Conheça 5 destinos tranquilos perto de São Paulo para passar o Carnaval no sossego

1. Analândia

Se você deseja passar o feriadão em uma cidade mais ou menos com o perfil de Brotas, mas sem tanta gente pelas ruas e cachoeiras, seu destino é Analândia, justamente a 57 km dali.

O número de atrações é exponencialmente menor, mas não decepciona – e também nada impede que vá um dia a Brotas. Cartão-postal da cidade, o Morro do Cuscuzeiro é uma formação solitária arenítica com os últimos 50 m totalmente verticais com várias vias de escalada com cordas. Mas você pode subir até um certo ponto e curtir a vista.

Tomando certo cuidado especialmente se estiver com crianças, a Cachoeira do Escorrega é diversão certa. A altura pouco importa, o pessoal gosta é de alugar uma boia e descer pela rocha escorregadia.

Em terra de produção de cachaças – Pirassununga que fabrica uma famosa marca, fica a 35 km – Analândia marca presença com a Cachaçaria Macaúva. Além da visitação ao alambique, há um restaurante com uma carta com 24 aguardentes de todo o Brasil.

  • Distância de São Paulo: 236 km.
  • Como chegar: saia de São Paulo pela Rodovia dos Bandeirantes até o encontro com a Washington Luiz, seguindo por essa rodovia até o trevo de Analândia.

2. Cunha

A cerâmica colocou Cunha no mapa turístico do Brasil. Foto: Divulgação.

O Carnaval no centinho histórico de Cunha pode até ser agitado – nada que se compare à loucura da vizinha São Luiz do Paraitinga, claro  –, mas o município que dá início à Serra da Bocaina tem tanta, mas tanta área livre para passear, que o sossego é garantido.

Quem pega a sinuosa estradinha para o distrito de Campos de Cunha dirige por 28 km praticamente sem encontrar vivalma, apenas com as montanhas ao lado. De lá, são mais 8 km até a Cachoeira do Paraitinga, já na vizinha Silveiras.

Do lado inverso, com acesso pela estrada Cunha-Paraty, subir a Pedra da Macela em dias claros é garantia de se ver além da cidade histórica fluminense de um ângulo inusitado e muito próximo.

A caminhada de 2 km é íngreme, mas qualquer criança com seus 9, 10 anos faz. Você pode combinar esse programa com uma visita à Cervejaria Wolkenburg e com O Lavandário.

Claro que não podemos deixar de falar dos ceramistas, que por lá chegaram nos anos 70 e alavancaram o nome da cidade. Todos adeptos da técnica noborigama, onde as peças são queimadas por duas vezes em fornos de alta temperatura.

No sábado de Carnaval, o ateliê de Suenaga e Jardineiro promoverá uma abertura da fornada ao público às 10h, 12h, 14h e 16h – depois de queimados os objetos são resfriados por dias dentro do forno até acontecer sua abertura.

  • Distância de São Paulo: 233 km.
  • Como chegar: siga pelo Sistema Ayrton Senna/Carvalho Pinto até o final, continuando pela Via Dutra até Guaratinguetá. O trecho final de 47 km é pela SP-171.

3. Gonçalves

A Serra da Mantiqueira em seu estado mais bruto. Foto: Acervo Setur.

A única não-paulista dessa seleção fica até mais próxima da capital do que outras mencionadas no post. O mais chato é a constante troca de rodovias para alcançar um dos destinos mais cultuados da Serra da Mantiqueira (veja como chegar abaixo).

No Carnaval, a temperatura na região é bem amena, possibilitando encarar uma atividade aquática. Como as cachoeiras têm fácil acesso e deverão estar abarrotadas, você pode fazer um boia-cross no Rio Capivari.

Bom condicionamento físico é pré-requisito para subir as pedras Bonita, do Forno e Chanfrada e ficar embasbacado com a vista que se forma – na mais alta, a Pedra Bonita, consegue-se ver Campos do Jordão. Com um nível menor de exigência física, a Pedra de São Domingos é uma boa opção para quem viaja com filhos adolescentes.

No quesito comilança, a exposição de geleias e antepastos de A Senhora das Especiarias é imperdível. Quem não dispensa uma comida caseira no fogão a lenha em um terreno cheio de galinhas soltas, vá para o Restaurante da Vilma, no Bairro dos Venâncios, na área rural.

  • Distância de São Paulo: 221 km.
  • Como chegar: prepare-se para um ziguezague de rodovias. O começo é simples, seguindo pelo Sistema Ayrton Senna/Carvalho Pinto e prosseguindo pela sua continuação natural, a Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro. Saia no trevo de Santo Antônio do Pinhal pegue a SP-046. Atravesse Pinhal e vá até o trevo da SP-050, prosseguindo por 2 km nessa via, até o trevo da SP-042. Continue por essa e, 8 km após São Bento do Sapucaí, ufa, entre na derradeira estrada, dirigindo mais 13 km.

4. Monte Alegre do Sul

O que mais se encontra em Monte Alegre do Sul são alambiques. Reprodução / Facebook / Campanari.

O efervescente comércio de Serra Negra está a 11 km, e as construções históricas de Amparo, a 13 km. Um pouco mais distante – mas nem tanto – 30 km é a distância para as atividades radicais de Socorro e com 40 km de estrada, chega-se em Monte Sião e suas centenas de malharias.

Se você for louco por passeios, mas não abre mão de noites pacatas em tempos de folia, a localização estratégica e a tranquilidade de Monte Alegre do Sul caem como uma luva. Porém, ao fincar seus olhos na cidadezinha, bater um papo com os moradores ou passear pelas estradas que cortam a área rural, é bem capaz que você não saia para conhecer nada.

Fruto da colonização italiana, pelo município estão espalhados mais de 50 alambiques, muitos com visitação e degustação – mas não vai abusar, heim!

No Centro, o Espaço da Fonte mescla alambique, ateliê e um amimado bar. Como quase toda cidade da região, o Mirante do Cristo garante aquela vista 360º.

Quem viaja com crianças deve reservar um tempo para conhecer a Mini-Cidade, uma maquete mostrando Monte Alegre do Sul em miniatura.

  • Distância de São Paulo: 131 km.
  • Como chegar: há varias ligações possíveis entre São Paulo e Monte Alegre do Sul. A mais curta é pela Rodovia Fernão Dias. Entre no trevo de Bragança Paulista, atravesse a cidade, proseguindo pela SP-146. Entre no trevo de Pinhalzinho e Monte Alegre para os derradeiros 24 km da viagem.

5. Tapiraí
Em terra de cachoeira, a do Chá reina em Tapiraí, Foto: Pedro Schiavon.

Localizada na divisa da região sorocabana com o Vale do Ribeira, bem no topo da Serra do Mar, Tapiraí exala Mata Atlântica – e tranquilidade  –  por todos os lados. Quem conhece Paranapiacaba, nota semelhanças na névoa por vezes presente e no alto índice de chuvas.

Cheia de vales acidentados, o terreno é fértil para a profusão de cachoeiras. A maior e mais famosa, a do Chá, está a 15 km do Centro, com 30 m de queda e um quilômetro de trilha.

Mais próxima da cidade, mais baixa, quase sem trilha e com poço para banho, a Cachoeira do Alecrim é perfeita para quem viaja com crianças.

  • Distância de São Paulo: 142 km.
  • Como chegar: pegue a Raposo Tavares, Logo após atravessar Vargem Grande Paulista, siga pela sinuosa Rodovia Bunjiro Nakao (SP-250). Passe poe Ibiúna e Piedade até encontrar a BR-478, que segue rumo a Tapiraí.

***
Por Fernando Leite no Viagem & Turismo. Edição: São Paulo São.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.