‘Cohousing’ também pode ser a solução para a moradia de idosos - São Paulo São

Um conjunto de casas no mesmo entorno, com áreas comuns que aproximam os moradores. A ideia se assemelha a condomínios convencionais, mas ganha outra dimensão por causa do caráter quase filosófico do cohousing: estabelecer os vínculos afetivos entre pessoas e incentivar a troca de experiências.

Consolidado na Europa e nos Estados Unidos, o modelo começa a entrar no radar do mercado imobiliário no Brasil. Grupos de diferentes Estados tentam dar forma a essa espécie de comunidade neohippie, na qual a busca pelo coletivo não exclui nem diminui o indivíduo.

O arranjo espacial e a dinâmica de funcionamento defendidas estão em sintonia com a tendência moderna da chamada economia compartilhada. Além disso, o cohousing se apresenta como uma opção viável de moradia para idosos, por se adequar a algumas das necessidades características da faixa etária.

Professor de Gerontologia da USP, Jorge Félix alerta que o envelhecimento da população mundial amplia o número de pessoas dependentes. No entanto, as novas configurações de famílias, com menos filhos, e a inserção da mulher no mercado de trabalho, quem usualmente desempenhava a função de cuidadora, reduzem a tradicional rede de suporte do idoso.

Daí a urgência de discutir novos modos de habitação. Adaptações da construção civil não são suficientes, defende. “Modelos baseados no compartilhamento permitem a criação de laços. Isso é importante porque as condições de convivência interferem muito no envelhecimento, tanto nos aspectos físicos quanto emocionais.”

Quando a arquiteta Lilian Lubochinski se interessou pelo tema, há quase três décadas, ela tinha 40 anos. De lá para cá, algumas alternativas surgiram, mas, na sua opinião, poucas entendem as demandas do público grisalho. A “arquitetura socioafetiva” dos co-lares, como prefere chamar a modalidade, seria uma resposta que tem apelo.

A convivência entre os moradores se dá nos espaços coletivos, como cozinha – algumas comunidades fazem refeições juntas –-, biblioteca e lavanderia. Atividades em grupos são incentivadas, bem como a troca de serviços. Um casal de idosos pode, por exemplo, ajudar a cuidar das crianças dos vizinhos.

Não é só isso. Os processos de decisões – lembre-se de que não há uma convenção de condomínio– dão espaço a discussões em que a experiência dos longevos é bem-vinda. Numa sociedade que tende a “infantilizar e esvaziar a potência” de resolução de conflitos dos idosos, o cohousing surge como uma possibilidade agregadora, afirma Lilian.

Mercado

Nos Estados Unidos, as chamadas “55+ Communities” costumam ser direcionadas a pessoas acima dos 55. Foto: Divulgação.Nos Estados Unidos, as chamadas “55+ Communities” costumam ser direcionadas a pessoas acima dos 55. Foto: Divulgação.

Ela diz ter certeza de que o cohousing pode ser lucrativo. “O desafio, aqui, é que não estamos falando de uma mercadoria pronta. Até porque isso já temos, são os condomínios.” Para a arquiteta, é necessário levar em conta o desejo de vínculos e o processo de formação dos grupos de interesse.

Félix faz ressalvas. Segundo ele, existem questões dentro do modelo que dificultam a atuação do mercado, como a definição de novos moradores. Para entrar na comunidade, o interessado precisa se adequar às normas combinadas. Acontece que é a coletividade que julga se ele se encaixa ou não.

Para o seu livro Viver Muito (editora Leya), que aborda o envelhecimento a partir de diferentes temas, o professor pesquisou a implantação do modelo em outros países. Com exceção dos Estados Unidos, as iniciativas encontradas geralmente vêm do Estado.

Um dos casos mais bem-sucedidos é o de uma cidade alemã que, por meio de um banco de dados, aproximou idosos já conhecidos. “Eram indivíduos que em algum momento da vida conviveram, seja na faculdade ou em outro espaço.” A preocupação em formar um grupo coeso e com um mínimo de afinidades é importante, diz.

Na avaliação do corretor Leo Ickowicz, há 29 anos no mercado americano, a possibilidade comercial do cohousing é pequena, mas cresce se o negócio focar em clientes idosos. “Essas comunidades surgem espontaneamente, por pessoas que têm um estilo de vida muito parecido. Mas acredito que dê para adaptar o conceito.”

O ideal, afirma, seria preservar a estrutura física e parte da dinâmica, que privilegia o convívio. Os grupos, porém, seriam formados por faixa etária, em vez de interesses particulares. Já a comercialização poderia ser feita por locações. Ou seja, seriam projetos construídos para locação.

Segundo Ickowicz, algo parecido já acontece e tem boa aceitação nos Estados Unidos, as chamadas “55+ Communities”. Elas costumam ser direcionadas a pessoas acima dos 55 e não permitem crianças. Gerontólogos criticam a restrição por considerá-la segregadora.

A coordenadora de Políticas para Idosos da Prefeitura de São Paulo, a fonoaudióloga e gerontóloga Sandra Regina Gomes, lembra que as nações europeias primeiro enriqueceram e, depois, chegaram à madurez. “O desafio do Brasil é maior, porque estamos envelhecendo rapidamente e ainda somos um país pobre. A maioria de nossos idosos vive com um salário mínimo.”

Busca

Maggie (Cameron Diaz) e a avó Ella (Shirley MacLaine) em cena do filme “Em Seu Lugar“ (2005). Foto: Divulgação.Maggie (Cameron Diaz) e a avó Ella (Shirley MacLaine) em cena do filme “Em Seu Lugar“ (2005). Foto: Divulgação.

Ainda assim, não faltam interessados nesse tipo de habitação. A vontade de morar em um co-lar surgiu para Creide Santos, 56 anos, após ela assistir ao filme Em Seu Lugar (2005). No longa, a protagonista interpretada por Cameron Diaz vai viver com a avó num espaço do tipo depois de algumas intempéries da vida adulta. “Lembro que achei o lugar incrível e pensei que deveria existir algo parecido no Brasil.”

Com mais uma amiga também de Curitiba, a secretária começou a buscar grupos de cohousing. O senso de compartilhamento a atrai. “Com o tempo, acumulamos conhecimento e aprendemos a lidar com problemas que aos 20 ou 30 anos parecem insolucionáveis.” Para a aposentada, essa bagagem é mal aproveitada. “Os jovens pagam coaching para muitas coisas, quando existem idosos dispostos a ouvi-los e ajudá-los sem cobrar.”

A psicóloga e gerontóloga Karen Harari diz que o contato intergeracional cultivado no cohousing tende a ser mais bem-sucedido do que iniciativas que aproximam jovens de idosos forçosamente. “A convivência é mais realista e espontânea, são indivíduos que decidiram viver juntos por suas afinidades.”

Com filhos já adultos e longe de casa, Edra Moraes, 53 anos, quer construir um cohousing na praia. “Ninguém quer pensar sobre o tempo. Mas se nos preparamos para o vestibular, para a vida profissional, por que não para a velhice?”

A possibilidade de escolher seus vizinhos, com os quais manterá as relações-base do co-lar, é seu maior interesse. “O condomínio aproxima pessoas apenas pela classe social. Meu vizinho é alguém que pode pagar o mesmo para morar ali”, lembra.

Moradia como filosofia de vida

Projeto de “Cohousing“ na cidade de Bristol, Inglaterra. Imagem: Urban Design.Projeto de “Cohousing“ na cidade de Bristol, Inglaterra. Imagem: Urban Design.

 

1. O que é cohousing?

Conjunto de casas independentes que desfrutam de áreas comuns a fim de estimular a convivência e vínculos afetivos. Troca de serviços e habilidades são incentivadas, o que costuma ser chamado de co-cuidado.

2. Como são os processos de decisão da comunidade?

Não existe uma liderança, e as resoluções nunca surgem de votações. Quando há discordância, pede-se sugestões alternativas. Se ainda restar dissenso, pergunta-se se a pessoa pode conviver com a situação, mesmo discordando.

3. Como são formados os grupos? 

A partir de interesses em comum, como ecologia, artes ou religião. As pessoas participam de todo o processo de formação, desde a escolha do terreno até a definição da arquitetura do espaço.

Coliving’ é modelo de moradia alternativa já disponível no Brasil

A artista plástica Mari Pini compartilha sua casa com mais cinco pessoas enquanto não encontra um cohousing. Foto: Tiago Queiroz / Estadão.A artista plástica Mari Pini compartilha sua casa com mais cinco pessoas enquanto não encontra um cohousing. Foto: Tiago Queiroz / Estadão.A artista plástica Mari Pini, 63 anos, divide sua casa, na Pompeia, com mais cinco pessoas. A ideia é seguir assim até encontrar um grupo de cohousing na cidade. O estilo de vida baseado na economia compartilhada foi adotado por ela há 10 anos, quando começou a receber estudantes de outros países.

Depois que a filha única saiu de casa, o convite ao coliving – dividir não apenas despesas, mas momentos em grupo – se estendeu a pessoas com idades variadas. Mari conta que sempre gostou de receber visitas e, quando se viu sozinha, procurou uma alternativa que aliasse convivência à economia.

Com os colegas, ela rateia as contas mensais, mas também atividades cotidianas. “As famílias se fragmentaram e as pessoas estão cada vez mais centradas em si, esse modelo não é para mim.” Ela diz que amigos da mesma faixa etária não entendem que a escolha não elimina sua privacidade.

Luiza Costa, uma das fundadoras do portal Conviver, que aproxima pessoas em busca de cohousing e coliving, fala que o perfil de interessados é formado majoritariamente por jovens. “São indivíduos que querem recuperar laços comunitários e pensar modos de vida e trabalho colaborativos.”

Idosos e pais com filhos pequenos estão começando a aderir ao modelo, conta. Segundo Luiza, a possibilidade de trocar serviços e o que chama de “co-cuidado” atendem às demandas de grupos mais vulneráveis.

A plataforma funciona como um banco de dados. Quem pretende aderir à modalidade de moradia pode preencher uma questionário. A partir do resultado, conecta-se a comunidades com valores e interesses similares.

Professor e diretor do curso de economia e administração da PUC-SP, Antonio Lacerda afirma que a iniciativa faz parte de um novo paradigma de sociedade, em que fatores conjunturais, como a crise econômica, e estruturais, sobretudo a mudança nas configurações familiares, demandam alternativas criativas de organização. “Pensar a vida a partir dessas colaborações traz não apenas economia, mas novos laços e experiências.” 

***

Por Bianca Soares com Guilherme Osinski, especial para O Estado de S.Paulo.