Encontros - São Paulo São

São Paulo São Encontros

Um dos empresários mais bem-sucedidos da noite paulistana, Facundo Guerra afirmou em entrevista à revista Trip de março de 2015: "São Paulo, superconservadora de dia, berço do malufismo, é libertária pra caralho à noite''. O fim de semana da Virada Cultural 2015 talvez tenha sido o mais libertário do ano.

Minha Virada começou sábado às 18h na Praça da República, com a bela apresentação da Orquestra Paulistana de Viola Caipira. Depois, passei na Festa Junina da Igreja da Consolação, no Galinhodromo da Praça Roosevelt, vi o rock (sim, rock!) do Odair José na Rio Branco e finalizei com o show do Lenine. No domingo, assisti ao Abraçaço, de Caetano Veloso e o incrível show do Emicida, ambos na Praça Julio Prestes. Tudo na maior paz, sem medo, sem problemas.

Essa foi a minha programação, mas cada paulistano, paulista ou turista teve a sua experiência. Milhares de pessoas curtiram a cidade entre as 1500 atrações.

Quem escolheu as atividades do centro de São Paulo teve a chance de ver a cidade de um jeito diferente, que os dias de rotina não possibilitam. Você conversa com pessoas que jamais teria contato e talvez nunca mais encontre na vida. Um senhor me contou com muito orgulho como foi ir ao show Ray Charles e conheci pessoas que moram no meu bairro e jamais tinha visto na rua.

Em todos os portais e jornais a cobertura jornalística é positiva, relata boas apresentações e público satisfeito com o que viu. Apesar disso, as manchetes e chamadas das capas de jornais e homepages dos sites focam (e muito) no lado ruim do evento. É possível ver textos como "apesar de poucos roubos e furtos, o evento foi positivo" ou também destaques para as poucas filas no Galinhodromo da Roosevelt, como se fosse ruim (precisa de filas e confusão pra fazer sucesso?).

Experimente ler comentários dos sites de notícias e suas páginas no Facebook e tenha a impressão de que ninguém teve um minuto de paz ao sair nas ruas de São Paulo durante o evento. É muito ódio no coração. As pessoas parecem sentir prazer quando as coisas dão errado, torcem pra isso, desejam notícias ruins. As tags são as mesmas: drogas, violência, Virada Criminosa, filas, etc.

Por que não destacar as boas apresentações, das peças de teatro que animam as crianças, da divertida batalha de drags?

Fica claro que parte da audiência dos sites está interessada em notícias ruins, os portais destacam a violência, um alimenta o outro. Por causa de abordagens como essa o evento segue em descrédito com boa parte da população. Graças a diversos problemas de edições anteriores, muita gente associa Virada Cultural SOMENTE a bebedeira, arrastões, confusão e medo, sem levar em consideração nada de positivo.

Obviamente, a imprensa e as pessoas devem falar dos erros e coisas ruins do evento. O balanço oficial da Polícia Militar aponta 73 ocorrências, furtos e roubos. Em 2014, foram quatro pessoas feridas a facadas e sete baleadas no evento, neste ano, nenhuma. O número de atendimentos médicos foi de 268 pessoas, enquanto ano passado foi de 1883.

O Secretário de Municipal de Cultura de São Paulo, Nabil Bonduki, destacou que a Virada deste ano foi um evento da paz. E foi, para milhares de pessoas. Por onde passei, com todos amigos que conversei e depois de uma longa busca nas redes sociais, não encontrei relatos gravíssimos de violência.

São Paulo precisa de mais eventos nas ruas, a céu aberto, que virem a noite e deixem que os paulistanos e turistas (venham, sejam bem-vindos) aproveitem a cidade, se divertir, serem livres. As pessoas precisam perder o medo de andar pela cidade, seja na periferia ou no centrão.

A Virada Cultural foi um ponto positivo e mais um avanço na recente retomada dos espaços públicos da capital. O Carnaval de Rua deste ano também. Torço para que essas atitudes positivas se repitam em todo o Brasil. Quanto mais gente na rua, melhor.

Como bem disse Emicida em seu show: "viva e deixe viver, certo mano?".

Davi Rocha no Brasil Post. 

 

No Theatro Municipal, Alaíde apresenta repertório completo do disco 'Coração' as 9h do domingo; palco República homenageia Inezita Barroso.

Em 1975, Alaíde Costa gravou Coração, disco recheado de iguarias finas como a pungente Pai Grande, linda canção composta por Milton Nascimento em 1969 para o LP que leva seu nome. Entre os biscoitos finos de Coração estão aindaQuem Sou Eu, de um dos artistas favoritos de Alaíde, Johnny Alf, com quem sua alma firmou parceria em caráter vitalício, eTomara (Novelli, Paulo César Pinheiro e Maurício Tapajós). “Nunca tive oportunidade de apresentar Coração completo num show”, diz a intérprete, que a convite da Virada Cultural realiza o desejo de desfiar inteiro o repertório do disco.

Alaíde, que há muito chegou ao estágio de cantar apenas o que seu coração manda, experimentou os palcos da Virada ao lado de Luciana Melo e Jair Rodrigues. “Foi no Vale do Anhangabaú, não lembro quando. Fiz também Alaíde Canta Tom Jobim, num CEU de Cidade Tiradentes, dentro de uma comunidade. Agora é no Theatro Municipal e acho que será bem diferente, com público mais interessado nesse tipo de música”, diz a cantora, que no ano passado lançou o CD autoral Canções de Alaíde. 

O palco República será transformado no Arraial da Inezita Barroso e receberá artistas que vão homenagear a cantora, compositora e pesquisadora morta em março, aos 90 anos de idade e 60 de vida dedicada à cultura popular. Quem abre as apresentações é a Orquestra Paulista de Viola Caipira, regida pelo maestro Rui Torneze. Os músicos participaram diversas vezes do programa Viola, Minha Viola, comandado por Inezita durante 35 anos na TV Cultura.

Em ambiente que emana a sala de visitas onde Inezita recebia convidados de rincões onde a música faz questão de se dizer caipira para não ser confundida com a sertaneja de hoje, em que figurino apertado e pobreza melódica costumam dar o tom, subirão ao palco duplas como os irmãos mineiros Zé Mulato e Cassiano e os paulistas Pedro Bento e Zé da Estrada. A homenagem a Inezita tem curadoria do produtor e roteirista de Viola, Minha Viola, Aloisio Milani.

Ana Ferraz em Carta Capital.

Confira a programação completa no site da Virada Cultural Oficial: http://viradacultural.prefeitura.sp.gov.br/2015/

Tudo pronto pra Virada? Já baixou o aplicativo para celulares? Está disponível para Android, Iphone e Windows Phone com a programação completa! Você também pode, no site da Virada, montar a "Sua Virada" com os shows que deseja assistir e depois acessar pelo celular, no aplicativo. Assim fica tudo à mão, é só chegar lá e curtir sua programação.

A programação acontece de sábado (20) a domingo (21) de junho. Fafá de Belém, Ira!, Alaíde Costa, Tom Zé, Ná Ozzeti, Lenine e Hermeto Pascoal estão confirmados. O evento terá atrações em pontos inéditos da cidade, com palcos na periferia, na avenida Paulista e no parque Ibirapuera. O alcance territorial da Virada aumentou, mas a Prefeitura reduziu o perímetro do centro na edição deste ano.

Baixe aqui o app: http://bit.ly/1GR6WrA

O Site Oficial: www.viradacultural.prefeitura.sp.gov.br

Bloqueio será testado no dia 28, data da inauguração da ciclovia; Haddad diz que é uma 'tendência internacional' e cita Times Square.

O fechamento da Avenida Paulista, rotineiro nas sextas-feiras de protesto em São Paulo, pode virar realidade institucionalizada pela Prefeitura nos domingos. O Município estuda a possibilidade de fechar um dos endereços mais importantes da capital para pedestres, ciclistas e skatistas.

O prefeito Fernando Haddad (PT) e o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, disseram nesta terça-feira, 16, que o bloqueio será testado na inauguração da ciclovia na avenida, no próximo dia 28.

Os estudos são da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). “É uma tendência internacional de grandes cidades reservarem espaços públicos para que pedestres e ciclistas se encontrem, para que haja uma maior aproximação entre as pessoas. Não só em parques, mas também em vias”, afirmou Haddad, citando como exemplo a Times Square, em Nova York, com trechos fechados desde 2009. “Há estudos sendo feitos nessa direção (de fechar em definitivo). Mas não temos ainda uma decisão tomada”, disse o prefeito.

Já Tatto explicou que, caso a Prefeitura decida pelo fechamento definitivo da Paulista aos domingos, o cruzamento com a Brigadeiro Luís Antônio não será bloqueado. “Uma recomendação que fizemos é que não feche o cruzamento por causa dos ônibus. O motorista do carro desvia, pega as Avenidas 23 de Maio e Brasil”, afirmou o secretário.

Manifestações.

Tatto disse ainda que a Prefeitura já está acostumada com os frequentes fechamentos da Paulista, fazendo referência aos protestos que interrompem a circulação de veículos e ônibus na via. “Se tem um lugar que todo mundo tem experiência de fechamento na cidade é a Avenida Paulista”, afirmou. Para fechar a via definitivamente, a CET estudará o impacto no viário do entorno como as Ruas Cincinato Braga e São Carlos do Pinhal e a Alameda Santos.

A expectativa de Haddad é que, no dia da inauguração da nova ciclovia na Paulista, o público ultrapasse os limites da faixa para ciclistas. Por isso, a avenida deve ficar fechada. De acordo com o prefeito, “talvez a ciclofaixa seja insuficiente” para receber tantos ciclistas. “Estamos vendo como vamos recepcionar a quantidade de ciclistas que estão mobilizados para isso.

Tem muita gente que vai chegar na Paulista de bicicleta e a ciclofaixa não vai dar conta do público previsto. Estamos estudando como recebê-los, porque a segurança é importante”, afirmou Haddad. Minhocão. No próximo fim de semana, durante a Virada Cultural, a CET testará o comportamento do trânsito no entorno do Minhocão com o fechamento da via elevada, previsto para ocorrer a partir das 15 horas - horário que o elevado poderá fechar caso a medida seja implementada definitivamente.

Ps: Os estudos são da CET e ainda não há data para divulgação sobre o fechamento definitivo da via.

Juliana Diógenes e Rafael Italiani - O Estado de S. Paulo.

Na última sexta-feira dia 12 de junho, foi realizada na sede da Prefeitura de São Paulo, a coletiva de imprensa da Viradinha 2015 para crianças, segmento da Virada Cultural. Quem estava no comando era Nabil Bonduki, Secretário Municipal da Cultura, e entre os presentes estavam a Primeira Dama Ana Estela Haddad, a Secretária Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida Marianne Pinotti, Nádia Campeão, vice-prefeita do município de São Paulo, representantes dos CEUs (Centro Educacional Unificado) e do SESC, entre outros.

É a segunda vez que a Prefeitura realiza a Viradinha Cultural, que nasceu a partir das premissas da São Paulo Carinhosa e do atual governo de humanizar o território da cidade para a criança e incluir atividades para elas e suas famílias no calendário da cidade, ampliando o divertimento também para as crianças, não somente para os adultos.

Neste ano, a viradinha ocupa o quarteirão que contorna a Biblioteca Monteiro Lobato, no Centro. A biblioteca, a primeira para crianças, foi criada por Mario de Andrade, e foi escolhida não só pelo simbolismo do local, como também por sua centralidade. A Biblioteca fica na rua General Jardim, 480, Centro. A região foi escolhida por ser afastada do epicentro das atrações da Virada Cultura justamente para assegurar a segurança das crianças.

Para Ana Estela Haddad, o fato de a Viradinha 2015 ocorrer na Biblioteca Monteiro Lobato “possui um simbolismo importante” e também disse: “no ano passado tivemos um momento muito bonito de celebração e espero que esse ano seja igual”.

Para Gabriela Fontana, da Secretaria Municipal de Cultura e da curadoria infantil da Virada Cultural é importante transformar a rua em local de acolhimento para as crianças, e tendo isso em vista, inúmeras brincadeiras de rua vão compor o cenário infantil. Também teremos a oficina de aleitamento materno e espaço para os pais trocarem os bebês, fazendo com que os pais e mães se sintam confortáveis e possam se divertir junto.

Para o representante do SESC presente na coletiva, “é importante a participação das famílias, mães, avós e pais”, ainda afirmou “estamos preparados para receber todos.”

Com atividades de 9h às 18h no dia 21/06, domingo, a Viradinha irá contar com aulas de bicicleta em volta do quarteirão, show dentro e fora da Biblioteca, guarda-volumes para as mamães e os papais, estacionamentos para carrinhos, oficina de amamentação (mamaço), entre muitas outras coisas. Entre os shows  estão: Trupe Pé de Histórias, Beatles para Crianças, Pato Fu e Kiara Terra.

Abaixo segue a programação da Viradinha 2015:

Palco
10h: Banda Mirim - 10 anos
12h: Palavra Cantada
14h: Beatles
17h30: Badi Assad

Tablado 1
9h: Trupe Pe de Historia
11h: Reprise
13h: Doncovim Procovo
15h30: Chapeuzinho Vermelho-La Palt du Jour
16h30:Grupo Triii
16h30: Ciranda na Praça
17h30: Se Romeu e Julieta

Auditório Monteiro
9h30: Historiar, Cia. Patética-Fabio Parpinelli 
10h30: Kiara Terra
11h30: Cantos da Terra
13h: Cineminha
15h: Coral
16h: Cris Gouveia

Espaço Interno
9h as 18h: Espaço de brincar (0 A 3 anos)
Oficinas (Quadra) - 0 a 3 anos
9h: Dança Materna
10h: Sensações
11h30: Sensações
13h: Minha mae canta pra mim…
14h às16h: Musicalização

7 a 12 anos
17h: Danca Afro

18 meses a 3 anos
9h: Artes- Mingau Craft
10h: Artes- Mingau Craft
11h: Artes- Mingau Craft
12h: Artes- Mingau Craft
14h: Oficina de Bonecas e roda de conversa sobre aleitamento materno
16h: Oficina de Bonecas e roda de conversa sobre aleitamento materno

3 a 7 anos
9h às 11h: Oficina de Brinquedo de Papelão
12h: Oficina de Confecção de Malabaris
13h às 16h: Oficina Culinária

7 a 12 anos
9h às 12h:Oficina de Cerâmica
13h: Oficina de Confecção de malabaris
14h às 16h: Oficina de Instrumentos

Intervenções de Rua
10h30: Meu Corpo, Meu Brinquedo
13h: Buzum
16h: Teatro Portátil

Quadra

15h: Dança Afro 
10h30 às 12h30: Horta
14h00 às 16h00
15h às 17h: Grafite
15h: Dança Afro
14h às 18h: Fantasia
10h às 17h: Sucatinha de Luxo
14h às 17h: Pistinha
14h às 15h: Mc Soffia
15h às 16h: Dj Niely
16h às 17h: Camilo
17h às 18h: Calefação
11 às 13h: Karaoke
14 às 16h

Dia inteiro: Recreart – Brincadeiras de Rua
11h: Mamaço
15h, 16h30, 12h40: Banda Paralela

Durante o dia
Ciclovia, Erê Lab, Feira de troca de livros e brinquedos, Ilustradora, Pintura Facial.

Isabela Palhares no São Paulo Carinhosa: http://goo.gl/dSJlXc

 

Os nômades digitais podem praticar o trabalho diretamente de sua casa, mas se a distração do lar está atrapalhando o seu rendimento ou a inspiração necessária não vem, nada melhor do que buscar novos ares para fazer o trabalho render mais. O trabalho home office permite que qualquer lugar com internet se torne seu novo escritório. Para ajudar na escolha, selecionamos 10 lugares grátis em São Paulo para levar seu notebook e colocar a mão na massa.

Espaços de coworking aumentaram a oferta de novos lugares para trabalhar, porém a grande maioria cobra uma mensalidade e não é todo nômade digital que quer arcar com um custo do tipo. Sendo assim, eles recorrem a parques, cafés, bibliotecas e outros pontos da cidade onde uma mesa e o mínimo de conforto dão conta do recado.

Confira: http://goo.gl/jiNjix