As 20 melhores cidades do mundo para se viver, segundo a consultoria Mercer

No topo do ranking, além da representante austríaca, é evidente a prevalência de cidades europeias como Zurique (Suíça), que está em segundo lugar, e Munique (Alemanha), em terceiro. As exceções, entre os primeiros lugares, são Vancouver (Canadá), Auckland (Nova Zelândia), que empata com Munique, e Sydney (Austrália), em décimo.

Outras quatro cidades alemãs (Dusseldorf, Frankfurt, Berlim e Hamburgo) alcançaram o top 20, juntamente com mais três cidades suíças (Genebra, Basiléia e Berna), mais duas cidades canadenses (Toronto e Ottawa), outra da Nova Zelândia (Wellington), duas da Austrália (Sydney e Melbourne) e um da Dinamarca (Copenhague) e Holanda (Amsterdã).

A única nova entrada para o top 20 foi a cidade de Luxemburgo, que eliminou Estocolmo. O ataque terrorista na capital sueca, em 7 de abril de 2017, é responsável pela queda da cidade.

Entre as cidades latinas, nenhuma aparece nesta parte do ranking. A mais bem colocada é a capital do Uruguai, Montevidéu, que está em 77º. A primeira brasileira a aparecer na lista é Brasília, em 108º, mas constam ainda Rio de Janeiro (118º), São Paulo (122º) e Manaus (127).

As 20 melhores cidades do mundo para se viver:

1. Viena
2. Zurique
3. Auckland
4. Munique
5. Vancouver
6. Dusseldorf
7. Frankfurt
8. Genebra
9. Copenhagen
10. Basel
11. Sydney
12.Amsterdam
13. Berlim
14. Berna
15. Wellington
16. Melbourne
17. Toronto
18. Luxemburgo (Rua Philippe II em foto ao lado).
19. Ottawa
20. Hamburgo


Fonte: The Telegraph (Ingles).

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.