Lisboa reduz pela metade número de moradores de rua - São Paulo São

Após uma década vivendo nas ruas, faz quase um ano que o motorista Vítor Manuel Tomé, 44, passou a ter um lar. Ele não contém o sorriso ao lembrar o dia em que se mudou para o apartamento de quarto e sala em um pacato bairro residencial de Lisboa.

“A sensação de pôr a chave na porta e dizer ‘esta casa é minha’ foi maravilhosa. Depois de tanto tempo a lutar por uma, aconteceu quando eu menos esperava. Agora, tenho um endereço para falar quando alguém me pergunta onde moro”, conta.

Devido à longa temporada sem teto e à dependência do álcool, Tomé era excluído de muitos dos programas de auxílio tradicionais para moradia. Perfis como o dele —com vícios e períodos prolongados sem endereço formal— normalmente são preteridos nos processos seletivos.

Desde 2015, porém, Lisboa vem apostando em modelos alternativos e mais abrangentes de assistência à população de rua. Uma iniciativa que, além de dar uma casa a Vítor Tomé, conseguiu reduzir quase pela metade o número de pessoas sem abrigo na capital portuguesa.

Segundo dados do NPISA (Núcleo de Planejamento e Intervenção Sem Abrigo) da Câmara Municipal (equivalente à prefeitura), o número de pessoas sem casa em Lisboa caiu de 629, em 2015, para 334, em 2017 (ou seja, uma retração de 47%).

O novo apartamento de Vítor Tomé em Lisboa, Portugal. Foto: Vitorino Coragem / Folhapress.O novo apartamento de Vítor Tomé em Lisboa, Portugal. Foto: Vitorino Coragem / Folhapress.O novo apartamento de Vítor Tomé em Lisboa, Portugal. Foto: Vitorino Coragem / Folhapress.

Um dos programas que contribuíram para isso é o É Uma Casa, parceria da ONG Crescer com a Câmara que tem Vítor entre seus 30 beneficiários. No âmbito da iniciativa, alugam-se e equipam-se apartamentos “normais” em prédios residenciais de Lisboa, que são então entregues a sem-teto.

A ideia é que, a partir da reconquista de um espaço doméstico, elas comecem a se inserir na comunidade e retomem sua autonomia.

Quando entrou na casa, Tomé não tinha documento nenhum. Depois de se instalar, conseguiu tratar da burocracia. Além de recuperar a carteira de habilitação, ele concluiu com sucesso um curso para o transporte de crianças.

“Nós pegamos aqueles casos que ninguém mais quer, pessoas que têm dez, 20 ou até 30 anos na rua, muitas com problemas psiquiátricos ou dependências químicas. Damos a eles uma chance, porque sabemos que ninguém mais dá”, afirma Américo Nave, diretor da ONG Crescer.

Sem-abrigo dormindo na Praça dos Restauradores, Lisboa. Foto: Público.Sem-abrigo dormindo na Praça dos Restauradores, Lisboa. Foto: Público.Sem-abrigo dormindo na Praça dos Restauradores, Lisboa. Foto: Público.

“Há uma visão de que, depois de um certo tempo, as pessoas perdem a capacidade de viver em uma casa. Isso não é verdade. Todo mundo sabe. Mais rápido ou mais devagar, as pessoas se readaptam”, completa. Neste ano, o convênio foi renovado, e o número de participantes deve chegar a 90. 

“É muito difícil procurar um emprego quando se vive em um albergue. Existe um estigma social muito grande”, diz Nave, que também aponta como obstáculo à reinserção o ambiente muitas vezes precário em instituições de assistência social. Depois de se mudarem para as casas, os moradores passam a ser acompanhados por um gestor.

“Há visitas semanais, mas não é uma fiscalização do quanto a casa está bagunçada ou não. Também não exigimos que essas pessoas não usem drogas ou álcool”, explica o diretor da ONG. Atualmente, o programa tem uma taxa de permanência de 87%. 

Outros projetos

Voluntários atendem sem-abrigo em Lisboa. Foto: Nuno Ferreira Santos / Público.Voluntários atendem sem-abrigo em Lisboa. Foto: Nuno Ferreira Santos / Público.Voluntários atendem sem-abrigo em Lisboa. Foto: Nuno Ferreira Santos / Público.

Lisboa conta ainda com outras iniciativas voltadas para a população de rua. Além das moradias individuais, tem havido um investimento em casas compartilhadas, menores do que abrigos. 

Um dos aspectos mais sensíveis do trabalho com moradores de rua, as doenças psiquiátricas estão recebendo atenção especial. As equipes de atendimento aproveitam os momentos de contato em abrigos e em centros de distribuição de alimentos para identificar eventuais pacientes e realizar acompanhamentos periódicos.

Muitos recebem auxílio para a obtenção de medicamentos. Fazer com que as pessoas não abandonem o tratamento no meio caminho é assumidamente um desafio.

No início de fevereiro, com a queda das temperaturas no auge do inverno europeu, foi ativado um plano emergencial. Além de centros de abrigo extras, com camas, cobertores e refeições quentes, algumas estações do metrô da cidade ficaram abertas de madrugada para receber quem não quisesse ir para os postos de acolhimento.

Presidente

O presidente Marcelo Rebelo de Sousa participa de ação de amparo aos sem-abrigo de Lisboa. Foto: VIP.O presidente Marcelo Rebelo de Sousa participa de ação de amparo aos sem-abrigo de Lisboa. Foto: VIP.O presidente Marcelo Rebelo de Sousa participa de ação de amparo aos sem-abrigo em noite fria de Lisboa. Foto: VIP.

O enfrentamento da questão tem ganhado uma repercussão fora do comum devido ao envolvimento direto do presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa. 

Com mais de 80% de aprovação popular, o mandatário está usando sua popularidade, construída após vários anos como comentarista político na televisão, para dar visibilidade ao problema.

O chefe de Estado abraçou a causa da necessidade de dar um teto a tantos quanto possível desde o início de seu mandato, em 2016, e tem cobrado do primeiro-ministro, António Costa, e das autoridades regionais respostas mais efetivas para a questão, além de ter pressionado pela aprovação de uma estratégia nacional. 

Frequentemente, a imprensa portuguesa e a internet são inundadas por fotos de Rebelo de Sousa abraçado a moradores de rua ou participando de mutirões para distribuição de agasalhos e alimentos. Ele inclusive passou o Natal de 2017 com um grupo de sem-teto. 

Leia também: 

***
Por Giuliana Miranda de Lisboa para a Folha de S.Paulo.



-->