Caminhos - São Paulo São

São Paulo São Caminhos

Construir do zero um bairro sustentável, com as tecnologias disponíveis hoje em dia, é até fácil, mas o que fazer com bairros antigos, consolidados, com nascentes ocupadas, poucas árvores, córregos poluídos e na mira dos projetos de adensamento populacional? Como fazer um bairro normal, com problemas, se transformar em um ecobairro? Esse é o desafio que se propôs a enfrentar um grupo de moradores das vilas Jataí, Beatriz e Ida, na zona oeste paulistana.

Abrir dados públicos é capacitar os cidadãos a participar ativamente da construção de cidades melhores, permitindo a busca por soluções para todos os tipos de problemas. A maneira com que as cidades irão superar suas falhas, a partir da participação dos cidadãos, é o que fará delas cidades inteligentes. Governos abertos podem especialmente se beneficiar com a contribuição do público para fazer bom uso da quantidade de dados que coletam. Além disso, a transparência é um exercício importante de combate à corrupção.

Vinculado à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, o Centro de Estudos da Metrópole (CEM) lançou um banco de dados de linhas de ônibus do município de São Paulo. Desdobramento da pesquisa que integra a linha de investigação Padrões de governança em política urbana, trata-se do primeiro conjunto de dados georreferenciado consolidado e de livre acesso público do universo das linhas de ônibus no município de São Paulo, e traça um retrato das linhas no mês de setembro de 2015.

Desde 1905 o escritor brasileiro João do Rio falava em ‘flanar’ pela cidade’. Quase 100 anos depois, o sentido de ‘flanar’ foi ressignificado, mas também trouxe um novo olhar de como podemos nos relacionar com nossa cidade. ‘Flanar’ hoje é um convite à caminhar, esbarrar, reconhecer e aprofundar-se na experiência urbana.