'Predinhos da hípica', em Pinheiros, são tombados pelo Conselho do Patrimônio Histórico - São Paulo São

O conjunto de imóveis de 1950, conhecido como "predinhos da hípica", em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo, foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), e virou patrimônio histórico da cidade. Tombamento foi publicado no Diário Oficial na última quarta (1°).

Na publicação, o Conselho defende que as construções "guardam características de um modo de habitar próprio do bairro de Pinheiros", têm "valor simbólico, afetivo" para a população local, e "valor urbanístico e paisagístico" para a cidade.

A capital paulista tem atualmente 372 mil imóveis tombados. Nos últimos três anos, 850 foram tombados pelo órgão.

Dona de um café no bairro, a presidente da Associação de Moradores e Amigos dos Predinhos de Pinheiros foi uma das incentivadoras do processo de tombamento.

“É um passo na conservação de um ambiente urbanístico que a gente acredita que traz muita saúde para os moradores”, defende. 

Com o tombamento, 28 edifícios dos 'Predinhos da Hípica' precisarão manter características arquitetônicas externas Foto: Gabriela Biló / Estadão.Com o tombamento, 28 edifícios dos 'Predinhos da Hípica' precisarão manter características arquitetônicas externas Foto: Gabriela Biló / Estadão.

Os imóveis, situados no quadrilátero formado pela Avenida Teodoro Sampaio, Rua Arthur de Azevedo, Rua Pedroso de Moraes e Rua Mourato Coelho, foram construídos pelo imigrante libanês Raduan Dabus. A área pertencia à Sociedade Hípica Paulista.

Mesmo depois de tantos anos, a arquitetura daquela época continua preservada. Os comerciantes do bairro sabem que o tombamento pode travar o crescimento dos negócios, mas acreditam que preservar o patrimônio é prioridade.

Para o presidente da Comissão de Direito Urbanístico da OAB, o tombamento deve ser muito bem analisado para não travar o desenvolvimento da cidade.

“Daí vai a importância de se ter critérios para estabelecer o que deve e o que não deve ser tombado”, afirma Marcelo Manhães.

O jornalista Ricardo Lombardi cresceu no bairro e há quatro anos trocou as redações pelos livros. É dono de um sebo que fica na garagem do prédio que de sua mãe. Para ele, preservar a região é uma maneira de mostrar para as novas gerações como era a cidade nos anos 50.

Lombardi alugou a garagem que pertence à mãe para montar o sebo Desculpe a Poeira. Foto: Divulgação.Lombardi alugou a garagem que pertence à mãe para montar o sebo Desculpe a Poeira. Foto: Divulgação.

“Todo mundo que passa aqui pela primeira vez diz: Nossa! Isso aqui parece a cidade da minha vó no interior. Então, parece que a pessoa entra num portal que para a gente é muito valioso.”

O tombamento é uma ação administrativa que pode ser solicitada por qualquer cidadão, pessoa física ou jurídica, ou pelo Departamento do Patrimônio Histórico (DHP). O pedido é avaliado e submetido ao Conpresp.

Um bem tombado pode ser restaurado, mas não destruído. A medida é aplicada a bens móveis e imóveis de interesse cultural ou ambiental de interesse para a preservação da memória coletiva.

Quem não pedir autorização ao Conpresp para construir ou fazer reformas nessa região pode ser multado.

Predinhos da Hípica – Pinheiros (zona oeste)

Prédinhos da Hípica ainda preservam o clima do bairro nos anos 1950. Foto: Marcelo Orsi.Prédinhos da Hípica ainda preservam o clima do bairro nos anos 1950. Foto: Marcelo Orsi.

Reúne edifícios de baixa estatura construídos na década de 50 pelo imigrante libanês Raduan Dabus no quadrilátero formado pelas Ruas Teodoro Sampaio e Arthur de Azevedo, Avenida Pedroso de Moraes e Rua Mourato Coelho. Os imóveis foram criados sobre o antigo terreno da Sociedade Hípica Paulista. Status: em bom estado de conservação e sede de diversos pequenos comércios da região.

Leia também: 

***
Fonte: G1 / São Paulo.