cada vez mais ampla, o jazz fez com que o músico deixasse de ser, apenas, um “instrumento” obrigado a seguir à risca a partitura do compositor, mas passasse também a agir como um ativo criador.

Os músicos que se dispõem a fazer jazz não podem deixar de ter um compromisso com as raízes afro-americanas desse modo de expressão musical e com uma mainstream já bem definida, ainda que adjetivada por outras expressões culturais eruditas ou populares. Como música de síntese, o jazz tem direito a certas apropriações. A recíproca pode não ser verdadeira, e daí confusões inevitáveis quando se discute o relacionamento entre jazz e música “erudita” e, sobretudo, entre jazz e música popular.

O jazz como música de síntese, como o “som da surpresa” (apud Whitney Balliett) é a marca do festival Jazz na Fábrica, que acontece em São Paulo, no Sesc Pompeia, nos fins de semana entre os dias 10 e 27 deste mês de agosto, firmando-se - no seu sétimo ano consecutivo – como o mais importante do Brasil no gênero.

Abdullah Ibrahim é a grande estrela do festival do Sesc, que apresenta também Roy Hargrove e Hermeto Pascoal. Foto: ABC. Abdullah Ibrahim é a grande estrela do festival do Sesc, que apresenta também Roy Hargrove e Hermeto Pascoal. Foto: ABC. Neste ano, o lendário pianista Abdullah Ibrahim – nascido na África do Sul com o nome de Dollar Brand há 82 anos – é a estrela de maior grandeza de uma constelação de notáveis músicos, que inclui: os trompetistas Roy Hargrove e Eddie Allene seus conjuntos; o septuagenário pianista-compositor alemão Alexander Von Schlippenbach, à frente de uma renovada Globe Unity Orchestra; a sofisticada pianista-compositora-vocalista Anette Peacock; o inclassificável multi-instrumentista Hermeto Pascoal; a flautista israelense Hadar Noiberg; Roberta Gambarini, vocalista italiana fora de série (como convidada do quinteto de Roy Hargrove).

Annette Peacock (nascida em 1941) é compositora, arranjadora, musicista, escritora e cantora americana. Foto: BBC. Annette Peacock (nascida em 1941) é compositora, arranjadora, musicista, escritora e cantora americana. Foto: BBC. A etapa final do festival Jazz na Fábrica (17 a 20/8) é particularmente imperdível para os jazzófilos que têm mais intimidade com a mainstream do jazz pós-bop, mas também ouvidos e mentes abertos à revolução do free jazz.

O eminente Abdullah Ibrahim foi inicialmente influenciado, lá na sua Capetown natal, pelo piano de Duke Ellington. Com o tempo, interessou-se também pelos achados assimétricos e politonais de Thelonious Monk. E tornou-se, na história do jazz, o grande intérprete da diáspora africana.

Trompetista vencedor do Grammy, Roy Hargrove é um dos mais importantes músicos do cenário jazzístico. Foto: NPR Musica.Trompetista vencedor do Grammy, Roy Hargrove é um dos mais importantes músicos do cenário jazzístico. Foto: NPR Musica.Na sua música, ele não busca, apenas, uma “fusão” das canções folclóricas da África do Sul com as harmonias do bebop. Seu espírito zen levou-o à evocação cada vez mais meditativa de “imagens acústicas e do sentimento de paisagens perdidas/lembradas para criar expressões sonoras da terra natal”, como comentou a musicóloga americana Carol Müller. Ibrahim é um inspirado impressionista, tão importante no panorama do jazz moderno como o francês-polinésio Gauguin na história da pintura.

Alexander von Schlippenbach, figura de importância crucial nos meios do jazz e da música europeia ao longo das últimas três décadas. Foto: Micke Keysendal.Alexander von Schlippenbach, figura de importância crucial nos meios do jazz e da música europeia ao longo das últimas três décadas. Foto: Micke Keysendal.Já Alexander von Schilippenbach, 79 anos, foi o principal elemento catalisador do free jazz na Europa, a partir de sua Globe Unity Orchestra, fundada em 1966, e que teve grande impacto na cena do jazz de vanguarda. Dentre os seus membros destacaram-se free jazzmen que ficaram famosos no mundo todo, como o trompetista Manfred Schoff, os saxofonistas Peter Brötzman, William Breuker e Gerd Dudek, e o baterista Paul Lovens.

Em 2006, a GUO reuniu-se novamente para gravar o álbum 40 Years (Intakt Records). A formação que vai se apresentar no Jazz na Fábrica tem 11 músicos. Além do líder ao piano, quatro trompetistas, três saxofonistas, dois trombonistas e um baterista. Da antiga formação permanecem Schoff, Dudek e Lovens.

Jazz na Faixa! 

O Deck da unidade recebe o tradicional Jazz na Faixa, shows ao ar livre com entrada gratuita. As apresentações acontecem aos domingos, a partir das 16h nos dias 13 e 20, e às 17h no dia 27. A big band Jazzmin's formada somente por mulheres, traz um repertório de músicas populares com arranjos jazzísticos. No dia 20, Emiliano Sampaio convida a Sound Scape Big Band e traz sua sonoridade que recebe influências da música instrumental brasileira. O estilo highlife (gênero de Gana que une melodias e ritmos do povo africano Akan e instrumentos da música popular ocidental) do ganense Pat Thomas, junto da Kwashibu Area Band, é quem fecha as apresentações do Jazz na Faixa, no dia 27 de agosto.

Para ouvir e aprender! 

O Festival traz oficinas formativas, com o objetivo de possibilitar ao público a vivência e a fruição junto às manifestações artísticas e seus desdobramentos e transformações do universo jazzístico ao longo das últimas décadas do século XX. As atividades acontecem nas unidades do Sesc Consolação e Sesc Vila Mariana.

Tem jazz no interior também!

Alguns nomes que se apresentam no Sesc Pompeia participarão também do Festival SESC Jazz & Blues 2017 , evento que acontece simultaneamente em oito unidades do interior de São Paulo, apresentando um panorama da produção contemporânea dos gêneros. São eles: Hermeto Pascoal e grupo, Itamar Borochov, Jimmy Dludlu, Hadar Noiberg e Pat Thomas .

O Jazz na Fábrica deste ano conta com o apoio do Consulado Geral de Israel, do Bureau Export e Embaixada da França.

A programação completa do Festival no site: https://www.sescsp.org.br/online/artigo/11152_17+ATRACOES+DE+8+PAISES+CHEGOU+O+7+JAZZ+NA+FABRICA

***
Com informações do Sesc.