Festival In-Edit de documentários sobre música, chega à sua 10ª edição com cardápio variado - São Paulo São

O festival In-Edit começou ontem em São Paulo e vai até o dia 17.São 48 filmes que exploram desde a maneira como vive a família do GG Allin até o renascimento da indústria do vinil no Brasil.

Como sempre, a seleção é das mais ecléticas: há filmes sobre Jerry Adriani, Lynyrd Skynyrd, XTC, Nasi, Zé Rodrix, bandas “Narco Corridas” hondurenhas, grupos punk de Pernambuco, Tetê Espínola, a revista “Rock Brigade”, Arhur Moreira Lima, Grace Jones, Black Future, Dona Odete e outros.

Criado em 2003 na cidade de Barcelona, na Espanha, o festival chegou ao Brasil em 2009, por iniciativa de Marcelo Aliche, diretor artístico do evento. Regularmente ou em edições sazonais, a mostra também está ramificada em seis países da América Latina e da Europa: Chile, Colômbia, Grécia, México, Argentina e Alemanha.

Democratizando o acesso do público aos quase 50 filmes da mostra, além do Cinesesc, que tem projeções com ingressos a R$ 12, o In-Edit 2018 também dividirá sua programação em outras quatro salas de exibição com entrada franca: a sala SPCine Olido, o Centro Cultural São Paulo, a Cinemateca Brasileira e a Matilha Cultural.

“A quantidade de filmes excelentes que ficam de fora é enorme”, conta Marcelo, que diz ter assistido mais de 150 títulos internacionais no passado. Passar a peneira para decidir o que vem significa equalizar, nas palavras do próprio diretor do In-Edit, entre produções que jogam luz sobre artistas mais populares com iniciativas que propõe um viés inovador sobre como contar uma história. “O In-Edit mistura um caráter de fã service com festival de cinema mesmo, que se propõe a explorar a linguagem do meio.”

Destaques

Onde Está Você, João Gilberto? é um filme sobre a busca, seja ela qual for. Foto: Divulgação.Onde Está Você, João Gilberto? é um filme sobre a busca, seja ela qual for. Foto: Divulgação.

Onde Está Você, João Gilberto? documentário do diretor franco-suíço Georges Gachot tem como base uma malsucedida empreitada do jornalista e escritor alemão Marc Fischer, fracasso relatado no livro Ho-Ba-La-Lá – A Procura de João Gilberto (Companhia Das letras, 2012).

Obcecado pela música do Baiano Bossa Nova, como assim Tom Jobim definiu João no texto da contracapa do LP Chega de Saudade (1959), no final de 2009, o jornalista passou meses perambulando pelo Rio de Janeiro e perseguindo fontes que o levassem a um encontro com seu ídolo.

If I Leave Here Tomorrow: A Film About Lynyrd Skynyrd é um documentário mais quadrado, recheado de imagens de arquivo e depoimentos tradicionais. No entanto, resgata a história da banda do sul dos Estados Unidos depois que um acidente de avião matou metade dos músicos e equipe de apoio — inclusive com entrevistas de sobreviventes da queda.

Lynyrd Skynyrd - originário de Jacksonville, Flórida - em tour na Califórnia em Outubro de 1976, Foto: Divulgação.Lynyrd Skynyrd - originário de Jacksonville, Flórida - em tour na Califórnia em Outubro de 1976, Foto: Divulgação.

The Man Behind the Microphone é mais inventivo. A diretora Claire Belhassine um dia pegou um táxi em Paris, ouviu uma música muito bonita e perguntou para o motorista quem cantava. Ele respondeu Hedi Jouini, o nome do avô dela. Então ela vai investigar como não sabia que seu avô era um dos maiores cantores da Tunísia. É um filme belíssimo”, explica Marcelo.

A diretora Claire Belhassine descobre que seu avô, Hedi, que ela conhecia de visitas à Tunísia, era um verdadeiro popstar no país. Foto; Divulgação.A diretora Claire Belhassine descobre que seu avô, Hedi, que ela conhecia de visitas à Tunísia, era um verdadeiro popstar no país. Foto; Divulgação.

Mas se o contexto de crise no país deu uma encurtada no programa internacional, o mesmo não pode ser dito das produções brasileiras — ainda bem. “Temos um número acima da média de longas, são 21, e a qualidade continua a melhorar ao longo dos anos”, diz Marcelo.

Ricardo Petraglia, Tico Terpins, Walter Baillot e Flavinho (da esq. para a dir.) em 1976: atitudes anarquistas no palco. Foto; Sergio Sade.Ricardo Petraglia, Tico Terpins, Walter Baillot e Flavinho (da esq. para a dir.) em 1976: atitudes anarquistas no palco. Foto; Sergio Sade.

Dois imperdíveis? Meu Tio e o Joelho de Porco, em que o diretor Rafael Terpins conta sua relação com o tio, Tico Terpins do Joelho de Porco, além da história do banda cult paulista; e Som, Sol & Surf - Saquarema, imagens perdidas há 40 anos de um festival que juntou Angela Ro Ro, Raul Seixas e Rita Lee na praia carioca.

Angela Ro Ro canta no Festival Som, Sol e Surfe, em Saquarema, 1976. Foto: Jorge Peter/ O Globo.Angela Ro Ro canta no Festival Som, Sol e Surfe, em Saquarema, 1976. Foto: Jorge Peter/ O Globo.

O In-Edit vai até o dia 17 de junho. A programação completa pode ser vista aqui.


***
Fonte: In-Edit.