Subterrâneos resguardam parte da história de São Paulo - São Paulo São

São Paulo, megalópole que ultrapassa os 12 milhões de habitantes, apesar do frenético ambiente de quem transita diariamente pela cidade no intenso vai e vem, esconde muitos mistérios aos olhos de quem passa por seu solo.

Diferentemente do artigo , agora temos uma seleção de locais subterrâneos desconhecidos pela maior parte do público e que resguardam parte da história da cidade. Teatros, aquário, estação de metrô não concluída, instituições artísticas e culturais são alguns dos quase secretos espaços. Confira nossa seleção a seguir:

1. Salão dos Arcos / Theatro Municipal

Foto: Tiago Queiroz/AEFoto: Tiago Queiroz/AE

Como ícone arquitetônico e história que se confunde à da própria cidade, o Theatro Municipal de São Paulo é um dos mais importantes edifícios culturais paulistanos. Com estilo eclético e arquitetura concebida pelos arquitetos Cláudio Rossi e Domiziano Rossi e execução pelo escritório de Ramos de Azevedo, foi inaugurado em 1911, após dezesseis anos de construção. Com seus interiores palacianos, grandiosos salões e escadarias, o edifício foi tombado em 1981 pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico (CONDEPHAAT) e resguarda uma série de segredos e espaços desconhecidos pelo público.

2. Teatro do Centro da Terra

Foto: Divulgação.Foto: Divulgação.

Localizado a 12 metros abaixo do solo da cidade, nos cruzamentos dos bairros do Sumaré e Perdizes, o teatro foi inaugurado em 2001 após cerca de dez anos de obras e escavações. O nome em homenagem ao espetáculo Viagem ao centro da Terra faz menção à peça teatral apresentada em 1992 pela Companhia de teatro Multimídia de São Paulo.

Junto ao auditório com capacidade para 100 pessoas, palco italiano, coxias e urdimento, há um conjunto de salas de ensaios, pesquisas, música e teatro distribuídas pelos quatro andares.

Endereço: R. Piracuama, 19 - Sumaré, São Paulo - SP, 05017-040.

3. Cripta da Catedral da Sé

Foto: Marcia Minillo.Foto: Marcia Minillo.

Localizada a 7 metros abaixo do altar da catedral em estilo neogótico, o espaço possui cerca de 620 metros quadrados. Nos interiores, o piso em mármore Carrara em variantes de preto e branco e abóbodas ogivais com revestimento cerâmico resguardam quinze túmulos de bispos brasileiros e portugueses que atuaram na capital. Da quantidade de sepulturas, há a capacidade para o dobro, e além dos bispos, também se encontra a sepultura do cacique Tibiriçá, pertencente à lista dos primeiros indígenas a serem catequizados na cidade.

As visitas guiadas ao subterrâneo da Igreja ocorrem com agendamento prévio. Leia também: .

Endereço: Praça da Sé - Sé, São Paulo - SP, 01001-000.

4. Casa das Caldeiras

Foto: Andreia Reis / Flickr.Foto: Andreia Reis / Flickr.

Localizada no bairro da Água Branca, lateralmente à linha 7-Rubi da CPTM, o terreno com históricos galpões e três torres cerâmicas contribuíram à geração de energia para a indústria paulistana pertencente à família Matarazzo. O complexo foi fechado entre as décadas de 1970 e 1990 para restauro, após tombamento pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT).

No espaço subterrâneo, os túneis que conduziam a fumaça até as chaminés, atualmente deram lugar a um centro cultural destinado a exposições e atividades artísticas, preservando resquícios da memória paulistana. O espaço subterrâneo pode ser percorrido pelos visitantes do Centro Cultural.

Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 2000 - Água Branca, São Paulo - SP, 05001-200.

5. Passagem literária da Consolação

Foto: Murilo Pagani / Volto Logo.Foto: Murilo Pagani / Volto Logo.

O túnel localizado abaixo da esquina da frenética Avenida Paulista e Rua da Consolação, que anteriormente interligava os pedestres pelo cruzamento subterrâneo, transformou-se há alguns anos em um espaço dedicado à Arte e Cultura. A priori, apresentava condições precárias, marcadas pela sujeira e mal odor. Após manutenção e reformas deu lugar a um sebo, exposições e apresentações musicais.

A passagem tem entrada pela Rua da Consolação, ao lado do Cine Belas Artes. Apesar de aspecto sombrio à quem passa pela calçada, descendo pelas escadas, o aspecto transforma-se em prol da Cultura.

Endereço: R. da Consolação - Consolação, São Paulo - SP, 01301-000.

6. Aquário subterrâneo do Parque da Luz

Foto: Cauê Lage / Cosmos Fotografia.Foto: Cauê Lage / Cosmos Fotografia.

 Inaugurado em 1825, o Parque Jardim da luz é o mais antigo da cidade de São Paulo. Rodeado por importantes edifícios para a história municipal, como o antigo Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo – atual Pinacoteca do Estado de São Paulo, projetada pelos arquitetos Ramos de Azevedo e Domaziano Rossi em 1900, reformado em 1990 por Paulo Mendes da Rocha e ainda, a Estação da Luz, projetada pelo arquiteto britânico Charles Henry Driver em 1867. O jardim dispõe de importantes espécies vegetais, espelhos d’água, fonte e esculturas de Victor Brecheret, além do valor histórico e artístico, ainda mantém um dos tesouros da cidade: um aquário subterrâneo.

Com entrada por meio de uma pequena caverna em forma de túnel, possui vidros laterais criados intencionalmente à visualização dos peixes do lago. Infelizmente, o aquário natural e passagem subterrânea aberta ao público apresentam mal estado de conservação, pela falta de manutenção na água, vidros e iluminação.

Endereço: R. Ribeiro de Lima, s/n - Bom Retiro, São Paulo - SP, 01122-000.

7. Trilhos do Metrô de São Paulo

Foto: Divulgação.Foto: Divulgação.Longe da agitação do Metrô de São Paulo, as madrugadas com a presença de funcionários que trabalham intensamente para manutenção dos trilhos e estações, escondem um ambiente desconhecido pelos passageiros. Ocasionalmente, são oferecidos diferentes modelos de visitas monitoradas às estações, entre o centro operacional e processos técnicos da madrugada, permitindo que o público conheça os bastidores da rede metroviária.

8. Estações abandonadas do Metrô de São Paulo

Foto: Alexandre Giesbrecht.Foto: Alexandre Giesbrecht.

A pouco mais de oito metros abaixo do solo da Estação Dom Pedro II, há resquícios de parte da estação do metrô que começou a ser construída na década de 1960 e que nunca foi finalizada. Estruturas em concreto, treliças, túneis e linhas sem acesso ao público, escondem o que viria a ser uma nova plataforma de embarque. Atualmente, a área serve como área de manutenção dos trens.

Longe da agitação do Metrô de São Paulo, as madrugadas com a presença de funcionários que trabalham intensamente para manutenção dos trilhos e estações, escondem um ambiente desconhecido pelos passageiros. Ocasionalmente, são oferecidos diferentes modelos de visitas monitoradas às estações, entre o centro operacional e processos técnicos da madrugada, permitindo que o público conheça os bastidores da rede metroviária.

9. Túnel Quartel da ROTA

Foto: Estadão.Foto: Estadão.

Inicialmente com cerca de 3 quilômetros de extensão, o túnel de tijolos cerâmicos e terra batida que interligava o prédio do quartel de Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (ROTA) à antiga penitenciária da Avenida Tiradentes e ainda à outras bases de segurança da Polícia, atualmente com apenas 100 metros, ainda guarda parte de suas histórias.

Como uma pequena galeria, junto a outras salas que contam parte da história do quartel e segurança paulistana, dispõe fotografias de época, cartazes e objetos que propicia entendimento aos visitantes. Construído com materiais importados da França (telhas), Itália (tijolos) e Letônia (pinho), atualmente o prédio do quartel é tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico (CONDEPHAAT).

Endereço: Av. Tiradentes, 440 - Luz, São Paulo - SP, 01101-010.

Parte dos locais aqui apresentados e alguns outros, podem ser conferidos através de um tour virtual por meio de vídeos e fotografias através do site Tab Subterrâneos.

***
Por Matheus Pereira no Arch Daily.