A exposição sobre Dom Paulo e a coragem que não pode faltar em tempos difíceis - São Paulo São

No auge da ditadura militar, o cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, defensor de perseguidos políticos, foi chamado pelo general Ernesto Garrastazu Médici. Ouviu um discurso duro, mas não deixou de dizer a frase que estava entalada na garganta de muitos:

—  O senhor não manda na nossa liberdade.

Este homem, definido por muitos como sinônimo de coragem, terá sua história lembrada na Exposição Dom Paulo Evaristo Arns: 95 anos, que acontecerá no Centro Cultural dos Correios de São Paulo a partir de sábado, 21 de julho, e vai até o dia 23 de setembro.

Nos dias atuais, em que Lula foi retirado do convívio da sociedade graças a um processo criticado por juristas e há um defensor de torturadores com chance de se eleger presidente, a pergunta que os visitantes da exposição poderão se fazer é:

— Como Dom Paulo reagiria a este estado de coisas?

Para o diretor de teatro Izaías Almada, autor da peça que é uma das atrações da exposição, não há dúvida:

— Ao lado do povo, claro, e o povo hoje já percebeu a injustiça que se faz com Lula.

A peça “Lembrar É Resistir”, escrita por ele e por Analy A. Pinto, foi apresentada pela primeira vez no final dos anos 90, na antiga sede do Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (DEOPS), o braço oficial da política de terror do Estado, que serviu de centro de tortura.

Cena da peça ‘Lembrar é Resistir’ de Izaías Almada e Analy Alvarez. Foto: DivulgaçãoCena da peça ‘Lembrar é Resistir’ de Izaías Almada e Analy Alvarez. Foto: Divulgação

Na época em que a peça foi encenada pela primeira vez, Izaías — nem ninguém — imaginava que, alguns anos depois, a democracia no Brasil estaria de novo ameaçada, desta vez por processos abusivos que guardam a aparência de legalidade.

A peça volta agora em cartaz, com algumas adaptações que remetem aos dias de hoje.

Em uma delas, são mencionadas as forças tarefas que tiram de circulação lideranças populares, com ênfase no núcleo de Curitiba.

Em outra, um personagem manifesta surpresa quando constata que há pessoas saudosas da ditadura militar.

Há outras referências mais sutis que o público perceberá vendo a peça.

Na exposição sobre Dom Paulo, é reproduzido o ambiente do DEOPS, com a encenada feita por Tin Urbinatti, Neusa Felipe, Euzébio Simioni e Cléo Moraes.

O público é convidado a voltar aos anos de chumbo (60/70), sendo conduzido de cela em cela, como presos políticos da época.

De repente, com as adaptações, descobre que o passado voltou. As apresentações serão de terça a domingo, às 14h30 e às 15h30.

No mesmo espaço, haverá ainda uma versão gigante do livro Brasil: Tortura Nunca Mais.

Na edição impressa, estão nomes das vítimas da ditadura e também de quem serviu a ela.

A exposição montou uma reprodução da vala clandestina do cemitério de Perus, onde foram encontradas mais de mil ossadas humanas, entre elas a de presos políticos desaparecidos, que serão lembrados em um memorial. 

Com Médici: "o senhor não manda na nossa liberdade". Foto: Divulgação / Reprodução.Com Médici: "o senhor não manda na nossa liberdade". Foto: Divulgação / Reprodução.

A interatividade também está presente numa linha do tempo com temas como os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que está sendo comemorada este ano.

Em vídeo, os 30 artigos da Declaração serão lidos por 30 pessoas de origens diferentes, entre elas refugiados, moradores de rua e artistas, como Criolo, Martinho da Vila e Paulinho da Viola.

Outros pontos relevantes da trajetória de dom Paulo, como as redes de solidariedade no Cone Sul que ele ajudou a criar; a origem de alguns partidos políticos no Brasil pós 1980; a figura de São Francisco de Assis e a influência franciscana na vida simples que levava; o protagonismo que deu aos leigos; a divisão da arquidiocese no final dos anos 1980; a venda do palácio episcopal para comprar mais de mil terrenos na periferia e distribuir para as comunidades se organizarem, entre outros, estarão retratados na Ocupação.

Com o presidente norte-americano Jimmy Carter em 1978 no Brasil. Foto: Jornal O São Paulo.  Com o presidente norte-americano Jimmy Carter em 1978 no Brasil. Foto: Jornal O São Paulo.

No caminho entre o Átrio e a Sala 2, uma reprodução do campo do Corinthians, fotos históricas e depoimentos de ícones desportivos sobre a Democracia Corintiana, como Casagrande e Basílio, lembrarão o time do coração do arcebispo.

Também um espaço totalmente dedicado às crianças, com jogos, desenhos, montagens lúdicas e contação de histórias propiciarão às crianças o contato com temas que dom Paulo defendeu, como a justiça social, a democracia e os Direitos Humanos.

A curadoria da exposição é de Evanize Sydow, Marilda Ferri, Maria Angela Borsoi e Paulo Pedrini. Evanize, biógrafa de Dom Paulo, autora do livro “Um homem amado e perseguido”, diz que a exposição é voltada sobretudo para os jovens, que não conhecem a história dele.

Evanize lembra que, para Dom Paulo, a democracia era um bem precioso que deveria ser exercido nas esferas do Estado, mas também no cotidiano. Por exemplo, ele foi um grande incentivador da democracia corintiana, em que os jogadores eram ouvidos sobre o planos do clube para o futebol. 

Sócrates um dos líderes da Democracia Corinthiana em comemoração de gol. Foto: Divulgação.Sócrates um dos líderes da Democracia Corinthiana em comemoração de gol. Foto: Divulgação.

“Teremos na exposição a taça que os jogadores ganharam na época”, afirma ela. Dom Paulo era um apaixonado torcedor do Corinthians.

A esse propósito, há depoimentos de jogadores falando como foi importante o apoio do líder religioso a um tipo de gestão inovador no futebol. O apoio de Dom Paulo impediu que os atletas ficassem estigmatizados e fossem prejudicados na profissão.

Dentro e fora da igreja, Dom Paulo foi um exemplo

A memória daquele que foi chamado de Cardeal da liberdade, da cidadania e guardião dos direitos humanos é uma sopro de esperança sobre o Brasil. É reconfortante constatar que dividimos o mesmo tempo histórico que ele. Pena que não haja tantos homens quanto Dom Paulo nestes dias estranhos em que se busca a luz no fim da escuridão.

Dom Paulo celebra missa de sétimo dia do jornalista Vladimir Herzog, Foto: Agência Estado.Dom Paulo celebra missa de sétimo dia do jornalista Vladimir Herzog, Foto: Agência Estado.

Serviço

Exposição Dom Paulo Evaristo Arns: 95 anos
Centro Cultural dos Correios de São Paulo.
Data: de 21 de julho a 23 de setembro de 2018
Horário e dias: visitação das 11h às 17h, de terça a domingo
Entrada franca
Local: Av. São João, s/n, Vale do Anhangabaú – Centro, São Paulo/SP.

***
Por Joaquim de Carvalho no DCM.