AACD é homenageada na passagem da Tocha Paralímpica por São Paulo - São Paulo São

Histórias de pessoas que enfrentaram dificuldades transformando suas vidas em exemplos vitoriosos foram destaque na passagem da Tocha Paralímpica Rio 2016 por São Paulo, ontem.

A homenagem ocorreu por meio da escolha da sede da Associação de Assistência à Criança com Deficiência (AACD), centro de referência mundial em reabilitação, para marcar a condução da chama na capital paulista. A missão ficou a cargo de duas integrantes da instituição, a professora de taekwondo, Alessandra Leal, e a atleta paralímpica, Caroline Barbarino. De acordo com a Nissan, patrocinadora do evento, elas representam pessoas que conseguiram realizar sonhos e superar dificuldades por meio do esporte, simbolizando o espírito dos Jogos e inspirando aqueles que vivem ou poderão enfrentar situações semelhantes.

"É o dia mais feliz da minha vida", afirma Alessandra Leal. Ela ressalta a satisfação de participar de um momento tão importante na história dos Jogos Paralímpicos e por ter a chance de contribuir todos os dias para a vida dos alunos e de todos aqueles que se sentem identificados com a trajetória dela. "Faço tudo de coração porque é assim que transmito a coragem a eles, desafiando e estimulando para que evoluam através do esporte.

Em São Paulo, passagem da Tocha Paralímpica homenageou o trabalho da Associação de Assistência à Criança com Deficiência (AACD). Foto: DivulgaçãoEm São Paulo, passagem da Tocha Paralímpica homenageou o trabalho da Associação de Assistência à Criança com Deficiência (AACD). Foto: DivulgaçãoPara Caroline Barbarino, que ainda na infância precisou amputar uma perna depois de contrair meningite, a experiência também foi inesquecível. "Meu coração quase saiu pela boca. Estou há 19 anos na AACD e é muito emocionante conduzir a Tocha Paralímpica aqui [na sede da instituição].” Assim como Alessandra, ela agradeceu à Nissan pela oportunidade de "ajudar a levar para o mundo a mensagem de que, se a gente quer, a gente pode vencer".

Um dia antes do revezamento em São Paulo, a Tocha Paralímpica passou por Natal, no Rio Grande do Norte; Belém, no Pará, e Distrito Federal, em Brasília. Em Natal, a chama foi levada à Sociedade dos Amigos do Deficiente Físico (Sadef), de onde surgiram supercampeões brasileiros – caso de Clodoaldo Silva, atleta e mentor do Time Nissan. O revezamento foi feito pelo medalhista paraolímpico Francisco Avelino e o professor de ensino técnico e também criador de projeto para facilitar o acesso de quem usa cadeira de rodas às praias, Arthur Medeiros. Em Belém, a tocha passou pelo centro de reabilitação Saber, que atende a crianças e adultos na capital paraense, e foi conduzida por Bruno Lins e a Elielson de Jesus. Os dois têm paralisia cerebral e transformaram o esporte no motor de suas vidas.


A
nissannissan


é patrocinadora oficial do Revezamento da Tocha Olímpica dos Jogos Paralímpicos Rio 2016. #QuemSeAtreve