As 10 cidades no mundo mais agradáveis para andar de bike; e tem brasileira - São Paulo São


O site Mother Nature Network (MNN), dedicado a temas relacionados ao meio ambiente e responsabilidade social, elegeu as 10 cidades mais “amigáveis” com as bicicletas, locais onde tanto habitantes quanto turistas podem se deslocar facilmente com esse meio de transporte.

A seleção foi feita levando em consideração diversos fatores como a qualidade da infraestrutura para bicicletas e o respeito dos motoristas em relação aos ciclistas.

Embora na lista estejam incluídas cidades que há vários anos já são consideradas modelos a serem seguidos, ela também apresenta outras que geralmente não se destacam pelo uso da bicicleta, mas que durante os últimos anos demonstraram avanços significativos para promover esse meio de transporte não motorizado

Conheça, a seguir, as dez cidades do ranking MNN, dentre as quais se destaca Curitiba, única cidade latino-americana a figurar na lista.

1. Portland, Estados Unidos

1410446611_por_ebis50_flickr1410446611_por_ebis50_flickr© ebis50, via Flickr

O aumento do uso desse meio de transporte nos últimos anos foi tal que hoje 6% da população de Portland se desloca de bicicleta; assim, a cidade tem sido reconhecida em vários rankings como uma das melhores dos Estados Unidos para o ciclismo urbano.

Os incentivos que as autoridades têm dado a esse meio de transporte consideram uma área educativa que inclui, entre outras coisas, um Guia de Ciclismo em Família. Nesse manual, o Departamento de Transportes da cidade incentiva o uso da bicicleta para mulheres grávidas e aconselha aos pais que ensinem seus filhos a usarem a bicicleta.

Além disso, nas ruas da cidade foram implementadas melhorias de desenho, especialmente para os ciclistas. Uma delas é o Boulevard para Bicicletas, que consiste em pistas com limite de velocidade baixo para que os ciclistas se sintam mais seguros enquanto trafegam.

Outra melhoria foi o Corredor Springwater que, através de um traçado de 33 quilômetros, conecta os bairros industriais com os parques da cidade, como o Refúgio de Vida Silvestre Beggars-tick e o Parque Natural Tideman Johnson.

Nesses incentivos também estão inclusos estacionamentos públicos que se tornaram receptáculos para artes urbanas, chamados de Art Racks, que podem ser desenhados pelos próprios habitantes.
 
2. Minneapolis, Estados Unidos


1410446365_por_ibikempls_flickr1410446365_por_ibikempls_flickr© ibikempls, via Flickr


As facilidades que Minneapolis oferece aos seus ciclistas foram destacadas pelo Mother Nature Network pois foram concebidas em função das distintas condições climáticas da cidade, sobretudo os meses de inverno rigoroso.

Como durante a estação mais fria as ciclovias que não estão próximas as ruas são rapidamente cobertas pela neve, a cidade converteu as ruas - que antes eram exclusivas para os automóveis - em espaços para os ciclistas. Hoje Minneapolis já conta com 148 quilômetros de ciclovias e 136 quilômetros de ciclo-faixas nas ruas.

Durante os meses de verão os ciclistas podem visitar os lagos da cidade que são conectados aos bairros através de uma rede de ciclovias.


3. Copenhague, Dinamarca


1410444926_por_city_clock_magazine_flickr1410444926_por_city_clock_magazine_flickr© City Clock Magazine, via Flickr

Com 52% dos habitantes de Copenhague usando todos os dias a bicicleta para ir estudar ou trabalhar e considerando que recentemente foi inaugurada uma ponte projetada especialmente para os ciclistas – The Snake – fica claro o porquê de essa cidade ser um referencial global de ciclismo urbano.

Mas para as autoridades da capital dinamarquesa isso parece não ser o bastante. Entre os próximos planos para Copenhague está a construção de mais estacionamentos para bicicletas no centro e ciclovias que conectem essa região às áreas suburbanas.

4. Amsterdam, Holanda

1410445145_por_claudio_olivares_medina_flickr1410445145_por_claudio_olivares_medina_flickr© Claudio Olivares Medina, via Flickr

402 quilômetros de ciclovias fazem com que percorrer Amsterdam em bicicleta seja um passeio recomendado tanto para aqueles habituados com as duas rodas quanto para os que não costumam pedalar. Para esse último grupo, uma boa opção é conhecer a cidade em bicicleta junto a empresas de turismo dedicadas a isso, já que, durante o passeio, elas ensinando as normas de ciclismo urbano.

Além disso, levando em conta que estacionar um automóvel no centro da cidade durante o dia pode custar até 39 euros, ou seja, aproximadamente 120 reais, a opção mais conveniente para conhecer a cidade é pedalando.

5. Curitiba, Brasil

1410445349_curitiba_brasil_por_hp_cwb_flickr1410445349_curitiba_brasil_por_hp_cwb_flickr

Parque Barigui, Curitiba. © hp_cwb, via Flickr

A capital paranaense é a uma única cidade latino-americana reconhecida pelo Mother Nature Network como um lugar fácil e seguro para andar em bicicleta, já que conta com uma rede de ciclovias segregadas dos automóveis.

Em setembro de 2013, as autoridades de Curitiba anunciaram um Plano de Ciclovias com 12 medidas a serem implementadas até 2016. Entre as medidas se planeja unir oito parques urbanos através de um circuito de 47 quilômetros de ciclovias, construir estacionamentos para bicicletas nos terminais de ônibus e aprovar uma lei para destinar 5% das áreas residências e não residências para estacionamentos de bicicletas e motos.

6. Perth, Austrália

1410445580____gafas_flickr_perth_australia1410445580____gafas_flickr_perth_australia© gafas, via Flickr

Ciclovias segregadas e outras construídas paralelas às ruas e às linhas dos trens fazem com que nessa cidade seja possível ir a quase todo lugar de bicicleta.

Apesar das altas temperaturas do verão dificultarem os trajetos de bicicleta, Perth oferece a possibilidade de visitar lugares mais agradáveis - como os parques - já que estes estão conectados ao restante da cidade através de redes de ciclovias.

7. Kyoto, Japão

1410445731_por_binaryape_flickr_1410445731_por_binaryape_flickr_© BinaryApe, via Flickr

Pensando em cidades agradáveis para se andar de bicicleta, o mais provável é que não tenhamos na lista uma cidade japonesa, onde o transito de veículos é um dos maiores problemas urbanos. Entretanto, essa realidade é uma oportunidade para que os ciclistas possam se deslocar de maneira mais rápida e os turistas possam visitar mais locais e monumentos de um dos destinos históricos do Japão - onde há 17 sítios reconhecidos como Patrimônios da Humanidade.

Como o centro de Kyoto é bastante plano e conta com um sistema de aluguel de bicicletas, chamadas Cycle Kyoto, os turistas usam esse sistema que oferece informação sobre as rotas da cidade e sugestões de locais a serem visitados.

8. Kaohsiung, Taiwan

1410446125_por_dicky_flickr_taiwan1410446125_por_dicky_flickr_taiwan
© Dicky, via Flickr

Quando a segunda cidade mais importante de Taiwan lançou o sistema de bicicletas públicas, o criou da maneira mais cômoda possível para os habitantes e turistas. Assim, as estações de C-Bike se foram instaladas nas proximidades das estações de ônibus e metrô. Com iniciativas como essa Kaohsiung se converteu em uma das melhores cidades do leste asiático para o ciclismo urbano.

9. Berlim, Alemanha

1410446027_berlin_alemania_por_danielfoster437_flickr1410446027_berlin_alemania_por_danielfoster437_flickr© danielfoster437, via Flickr

Mais de 600 quilômetros de ciclovias e ruas amplas e planas são as características que fazem da capital alemã um dos melhores lugares se andar de bicicleta.

10. Montreal, Canadá

1410446243_por_pj_peterson_flickr1410446243_por_pj_peterson_flickr© PJ Peterson, via Flickr

Durante os anos 80 essa cidade canadense começou a construir ciclovias que atualmente fazem dela uma das melhores cidades para ciclistas da América do Norte. Para apresentar alguns números que respaldam essa realidade estão os 482 quilômetros de ciclovias e as 5.000 bicicletas públicas disponíveis para aluguel.

Fonte: Plataforma Urbana.
Tradução Camilla Ghisleni, ArchDaily Brasil.