Empreendedor transforma lixo em negócio - São Paulo São

User Rating: 0 / 5


O Jardim Bonito - fertilizante ecológico, sustentável, indicado para todos os tipos de plantas e produzido a partir de rejeitos de frutas e vegetais que seriam descartados como lixo - estabelece sua atuação em todo o país há cerca de um ano. A empresa nasceu após três anos de pesquisas para a definição da melhor composição para nutrição das plantas e condicionamento do solo, e surgiu com a proposta de reaproximar as pessoas da natureza e apoiar um lifestyle mais natural, equilibrado e saudável.

A etapa inicial da produção do Jardim Bonito ocorre em um sacolão municipal da Zona Oeste de São Paulo, onde é retirada a matéria-prima baseada em frutas e vegetais nobres, e realizada a compostagem em processos naturais que levam cerca de quatro meses. Por meio do Jardim Bonito, uma parcela – que tende a crescer junto com a empresa - do lixo orgânico gerado nos sacolões ganha um destino e é reciclado, o que confere a característica ecológica e sustentável do produto. A etapa seguinte compreende o enriquecimento do composto, que advém da indústria alimentícia ou extrativista, também orgânica.

Os irmãos Jairo e Rafael Rosenhek, à frente do negócio, apostam na empresa para ajudar no destino adequado dos resíduos e do chorume – itens que, no produto, funcionam como adubo e não contaminam o solo – e pretendem viabilizar a proximidade da natureza, tornando mais fácil e saudável o cultivo de plantas. “Comecei a fazer a compostagem há cerca de cinco anos como hobbie, e presenteava parentes e amigos que sempre pediam mais. Com o aumento dos pedidos, enxergamos que poderíamos fazer disso um negócio sustentável, saudável e rendável”, comenta Jairo.

O Jardim Bonito possui três funções – uma evolução no mercado, visto que os fertilizantes convencionais possuem, no máximo, duas. São elas: condicionador de solo, ou seja, deixa o solo favorável para a planta germinar e se desenvolver; nutrição, alimenta as plantas; emelhora as atividades fisiológicas, o que confere melhoria na aparência, crescimento e maior resistência a pragas e mal tempo.

Além disso, o Jardim Bonito não oferece riscos à saúde de pessoas e animas, possibilitando a vivência no mesmo ambiente logo após o uso; não irrita a pele e vias respiratórias; a diluição deve ser feita cem vezes em água, ou seja, possui alto rendimento; e é indicado para todos os tipos de plantas, sejam frutíferas, floríferas, arbustos, entre outros.

O Jardim Bonito está em expansão para todo Brasil, e já são 30 pontos de venda apenas na cidade São Paulo; a expectativa é que esse número chegue a 150 até o final de 2016. Além disso, atendem por meio da loja online (www.jardimbonito.com.br).

Sobre o Jardim Bonito

Criado pelos irmãos Jairo e Rafael Rosenhek há cerca de quatro anos, o Jardim Bonito, fertilizante ecológico e sustentável, atua efetivamente em todo o Brasil há cerca de um ano, após três anos de estudos e pesquisas para a definição da melhor composição para a saúde das plantas. Com base produtiva em um sacolão municipal da Zona Oeste de São Paulo, o produto se apropria de rejeitos de frutas e vegetais do local para um processo natural de compostagem, oferecendo uma solução sustentável para o lixo gerado. O Jardim Bonito deve ser diluído 100 vezes em água e funciona como três produtos em um: condiciona o solo, fornece nutrientes e melhora as atividades fisiológicas da planta, além da rápida absorção, que confere resultados visíveis em pouco tempo de uso. Outra característica importante é a indicação para qualquer tipo de planta (frutíferas, florais, arbustos, entre outros), e a ausência de riscos para a saúde. A empresa tem o propósito de incentivar o contato das pessoas com a natureza e um estilo de vida mais natural e saudável. O produto é encontrado em uma das 30 revendas na cidade de São Paulo e está em expansão para outras cidades do país, ou na loja virtual www.jardimbonito.com.br.

Site: www.jardimbonito.com.br
Facebook: fb.com/jardimbonito
Instagram: @jardimbonito
SAC: [email protected]

*
**
Com informações de Diene Guedes - Agência Lema.