Aprender a pedalar vai fazer parte do currículo escolar em Portugal

Pela proposta, que está disponível para consulta e discussão até o dia 28 de abril, os alunos do 1º ciclo vão aprender a pedalar dentro do ambiente escolar. Já no 2º e 3º ciclos e no secundário os jovens sairão de bicicleta para os ambientes abertos das ruas e ciclovias. 

Segundo o governo, um dos objetivos é chegar nos próximos anos aos 20% de mobilidade ativa, ou seja, tornar o caminhar e pedalar como importantes modos de deslocamento nas cidades. Isso porque Portugal ocupa a penúltima posição na União Europeia, quando o assunto é usar a bicicleta como principal meio de transporte.

Este foco nas crianças e jovens em idade escolar quer “criar condições para uma mudança drástica de comportamentos nas novas gerações”. Em resumo: “A educação para a mobilidade ativa e sustentável, e para a cidadania rodoviária será providenciada a partir do pré-escolar, e continuada nos níveis seguintes, incentivando o uso compartilhado e responsável do espaço público.” E essa formação será “teórica e prática”, reforça José Mendes, Secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade. “Hoje vemos muita falta de cidadania viária”, lamenta, e a aposta passa, por exemplo, por “ensinar regras” ou conceitos como “condução defensiva”. Tanto a ciclistas como a futuros condutores de automóveis.

Segurança

Por causa da aposta nos mais novos, está a ser estudado o “alargamento da cobertura do seguro escolar”, havendo a possibilidade de incluir proteção nos acidentes que envolvem alunos que se deslocam para a escola com bicicletas.

Os adultos que não sabem pedalar não ficam, ainda assim, de fora. Haverá um “quadro de referência nacional para ensinar a pedalar”, com “desenvolvimento de competências para pedalar em condições de conforto e segurança, em contexto protegido (nível básico) e em meio rodoviário (nível avançado)”. E aqui será preciso, também, formar e certificar monitores.

Aprender a pedalar será, nos próximos anos, obrigatório para as crianças a partir do ensino básico em Portugal. Foto: Bikes World.

Entre os portugueses, existe a percepção de que o país ainda não é seguro para os ciclistas. Os dados da Federação Europeia de Ciclistas (ECF) confirmam: em média, morrem nas cidades portuguesas 600 ciclistas por ano.

Para reduzir os acidentes com pedestres e ciclistas até 2030, o governo – por meio da Estratégia Nacional de Mobilidade Ativa – propõe a construção de 10 mil km de ciclovias, além de aperfeiçoar o Código de Estrada e rever o Regulamento de Sinalização de Trânsito, entre outras medidas.

***
Fonte: Público.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.