Cidade inteligente: tecnologia para tornar serviço público mais eficiente

O uso de big data e da internet das coisas também pode ser visto nos serviços públicos. Este é o conceito das cidades inteligentes, outra vertente da digitalização. Diversas metrópoles espalhadas pelo mundo já contam com recursos da tecnologia da informação, em diferentes níveis, em que sistemas de saneamento, iluminação, transporte, entre outros, estão conectados à internet para se tornarem mais eficientes.

Empresas de tecnologia desenvolvem programas para detectar vazamentos de água, monitorar o trânsito, fazer a manutenção do sistema de iluminação e controlar a poluição do ar, entre outros exemplos.

Wikings Machado, diretor de marketing e estratégia de gerenciamento de energia da Siemens, afirma que, com a automação e a digitalização, as cidades estão virando grandes centralizadores de dados. “Com a consolidação dessas informações, as cidades podem tomar medidas mais assertivas para melhorar o conforto da população.”

No Brasil, a cidade do Rio de Janeiro foi eleita este ano, durante o evento Connected Smart Cities, como referência no ranking geral dos municípios com mais de 500 mil habitantes. A segunda colocada foi a cidade de São Paulo, seguida por Belo Horizonte, Brasília e Curitiba.

O carro-chefe da “smart city” é o Centro de Operações Rio. Inaugurado em 2010, o centro integra 30 órgãos que monitoram a cidade 24 horas por dia e consolida todas as etapas de um gerenciamento de crise, como chuvas fortes, deslizamentos e acidentes de trânsito.

Centro de Operações Rio. Foto: Divulgação.

“A cidade inteligente faz parte do plano estratégico da prefeitura para tornar o Rio de Janeiro mais ágil, em termos de prestação de serviços, mais conectado e mais cognitivo, isto é, em constante transformação, com a participação da população.” Franklin Coelho, secretário municipal de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro.

Mas, assim como na internet das coisas, Antônio Selvatici, doutor em Robótica Móvel e professor da Fiap, diz que uma das barreiras para as cidades inteligentes funcionarem plenamente é a interconexão entre as tecnologias para que os sistemas operem em harmonia. “Isso depende de padronização dos sistemas, e a questão é que, como o mercado é muito grande, cada um quer ter seu padrão.”

Acesse aqui para ver o mapa da “cidades inteligentes”.

 Fonte: Futuro Digital / UOL.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.