Câncer: INCA prevê mais de 700 mil casos anuais até 2025

Anualmente, até 2025, são estimados 704 mil novos casos de câncer no Brasil, 70% deles nas regiões Sul e Sudeste. Os dados são do relatório trienal Estimativa 2023 – Incidência do Câncer no Brasil, apresentado pelo INCA (Instituto Nacional de Câncer). 

No levantamento, foram analisados 21 tipos da doença considerados mais incidentes no país –  os cânceres de pâncreas e fígado foram incluídos na lista pela primeira vez nesta edição da pesquisa. 

O câncer de maior incidência no Brasil é o de pele não melanoma, que chega a 31,3% dos casos. Em seguida está o de mama feminina, equivalente a 10,5%; de próstata, que corresponde a 10,2%; de cólon e reto, com 6,5%; de pulmão, 4,6%; e estômago, com 3,1%. 

O biólogo e sócio-proprietário da Tech Four Medical Antonio Luccisano cita uma das justificativas para os números. “A causa mais frequente do câncer de pele não melanoma é a exposição prolongada e repetida aos raios solares. Considerando que o Brasil é um país tropical, litorâneo e agrícola, vemos esse tipo de câncer dominar as estatísticas brasileiras”.

Em 2022, o governo brasileiro, por meio do Ministério da Saúde, destinou R$ 15 milhões para a área de dispositivos médicos como recursos não reembolsáveis destinados ao desenvolvimento de novas tecnologias nas áreas de oncologia e cardiologia. A medida foi uma parceria com a Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial).

Segundo o INCA, 30% dos casos de câncer podem ser prevenidos e muitos outros têm chance de cura, quando detectados precocemente e tratados adequadamente. A tecnologia favoreceu o avanço dos tratamentos e trouxe novas perspectivas para os pacientes.

Exames precisos para a identificação precoce de tumores, novos medicamentos, imunoterapia e cirurgia minimamente invasiva são exemplos de técnicas associadas ao uso da tecnologia com foco em diagnóstico, prevenção e tratamento oncológico.

Luccisano afirma que atualmente a medicina conta com tecnologias capazes de realizar exames personalizados para cada paciente. “Uma das linhas de atuação é o uso da genômica, testes para rastreio de alterações no DNA, que permitem a identificação de possíveis tumores em desenvolvimento”. 

“Há também a possibilidade do rastreio genético do próprio tumor, após o diagnóstico. Neste caso, há maior precisão na definição do tratamento, o que aumenta as chances de cura para o paciente”, completou.

O especialista destaca a importância da conscientização sobre a busca por cuidados de saúde desde os primeiros sinais de câncer. “É essencial que a população seja incentivada a procurar atendimento médico diante de quaisquer sintomas suspeitos para garantir a oportunidade de receber o tratamento adequado”.

Além de contar com o suporte da tecnologia e dos avanços da medicina, prossegue o biólogo, é fundamental ter hábitos saudáveis, praticar atividades físicas e realizar exames periódicos. “É ótimo que a tecnologia esteja evoluindo para tratar os casos de câncer, mas seria ainda melhor se agíssemos para preveni-los”, conclui Luccisano. 

Para saber mais, basta acessar: https://techfourmedical.com/

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found
Posts relacionados
Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.