Congonhas, 80, já teve Carnaval e foi ‘point‘ para ver avião subir e descer - São Paulo São


Em outros tempos, o aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foi palco de grandes bailes de Carnaval, virou “point'' paulistano com sua cafeteria 24 horas e local de diversão nos finais de semana, quando a população se reunia para ver os pousos e decolagens. Havia uma área onde as pessoas simplesmente se sentavam para ver os aviões saindo e chegando.

Congonhas completou 80 anos de operações no último dia 12 de abril. Considerado um dos mais movimentados do Brasil, com aproximadamente 52.800 pessoas embarcando e desembarcando por lá diariamente, o aeroporto registra cerca de 585 pousos e decolagens para mais de 30 destinos diretos.

Inaugurado em 1936, Congonhas já teve momentos de glória. Desde 1957, já era o terceiro aeroporto do mundo em volume de carga aérea. Mas também já amargou com a ociosidade por um longo período, após os voos internacionais serem direcionados para outros aeroportos.

Veja algumas curiosidades de seus 80 anos de vida:

- O aeroporto foi construído em um local livre de enchentes

O governo de São Paulo escolheu a área após alguns estudos que tinham o objetivo de encontrar um lugar que não estivesse sujeito a enchentes, tão comuns no Campo de Marte, um aeroporto para aviões de pequeno porte também em São Paulo. A princípio, o local foi criticado por ser muito distante e descampado. Foi só no final da década de 60 que a região em volta do aeroporto teve uma forte expansão residencial e comercial.

Trabalhadores no aeroporto de Congonhas, em 1964. Foto: Acervo UH/Folhapress.Trabalhadores no aeroporto de Congonhas, em 1964. Foto: Acervo UH/Folhapress.


- Por 50 mil réis, população pode voar na inaguração do aeroporto

Em 1936, a pista experimental do aeroporto foi testada publicamente pela primeira vez em um evento batizado de “tarde da aviação”. Cerca de 8.000 pessoas foram ver os pousos e as decolagens feitas por pilotos civis e militares renomados. Alguns pilotos civis aceitaram, inclusive, levar os passageiros em seus aviões, desde que pagassem a quantia de 50 mil réis por 10 minutos de voo. Ver os aviões decolando e pousando virou um passeio para os moradores da capital. Muitos se reuniam na famosa “prainha”, um local bem próximo da pista de onde era possível observar tranquilamente a movimentação das aeronaves.

 Cerimônia de entrega oficial dos dois ‘aerobus‘. Foto: Zilli / Acervo UH / Folhapress.Cerimônia de entrega oficial dos dois ‘aerobus‘. Foto: Zilli / Acervo UH / Folhapress.

 

- Em 1936, a pista experimental era de terra e tinha 300m de extensão

No momento da inauguração, a pista estava situada em uma colina alta e descampada, tinha 300m de extensão e era feita de terra batida. No projeto inicial, previa-se a construção de quatro pistas, com 1.200m de extensão cada uma. Atualmente, o aeroporto tem duas pistas, uma com 1.940 m de extensão e outra com 1.435 m.

Caravelle, um dos primeiros aviões comerciais a jato do mundo, em 1957. Foto: Acervo UH /Folhapress.Caravelle, um dos primeiros aviões comerciais a jato do mundo, em 1957. Foto: Acervo UH /Folhapress.

- O nome é em homenagem ao Visconde de Congonhas

Lucas Antônio Monteiro de Barros (1823-1851), o Visconde de Congonhas do Campo, foi o primeiro governante da Província de São Paulo após a independência do Brasil, em 1822. Congonhas também é o nome de um tipo de erva-mate comum em Minas Gerais, na região onde está Congonhas do Campo, cidade natal do governante.

Sala de operação de voo do aeroporto de Congonhas, em 1962. Foto: Acervo UH / Folhapress.Sala de operação de voo do aeroporto de Congonhas, em 1962. Foto: Acervo UH / Folhapress.

- O local já foi palco de animados bailes de Carnaval e “point” do café

Até a década de 70, o segundo piso do aeroporto, hoje utilizado pela administração, abrigava animados bailes de Carnaval promovidos por um tradicional clube da cidade chamado Arakan. No salão, também acontecia casamentos e festas de formatura nos anos 60 e 70.

Na época, o serviço de café do aeroporto era o único na cidade que funcionava 24 horas. Durante anos, visitar a cafeteria após uma noite de festa era visto como um dos programas “chiques'' da capital.

A aviadora brasileira Ada Rogato ao lado de seu avião Cessna, apelidado de “Brasil''. Foto: Manuel de Souza / Folhapress.A aviadora brasileira Ada Rogato ao lado de seu avião Cessna, apelidado de “Brasil''. Foto: Manuel de Souza / Folhapress.

- Ponte aérea Rio-São Paulo

Embora os voos regulares entre São Paulo e Rio de Janeiro já existissem, foi apenas em 1959 que a ponte aérea Rio-São Paulo foi oficialmente inaugurada. O conceito surgiu depois que os executivos das extintas companhias Varig, Cruzeiro e Vasp se uniram para vencer a concorrência com outra companhia aérea da época, a Real.

Balcões de check in em 1959 para a Ala Internacional e ponte aérea Rio-SP. Foto: Acervo UH / Folhapress.Balcões de check in em 1959 para a Ala Internacional e ponte aérea Rio-SP. Foto: Acervo UH / Folhapress.

As três companhias passaram a oferecer decolagens em conjunto que saiam com frequência de uma hora. Os passageiros podiam embarcar no primeiro voo disponível, independentemente da companhia. No mesmo ano, a ala internacional do aeroporto começou a funcionar.

- Pavilhão de autoridades

Na década de 1950, o aeroporto construiu uma área exclusiva para o embarque e desembarque de autoridades e visitas ilustres. O ex-líder cubano Fidel Castro foi um deles. O salão tem decoração requintada com obras de arte. 


Em 1959, Fidel Castro, embarca rumo a Brasília (DF). Foto: Acervo UH / Folhapress.Em 1959, Fidel Castro, embarca rumo a Brasília (DF). Foto: Acervo UH / Folhapress.

***
Do Blog Todos a Bordo no UOL.