Cansada de ler sobre garotos, menina reúne 4.000 livros com garotas negras

 
Cansada de ler livros na escola sobre “garotos brancos e seus cachorros”, Marley Dias, 11, resolveu começar um desafio ousado: reunir mil livros cujas personagens principais fossem meninas negras.
 
Com ajuda de sua mãe, Janice, a garota, que vive em New Jersey, nos Estados Unidos, começou a campanha na internet em novembro do ano passado com a hashtag #1000blackgirlbooks (1.000 livros de garotas negras).
 
“Eu estava na quinta série e fiquei frustrada porque só líamos livros sobre garotos brancos e seus cachorros. Daí, eu falei com a minha mãe e ela me disse: ‘ok, mas o que você vai fazer sobre isso?’ E eu decidi que ia colecionar mil livros”, contou ela em entrevista à Folha.
 
“Não me entenda mal, eu gostava daquelas histórias, eu só queria algo que eu pudesse me relacionar com”, explicou.
 
Para Marley, se ver em um personagem é muito importante, porque ajuda a entender e a lembrar melhor da mensagem dos livros.
 
No começo, conta Janice, foi difícil. Elas receberam algumas doações, mas em janeiro, depois de aparecerem em um jornal, os livros começaram a chegar – e muitos, muitos deles.
 
Até agora, o projeto já reuniu mais de 4.000 livros (em um índice on-line, você pode dar uma olhada em 700 deles: ), muitos dos quais Marley e a organização social de sua mãe, a Grass Roots Foundation – que acabou participando ativamente da campanha e da organização dos livros–, doaram para a antiga escola da garota, além de outros colégios nos Estados Unidos e na Jamaica, onde Janice nasceu.
 
“Eu fiquei orgulhosa de mim por ter conseguido atingir o objetivo e depois ultrapassa-lo”, contou Marley. “E mil era um número grande para mim, porque eu só tenho 11 anos”, brinca.
 
Ela e sua mãe esperam continuar recebendo doações. “Acho que nós não tínhamos noção do dilema internacional que é essa questão da falta de diversidade e a Marley teve a chance de dar voz a um desafio que muitas pessoas preferem não falar”, disse Janice.
 

Marley Dias escreve sua hashtag #1000blackgirlbooks em quadro. Foto: GRF / Divulgação.
 
Entre os favoritos de sua grande coleção, Marley destaca o livro Brown Girl Dreaming (não há traduções em português), que conta, em poemas, a história de uma garota afro-americana criada no sul dos Estados Unidos durante os anos 1960 e 1970, em um contexto de segregação racial.
 
“Eu gostei, porque foi um desafio ler esse livro, já que era poesia”, conta ela. “Foi bom para eu desenvolver minhas habilidades de leitura e foi muito divertido. Poesia é mais misterioso, porque os autores não tentam te contar o significado direto, você pode ir lendo e fazer o seu caminho.”
 
Agora, Marley já tem planos de formar um clube de leitura de livros sobre garotas negras. A ideia, explica ela, é que os participantes leiam o volume escolhido durante o verão e depois discutam por Skype ou na internet.
 
“São livros sobre garotas negras, mas, na verdade, os livros são para todas as pessoas que quiserem ler e você pode aprender muito neles sobre racismo e cultura”, diz ela.
 
***
Isabel Seta na folhinha da Folha de S.Paulo.
 
 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.