Coworking: modalidade de trabalho é alternativa no pós-pandemia

A nível mundial, sete a cada dez profissionais (72%) preferem o modelo de trabalho flexível após a pandemia de Covid-19. É o que demonstra um relatório recente da agência de TI (Tecnologia da Informação) e engenharia Apollo Technical, citado pela reportagem da CNBC. De forma similar, estudo conduzido pelo ADP Research Institute indica que mais da metade (67%) dos trabalhadores afirmam que se sentem mais capacitados para trabalhar em empresas com uma política de trabalho flexível.

Para Rafael Yokoshiro, CEO da Coletiv.me Coworking – empresa que atua com aluguel de escritórios compartilhados -, a forma de trabalho flexível, preferida pela maioria das pessoas após a experiência de home office, empreendida durante o período de confinamento, está alinhada com as possibilidades oferecidas pelo coworking.

“O coworking é um modelo de trabalho que se baseia no compartilhamento de espaço e recursos de escritório, reunindo pessoas diversas, sejam profissionais liberais, empreendedores ou usuários independentes”, afirma Yokoshiro.

Para o empresário, o modelo pode gerar mais produtividade aos trabalhadores no pós-pandemia, além de proporcionar novos contatos de negócios através do networking com outros empreendedores, pois pessoas e empresas que trabalham em coworkings também utilizam este modelo para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e contratam serviços mutuamente com outros empreendedores.

“Este tipo de ambiente favorece o surgimento e amadurecimento de ideias e projetos novos. Além disso, oferece benefícios como maior facilidade para focar em uma tarefa e realizá-la bem, a possibilidade de estabelecer relações de sinergia com outros profissionais e o aumento da rede de contatos”, diz ele.

Coworking oferece diferenciais para empresas

Yokoshiro destaca que, em um contexto de retomada econômica, o coworking oferece diferenciais para empresas, como a possibilidade de endereço comercial e fiscal, redução de gastos com aluguel de imóveis, com internet, água e luz, além de oferecer estruturas que podem incluir salas mobiliadas e salas de reunião.

“Nesse tempo de crescimento acelerado das cidades, pensar em uma localização adequada para montar o seu escritório pode tomar mais tempo do que o desejado. Além da escolha, o preço torna-se algo que, muitas vezes, dificulta o processo”, observa.

Outrossim, prossegue, nos últimos anos, percebeu-se uma maior otimização de custos e racionalidade no uso de espaços da parte das empresas. Em um mundo pós pandemia, este cenário acelerou, pois o uso maciço das tecnologias aceleraram a possibilidade de trabalho remoto de quase todos os tipos de profissionais.

“As possibilidades de aluguel de espaços são variadas, partindo de aluguel de estações de trabalho individuais ao aluguel de salas privativas e de salas de reunião. Quanto à duração, os espaços podem ser alugados por hora, dia ou mês”, descreve Yokoshiro.

Segundo o CEO da Coletiv.me Coworking, além do aluguel de espaços, diversos serviços podem ser agregados em um espaço do gênero, como estacionamento privativo e recepcionista. “Aliás, o coworking se mostra uma alternativa para empresas que priorizam espaços com internet rápida, impressoras, cópias, armários individuais, escritórios virtuais, áreas comuns, como copa e cozinha, ambientes mobiliados e confortáveis e espaços para eventos”, finaliza.

Para mais informações sobre tendências de coworking em Salvador, basta acessar: https://coletiv.me/

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found
Posts relacionados
Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.