Ônibus lilás vai acolher mulheres vítimas de assédio no carnaval de São Paulo - São Paulo São

Um ônibus lilás estará a postos, em blocos com maior concentração de foliões, para prestar acolhimento gratuito a mulheres que se sentirem importunadas ou forem assediadas durante o pré-carnaval e carnaval de São Paulo.

“A ideia é que a gente consiga fazer um acolhimento à mulher que se sinta, por algum motivo, violada no seu direito, seja assediada ou que efetivamente tenha passado por alguma situação de violência”, explica Ana Claudia Carletto, secretária-executiva adjunta da Coordenação de Políticas para Mulheres da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. "A mulher, quando ela se sentir invadida no limite dela, ela tem que denunciar. E aí a gente também tem que conscientizar os homens que o limite dele vai até não fira o limite da mulher."

A unidade móvel que conta com psicóloga, assistente social, advogada, coordenadoras do movimento Coordenação de Políticas Públicas para Mulheres e apoio da GCM (Guarda Civil Metropolitana), do programa Guardiã Maria da Penha, estará presente das 15h às 20h nos seguintes locais: sábado (23), no largo da Batata com a Faria Lima; dias 2 e 3 de março, na Praça da República e nos dias 4 e 5 de março, na avenida Tiradentes com a rua Ribeiro de Lima.

Bloco Casa Comigo em desfile na Avenida Faria Lima. Foto: Rogério Padula / Estadão Conteúdo.Bloco Casa Comigo em desfile na Avenida Faria Lima. Foto: Rogério Padula / Estadão Conteúdo.

De acordo com a Prefeitura de São Paulo, a operação durante os dias de festa será de acolhimento, conscientização e, caso seja necessário, será realizado o encaminhamento para a rede de atendimento como Delegacia da Mulher, Centros de Referência, Ministério Público e Defensoria, que são parceiros na Rede de Proteção e Enfrentamento à Violência contra a Mulher.

Isabela Guimarães Del Monde, da Rede Feminina de Juristas, explica: "Esse crime foi criado justamente para contemplar aquelas situações que não eram nem contravenção penal, de importunação ao pudor, e nem o crime de estupro. Faltava uma figura legislativa no meio".

Adesivo da campanha #CarnavalSemAssédio Imagem: Divulgação.Adesivo da campanha #CarnavalSemAssédio Imagem: Divulgação.

Para quem ainda não consegue diferenciar paquera de importunação ou assédio, preste atenção:

Mandar um xaveco ou elogiar atributos físicos de quem não deu bola para você - é importunação sexual

Tocar, puxar o cabelo, segurar pelo braço para satisfazer a vontade - também é importunação sexual

Iniciar uma conversa respeitosa, dizendo o seu nome ou fazendo uma piada - não é problema. Se a pessoa não quiser continuar o papo, obedeça.

O mesmo vale se já tiver rolado um beijo e a pessoa não quiser mais ficar com você. O consentimento pode ser retirado a qualquer momento. Esqueça aquela história de que mulheres falam "não" para se fazer de difíceis.

Após o término da folia em São Paulo, a atuação da unidade móvel segue o planejamento em diversos bairros da cidade, com ênfase nas regiões mais afastadas do centro e com maior índice de vulnerabilidade. Em 2018, a operação com o ônibus lilás atendeu 1.051 mulheres.

***
Fontes: Agência Estado e PMSP.