Número de corretores de imóveis cresce e chega a 513 mil

O Brasil tem presenciado um aumento de corretores imobiliários. Em 2020, o Conselho Federal de Corretores de Imóveis (COFECI) informava que eram 390 mil profissionais cadastrados. Esse número saltou para 513 mil no segundo semestre de 2023, um crescimento de aproximadamente 31%.

Só entre 2020 e 2021, o COFECI estima que a quantidade de corretores tenha crescido 10% e que as imobiliárias tenham ido de 47 mil para 56 mil. Além disso, as previsões para o setor em 2024 são otimistas, com expectativa de mais lançamentos de imóveis, aponta uma outra organização da área, a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC).

Na visão de Diogo de Carvalho, fundador do Grupo Decarvalho (startup especializada em venda de imóveis), uma característica que ajuda a explicar a força do setor é a sua abrangência, o fato de se fazer presente em vários aspectos da vida da população. 

“Costumo dizer que o mercado imobiliário está em todo lugar. Onde você está agora? Restaurante? Escritório? Sua casa? Isso é mercado imobiliário! Seguindo a lógica, a propriedade desses imóveis sempre se transfere”, afirma o especialista. 

Ele exemplifica dizendo que, a todo momento, há negócios fechando e abrindo, pessoas se casando e outras se separando, famílias crescendo e filhos saindo da casa dos pais. Tudo isso gera demanda para os profissionais da área.

Estes acompanham o cliente desde o primeiro atendimento até o fechamento do contrato, englobando funções como agendamento de visitas, análise de documentação, consultoria, avaliação de imóveis, entre outras. 

“Profissão regulamentada e sem muita dificuldade de entrada”

Quesia de Carvalho, cofundadora do Grupo Decarvalho, diz que é comum conhecer pessoas que dizem ter vontade de trabalhar com corretagem, mas que não sabem como funciona a profissão.

“Para ser corretor, você precisa do curso de técnico em transações imobiliárias (feito com dedicação, dura de três a seis meses), estágio em uma imobiliária e o registro no Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI)”, detalha.

Ela acrescenta que, apesar do crescimento, o mercado carece de bons profissionais. Na sua visão, o requisito principal é saber lidar com pessoas. Ter conhecimentos de financiamento imobiliário, de economia e da legislação do setor também é fundamental.

Cientes da importância de poder contar com bons profissionais, o Grupo Decarvalho criou a Academia Decarvalho, um braço educacional da empresa que oferece conteúdo técnico gratuito para quem já é corretor ou pretende atuar na área.

Além da questão da formação, outra dúvida muito comum, de acordo com Diogo, é em relação aos ganhos. “Uma comissão gira em torno de 5% a 6%. Considerando uma venda de R$ 500 mil, a comissão do corretor vai de R$ 10 mil a R$ 20 mil”, exemplifica, fazendo a ressalva de que essa porcentagem pode variar dependendo de cada caso.

“É uma profissão regulamentada com boas oportunidades e sem muita dificuldade de entrada. Corretores dedicados e competentes se destacam e conquistam espaço”, finaliza Diogo.

Para saber mais, basta acessar: https://grupodecarvalho.com.br/.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found
Posts relacionados
Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.