Uber entra no mercado de aluguel de bicicletas elétricas da Europa - São Paulo São

A Uber planeja lançar este ano, um novo serviço de aluguel de bicicletas elétricas em toda a Europa, à medida que aumenta seu investimento no mercado cada vez mais competitivo de alternativas aos carros para se locomover nas cidades.

Dara Khosrowshahi, presidente-executiva da Uber, anunciou em Berlim nesta quarta-feira, que a capital alemã seria a primeira cidade fora dos EUA a receber suas luminosas bicicletas elétricas vermelhas da JUMP.

As características bicicletas JUMP se unirão a milhares de outras bicicletas sem estação já disponíveis nas ruas de Berlim, de rivais como a startup Lime, dos EUA, e Mobike e Ofo, da China.

"A Uber está pronta para ajudar a resolver alguns dos maiores desafios enfrentados pelas cidades alemãs: combater a poluição do ar, reduzir o congestionamento e aumentar o acesso a soluções de transporte mais limpas", disse Khosrowshahi. “Queremos trabalhar com governos locais e cidades para fazer nosso modelo funcionar.”

Foto: Jump / Divulgação.Foto: Jump / Divulgação.

Bicicletas elétricas e scooters que podem ser alugadas a preços baixos via smartphone são vistas como um substituto para os carros em viagens urbanas curtas. Os europeus têm sido tradicionalmente ciclistas mais entusiasmados do que os americanos, e o continente abrigou os primeiros serviços municipais de compartilhamento de bicicletas, como o Velib, em Paris.

No entanto, o súbito aparecimento em cidades de todo o mundo de veículos de duas rodas sem estações, que podem ser retirados e deixados em qualquer lugar, criou novos problemas legais e regulatórios.

A Uber comprou a JUMP há dois meses e está investindo pesado em e-bikes para expandir o serviço além de seus mercados iniciais em São Francisco, onde há 250 bicicletas, e Washington.

Foto: Jump / Divulgação.Foto: Jump / Divulgação.

Os veículos elétricos “assistidos por pedais”, que proporcionam um aumento de velocidade para tornar a bicicleta mais fácil de pedalar e percorrer longas distâncias, custam US$ 2 na primeira meia hora nos EUA e podem ser alugados por meio do aplicativo principal da Uber.

A expansão da JUMP, da Uber, acontece quando dois novos rivais nos Estados Unidos, a Lime e a Bird, sediada em Los Angeles, estão finalizando novas rodadas de financiamento para alimentar seu próprio rápido crescimento.

O Lime, que oferece uma mistura de veículos elétricos e tradicionais, e a Bird, ambas focadas em scooters, querem levantar até US$ 200 milhões em negócios que devem valorizar cada um deles em torno de US$ 1 bilhão, disseram pessoas familiarizadas com fundos de investimento.

Foto: Jump / Divulgação.Foto: Jump / Divulgação.

Os grandes investidores do Vale do Silício também estão entrando no mercado para locações de e-bikes e scooters, incluindo a Sequoia na Bird e a GV, anteriormente conhecida como Google Ventures na Lime. Esses investimentos seguem as enormes somas já investidas nas empresas de compartilhamento de bicicletas da China, incluindo as maiores empresas de internet do país, como Alibaba, Tencent e Meituan Dianping.

Protestos

A Uber enfrentou situação difícil na Europa, onde taxistas promoveram violentos protestos no passado e onde restrições judiciais obrigaram a empresa a encerrar alguns de seus serviços, inclusive na Alemanha, França, Itália, Espanha e Bélgica.

Além disso, Uber e outras empresas baseadas em aplicativos foram acusadas de causar congestionamento em grandes cidades como Londres.

Para mudar esse ciclo e se tornar um aplicativo capaz de agendar viagens por qualquer meio de transporte, seja ônibus, bicicletas, carros e trens, a Uber comprou a startup JUMP.

***
Fonte: Financial Times em São Francisco e Berlim (Inglês).

 


-->