Acidentes fatais caem 52% nas marginais Tietê e Pinheiros

 
De julho de 2014 a junho de 2015, foram 64 acidentes com mortes, contra 31 ocorrências do tipo nos 12 meses seguintes, até junho de 2016. Com isso, a queda foi de 52%. O resultado é fortemente influenciado pela redução dos atropelamentos fatais, que quase zeraram nas marginais – de 24 casos acumulados em 12 meses até junho de 2015, houve apenas um em período equivalente até 2016.
 
A diminuição dos limites nas marginais foi um dos temas dominantes na campanha municipal em São Paulo –ganhando força após a eleição de João Doria (PSDB). O tucano prometeu rever a a medida e afirmou que as velocidades máximas na Tietê e na Pinheiros vão subir logo no começo de sua gestão – de 70 km/h para 90 km/h na expressa, de 60 km/h para 70 km/h na central, e de 50 km/h para 60 km/k na local.
 
Pressionado, Doria indicou nesta semana a possibilidade de um recuo, ao declarar que a máxima de 50 km/h pode ser mantida em trechos.
 
Nesta terça (11), ele reafirmou a ideia de aumento dos limites nas marginais, dizendo que a “decisão foi muito madura, estudada e avaliada tecnicamente”. Afirmou que os 50 km/h cogitados são “apenas em alguns pontos específicos onde existirem pesquisas que indiquem claramente riscos de atropelamento nas vias de acesso”. 

A diminuição da velocidade nas marginais foi adotada pela gestão Fernando Haddad (PT) em 20 julho de 2015. A medida foi questionada judicialmente pela OAB­SP (Ordem dos Advogados do Brasil), mas sem sucesso.

Apesar da aprovação majoritária de especialistas em transporte, a medida foi criticada por parte deles, por se tratar de uma via que interliga rodovias. Eles cobravam ainda outras ações ­pendentes até hoje­ para melhorar a segurança das pistas.
 
Mortes no trânsito
Junho de 2015 – Mês em que Haddad reduziu limites de velocidade, que antes eram de 70 km/h nas pistas locais e centrais e 90 km/h nas expressas.
– 52% foi a redução dos acidentes desde a medida Nenhum atropelamento com morte ocorreu na marginal Tietê de julho de 2015 a junho 2016. 

Fontes: CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), Infosiga, Polícia Rodoviária Federal e Ipea.

A tendência de redução de vítimas em acidentes não ocorre apenas nas marginais – também houve queda recente no restante da capital, no Estado e em rodovias, mas em intensidade muito menor. Parte dos técnicos vê influência da crise econômica, que diminui a frota nas ruas. 

A gestão Haddad diz que a capital pode atingir em dezembro a marca de 6,92 mortes por 100 mil habitantes, próxima da meta de 6 apresentada à ONU para 2020. Como a Folha mostrou em julho, as multas por excesso de velocidade (que podem variar de R$ 85 a R$ 574) mais que triplicaram nas duas marginais ­na comparação do primeiro trimestre de 2015 com igual período deste ano.

De 171 mil multas nos primeiros três meses do ano passado, a quantidade de infrações de velocidade registradas nas marginais ultrapassou 544 mil em 2016 – equivalente a quatro por minuto.

Atropelamentos

Os números tabulados pela CET apontam que, excluídos os atropelamentos, houve 30 acidentes com mortes nas duas marginais nos 12 meses anteriores a junho de 2016. A queda foi de 25% em relação a período equivalente anterior, com 40 casos. No caso dos atropelamentos fatais, na marginal Tietê, eles zeraram nesse período.

Como comparação, nos 12 meses anteriores, houve 17 ocorrências desse tipo. Na marginal Pinheiros, os dados da CET apontam um atropelamento com morte entre julho de 2015 e junho de 2016, contra 7 casos em período equivalente anterior.

Trânsito nas Marginais

Média de  congestionamentos a cada 12 meses, em Km.
Fonte: CET.

A queda no número de mortes no trânsito das marginais Tietê e Pinheiros coincide com tendência de queda nos óbitos em acidentes de trânsito em todo o Estado de SP.

Dados do Infosiga, sistema do governo estadual baseado em dados fornecidos mensalmente pela Polícia Militar, mostram que o ritmo de queda nas mortes do trânsito é mais acentuado na capital.

A capital registrou, de janeiro a agosto deste ano, queda de 17% – de 775 para 645 ocorrências, em comparação com o mesmo período do ano passado. Nos 645 municípios paulistas a diminuição é de 5,5%, de 4.093 para 3.867 mortes, conforme informou o jornal “O Estado de S. Paulo” semana passada.

Segundo engenheiros de tráfego, a queda mais acentuada tem relação com a política de redução de velocidade implementada na gestão do prefeito Fernando Haddad (PT). Em 2015, a cidade de São Paulo fechou o ano com índice de 9,7 mortes por cada 100 mil habitantes, segundo o Infosiga.

***
Por Giba Bergamim e Eduardo Scolese no Cotidiano da Folha de S.Paulo.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.